Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Para onde Kiseijuu está levando a história? Ainda não sei direito, mas parece que será algo muito parecido com Tokyo Ghoul. O conflito entre dois mundos, o dos monstros e o dos homens, e o protagonista que pertence a ambos mas por isso mesmo não pertence a nenhum. A diferença é que aqui o inimigo é muito mais assustador (não existe uma unidade policial especializada em combatê-lo; na verdade, a humanidade sequer sabe sobre a existência do inimigo), o protagonista está sozinho e a história é contada do ponto de vista da humanidade. Tudo isso torna a história mais verossímil e faz com que eu me identifique com muito mais facilidade com o protagonista. Mas antes de tecer minhas considerações, começarei explicando o básico.


Anime21 Diário

Informe o seu e-mail para receber gratuitamente as atualizações do blog!


Migi não entende porque Shinichi se preocupa com outras pessoas

Migi não entende porque Shinichi se preocupa com outras pessoas

Não se sabe como ou de onde, mas surgiram no mundo parasitas que devoram o cérebro das pessoas para controlar seus corpos, tornando-se monstros que devoram outras pessoas. Relatos de assassinatos por esquartejamento vêm de todas as partes do mundo, a sensação de insegurança começa a se alastrar, mas ninguém sabe quem ou porque está fazendo isso. O único que sabe da verdade é Shinichi, que teve sua mão direita devorada por um desses parasitas. Como ele não conseguiu o cérebro Shinichi permanece consciente e no controle de todo o resto de seu corpo, fazendo com que os dois organismos habitem um mesmo corpo. O episódio começa com Shinichi dizendo que desistiu de entregar o parasita para as autoridades (mas ele mudará de ideia de novo durante o episódio, acompanhe) pois precisa dele para se proteger e proteger os outros. Sim, Shinichi já acha a situação ruim o bastante para pensar de forma altruísta em proteger, dentro de suas limitações, toda a humanidade. O parasita diz não entender a forma de pensar de Shinichi, que responde que ele é mesmo um inseto, um demônio, ao que o parasita treplica que, dado o que ele já aprendeu sobre a humanidade, o homem que devora diversas outras espécies está muito mais próximo da definição de demônio que ele e os seus, que só devoram uma.

O outro monstro oferece a Migi um lugar em seu próprio corpo

O outro monstro oferece a Migi um lugar em seu próprio corpo

E durante todo o episódio vemos cenas que tentam provar isso. Logo no começo, um trio de rufiões tentava forçar uma mulher a acompanhá-los para sabe-se lá onde contra sua vontade, quando chega um outro homem, de terno, e derruba os três a socos e pede que ela o acompanhe. Ele era um parasita, um monstro, mas ele a salvou e não matou os três bandidos. Ele pretendia devorá-la, isso é certo, mas o clima todo faz pensar se o que ele faz é mesmo assim tão diferente do que os bandidos fazem. Com a diferença, que Migi (o “nome” que o parasita do protagonista deu para si mesmo) explicou muito bem, que os parasitas estão apenas se alimentando, isso não deveria ser natural? Tanto que ele não matou os bandidos e não os mataria se eles não tivessem retornado e tentado “dar o troco”. No final, ele acaba matando os quatro, embora admita não ter estômago para comer todos e reconheça ter sido um erro se envolver com eles, portanto, mas ele não pode deixar que seres humanos saibam da existência e da identidade dos parasitas. Noutra ocasião, Shinichi encontra três moleques maltratando um gato. Eles o enterraram, deixando só com a cabeça para fora de um tanque de areia, e estão tentando acertá-lo à distância com pedras. Shinichi confronta os três, salva o gato, Migi o protege das pedradas com destreza inumana e Shinichi ameaça: “Vocês querem que eu os devore?”

