E esse episódio foi chato pra caramba. É mais um episódio de construção do enredo, coisa comum e básica em Durarara, mas o problema desse em particular é que focou demais em um personagem recém-chegado com quem eu simplesmente não me importo ainda. E se a personagem não é importante, ficar meio episódio assistindo o seu passado é entediante. Até é um passado interessante, mas para o padrão de Durarara é razoavelmente normal, principalmente considerando que ela é do núcleo russo de personagens. A sensação é que perdi uma boa dezena de minutos assistindo outra história. Com o mesmo espírito de Durarara, mas outra. E eu queria assistir Durarara. Isso é pedir demais? Esse episódio também foi o fundo do poço em termos de animação nessa temporada de Durarara até agora.

Para completar meu desgosto o acontecimento mais importante do resto do episódio foi uma conversa telefônica entre Mikado e Izaya. Falaram, como não poderia deixar de ser, sobre os Dollars. Sobre como o grupo não é diferente de uma gangue, mas diferente de qualquer gangue os Dollars não têm uma hierarquia e cada um é livre para fazer o que quiser. Isso refletiria o desejo de anarquia e emoção do próprio Mikado – e claro, reflete o desejo por confusão do Izaya. Por outro lado, isso gera problemas como o caso dos Lenços Amarelos e agora com a gangue de Saitama. No caso anterior o Mikado chegou até mesmo a debandar os Dollars, assumindo toda a responsabilidade para si, e o resultado não foi o melhor, e poderia ter sido ainda pior. Como o problema principal com os Lenços Amarelos foi a falta de confiança entre Mikado, Anri e Kida, o Izaya joga um papo de que o Mikado deveria confiar e depender mais de seus amigos do Dollars, incluindo, lógico, o próprio Izaya. O cheiro de manipulação pode ser sentido não apenas em toda Ikebukuro, mas em toda Megalópole do Cinturão do Pacífico, e mesmo assim o Mikado termina acreditando não só que Izaya diz a verdade e é confiável como que ele também é uma boa pessoa. Sério, Mikado? Você já deu demonstrações de inteligência tão grandes até agora que não me desce que você caia tão fácil no plano do Izaya. Ele sabe que o Kida teve exatamente o mesmo tipo de confiança no Izaya e isso acabou envolvendo ele em uma guerra de gangues onde a Saki ficou seriamente machucada. Ele viu em primeira mão o Izaya aprontando em outros casos (mesmo que não tenha compreendido o protagonismo do Izaya neles, deveria ter pelo menos percebido alguma participação dele ali). E agora depois de uma rápida sessão de auto-ajuda telefônica ele acha o Izaya uma pessoa boa e confiável? Mikado, não faça isso.

Mas o episódio mesmo foi da Varona. Você vê, ela é filha de um braço direito de uma gangue, máfia, sei lá, russa, que por acaso é a mesma ao qual as pessoas do Sushi Russo já pertenceram. O pai dela era ausente e toda a vizinhança sabia que ela era filha de encrenca, então ela viveu basicamente sozinha. Sua única companhia eram os vários livros que seu pai lhe dava e que ela devorava avidamente. Um dia, quando estava mais uma vez sozinha em casa, um ladrão invadiu e a perseguiu. De alguma forma, usando o conhecimento adquirido com tanta leitura, ela o matou eletrocutado na banheira. E gostou disso. E depois que aprendeu auto-defesa com membros da gangue (incluindo o Simon), ela se tornou uma exímia assassina. Depois de um evento que envolveu a Varona sozinha matar uma gangue rival, seu pai deu um tapa na sua cara (sei lá porque) e ela fugiu. Mas não fugiu sozinha: fugiu junto com o Sloan. E eles não fugiram de mãos vazias: levaram consigo um rifle de anti-matéria. Essa coisa não existe na vida real, mas isso é Durarara, então tudo bem. Como o nome sugere, é uma arma forte demais para existir. Por isso os russos enviaram o Egor (ou Igor, depende da fonte; mas assim como decidi chamar a Varona de Varona, embora em algumas fontes seja Vorona, chamarei o Egor de Egor, e não de Igor) atrás deles. O Egor é aquele que foi espancado pelo Shizuo enquanto lutava contra a Ruri e virou uma múmia, caso não se lembre. Legal, não é? Como já disse, até é interessante. Mas a Varona ainda não é suficientemente importante em Durarara para eu me divertir com um flashback dela. Seria muito mais interessante algo sobre as gêmeas Orihara ou sobre a Ruri. Nos dois casos houveram flashbacks bem mais curtos que esse da Varona, por sinal.

E como não poderia faltar, tivemos ação também. Varona fracassa em tentar capturar Anri, o que era previsível, e foge quando Celty aparece em sua perseguição. Percebendo o quanto Celty seria um problema grave (bom, a motoqueira que ela achava ter matado a estava perseguindo; sem cabeça), ela toma uma medida drástica e dispara o rifle de anti-matéria. Que não fere a Celty, não sei se apenas graças ao escudo de sombras que ela fez, mas foi forte o suficiente para a arremessar para longe. E ela diz que se tivesse atingido, pelo menos o cavalo-moto teria sido vaporizado. Anri a encontra e as duas amigas sobrenaturais discutem sobre como precisam se preparar juntas contra essa ameaça. Até aqui, eu diria que a importância desse conflito reside apenas no fato de que irá tirar de Mikado duas pessoas poderosas com quem ele normalmente pode contar: Celty e Anri. O conflito contra a gangue de Saitama será mais difícil de lidar sem elas, e Mikado ainda fica aberto à manipulação de Izaya, e suponho, Aoba. Ao primeiro ele já sucumbiu. O que Aoba pretende? Tenho certeza que vai trazer problemas pro Mikado mas ele vai cair em qualquer truque que possa ser.

Discussão