Migi recusou

Migi recusou

Shinichi fez as pazes com Murano (a amiga de quem apalpou o seio no primeiro episódio) e Migi começa a se interessar pelo “acasalamento humano”. Tenho para mim que isso é mais do que curiosidade e a vontade natural de aprender dos parasitas. É um instinto de sobrevivência mesmo, é como se Migi tivesse ele próprio chegado à adolescência e estivesse começando a se interessar por sexo e tudo o que o tema envolve. No final do episódio vejo dois adultos nus, o homem claramente um parasita, a mulher não deu para ter certeza, e eles estavam se preparando para o coito. Não há romantismo nenhum na cena, se eles fizeram mesmo sexo após aquilo, foi um sexo automático, animal, instintivo, apenas para procriação. E pergunto: nascerão disso esporos como os que começaram a infectar pessoas em primeiro lugar? Um bebê humano normal, afinal eles só devoram o cérebro, não as gônadas dos hospedeiros? Ou um humano já infectado? Ao fim e ao cabo, os parasitas são apenas organismos buscando a sobrevivência, como qualquer outro. São mais inteligentes e mais poderosos que seres humanos, mas como não aparentam viver em sociedades não desenvolveram algo que nós desenvolvemos e que é inerente à vida social: moral. Por isso Migi, mesmo sendo muito mais inteligente que Shinichi, nunca entende a preocupação dele com outras pessoas. Talvez nunca vá entender. Ou talvez passe a entender, seria um desenvolvimento interessante de assistir.

Esse foi mais fácil que o cachorro

Esse foi mais fácil que o cachorro

Mas por enquanto, quem está se desenvolvendo é o Shinichi. Ele começa a pensar seriamente em usar Migi para combater outros parasitas para salvar pessoas, o que esse não entende e se recusa a fazer. Em um surto de altruísmo ele chega mesmo a pensar em se entregar para que o parasita seja conhecido pelo mundo e pesquisado, apesar do que possa vir a acontecer com ele, como Migi bem lembrou no primeiro episódio. Mas Migi não se intimida por um segundo sequer e simplesmente ameaça deixar Shinichi cego, surdo e mudo se precisar para garantir a própria sobrevivência. As determinações de ambos são postas à prova quando outro parasita os encontra e Shinichi ao invés de evitar o combate, procura o local ideal onde poderiam eliminar o monstro sem que ninguém veja. Migi fica insatisfeito, mas não há nada que possa fazer, ele precisa proteger seu hospedeiro. Precisa? O outro parasita oferece um lugar em seu próprio corpo, segundo ele Migi poderia se realocar para a mão do humano que ele infectou, e prossegue enumerando as vantagens que teriam dois parasitas em um só corpo. Shinichi começa a temer pela própria vida, mas enquanto o monstro dava abertura para convencer Migi ele o matou por não estar convencido de que o procedimento de realocação seria possível. Ou foi o que ele disse pelo menos. Shinichi prefere acreditar que Migi o escolheu no lugar do outro monstro, em um sinal de começo de desenvolvimento de empatia. E eu não possuo ainda informações suficientes para acreditar em um ou no outro.

Shinichi e Murano se divertem no encontro

Shinichi e Murano se divertem no encontro

No fim de semana Shinichi e Murano saem em um encontro, e a garota, que claramente gosta dele, não para de se sentir incomodada, de achar que tem algo errado com Shinichi. Mais de uma vez ela pergunta se ele é o Shinichi de verdade. Mas quem mais ele poderia ser? A menos que ela também saiba algo sobre os parasitas, acho que essa pergunta não faz sentido nenhum. Essa dúvida, bem como a cena onde ela solta a mão direita dele (Migi) para segurar a esquerda estão ali, até onde me diz respeito, apenas para enfatizar para o espectador quanto o Shinichi está mudando. Ele está estranho, parece outra pessoa. Ei, eu estou assistindo, eu sei que ele mudou, não precisa dizer isso para mim, ok? Apesar disso, esse episódio é muito bom.

Mais imagens:

Comentários