Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Vou deixar claro desde o começo: não gostei de nada desse episódio e gostei de pouca coisa nesse anime inteiro. Achei-o pouco mais (bem pouco) do que mediano. Mas ele é sério do começo até o fim, não sério como um anime que se leve a sério demais mas sem conteúdo para justificar, mas sério porque trata, de fato, de temas sérios. Por isso resolvi buscar outras opiniões (é para isso que peço que comentem aqui ou no Facebook) antes de escrever esse artigo sobre o último episódio, não para transmitir aqui uma opinião que não é a minha, mas para ter base para refletir sobre a minha própria opinião. Continuo sustentando que essa temporada foi apenas mediana e esse episódio final foi horrível, mas acho que adquiri um novo entendimento sobre a intenção de Tokyo Ghoul ?A, e é à luz dela que escrevo esse artigo.

Curta o anime21 no facebook:

Primeira coisa que compreendi melhor: esse não é um anime sobre humanos e ghouls que se alimentam deles vivendo ora em guerra ora tentando coexistir pacificamente, mas uma história de um jovem, Kaneki, em um mundo fundamentalmente injusto onde tudo parece simples mas as pessoas não conseguem se entender, se comunicar. E por isso achei essa temporada tão ruim, principalmente quando comparada à anterior: o protagonista quase não aparece. É a história do Kaneki, mas ao invés disso acompanhamos todos os demais personagens, novos personagens são apresentados, e eu não sei sequer o que se passa na cabeça do protagonista, se ele tem um plano ou qualquer pista nesse sentido. Metaforicamente é argumentável que isso é proposital para fazer o espectador se sentir como um personagem qualquer nesse mundo: querendo desesperadamente se conectar com o Kaneki mas nunca conseguindo. Não sei se é isso mesmo, se for parabéns, pois passaram muito bem essa sensação, mas de um jeito ou de outro isso é incômodo e atrapalha mais do que ajuda. Talvez funcionasse melhor em um filme, mas em uma série semanal, veja bem, quase sem exceções, as pessoas procuram diversão. E em Tokyo Ghoul ?A encontraram apenas angústia. Um episódio ou outro assim é aceitável, mas uma série inteira assim fica parecendo que o autor queria só fazer o espectador se sentir mal.

Aí entra uma comparação que vi fazerem de Tokyo Ghoul ?A: há quem diga que esse clima sem esperança, depressivo desse anime, que busca inclusive deixar o espectador se sentindo dessa forma, é encontrado também em Evangelion. Eu só assisti Evangelion muitos anos depois dele passar na TV, e assisti de uma vez só (como se fosse um filme…), então mesmo que eu naquela época fosse parecido com eu hoje, a experiência foi diferente. Mas pensando friamente em Evangelion, principalmente nos episódios após o desastre na ativação de certa unidade Eva nova, entendo que a comparação não é de todo descabida. Evangelion consegue ser mais irritante pois o protagonista está constantemente em tela e não faz nada. “Entra logo nesse robô, Shinji!” é o grito que une fãs e detratores da série original de Hideaki Anno. Em Tokyo Ghoul não acompanhamos Kaneki tão de perto então não há um momento específico que seja tão forte assim, mas no fundo não estávamos o tempo todo querendo apenas que ele tomasse um curso de ação melhor da mesma forma? Talvez seja tudo intencional mesmo. É a estética do desespero (acabei de tirar isso da minha cabeça, se o termo já existir me avise, por favor).

Especificamente sobre esse episódio, a batalha já acabou, a Aogiri partiu depois que Eto fugiu com a kagune entre as pernas e a CCG ainda está contabilizando os mortos e feridos (dezenas, talvez centenas). Akira está devastada com a morte de Amon e Juzo está devastado com o estado crítico de Shinohara. Os dois servem aqui apenas de metonímia à situação geral da CCG. Eles venceram sim, mas as perdas foram muito grandes. Enquanto isso um Nagachika mortalmente ferido serve café horrível para Kaneki. O protagonista não chegou a beber, mas essa cena guarda relação estreita com aquela noutro episódio onde o Yoshimura disse que mesmo um café bem preparado teria gosto ruim. Tenho certeza que Kaneki teria gostado do café servido pelo seu amigo, por horrível que estivesse. Mas ele não teve esse luxo. Ninguém ali nunca tem luxo de nada. Nagachika estava ferido e sangrando, colapsou e desmaiou. Kaneki o tomou em seus braços e foi com ele em uma longa, depressiva e dolorosa cena até o núcleo da base inimiga. Presumivelmente Nagachika já estava morto àquela altura, e a última coisa que Kaneki fez foi sorrir antes do fim da cena e de um destino desconhecido.

Pode parecer haver ainda um raio de esperança, já que a Touka, impedida por Yomo de ir em direção à morte certa correndo atrás do Kaneki, aparece em uma cena relativamente alegre no final do episódio. Alguns anos mais velha, abrindo um café (suponho que a essa altura seja o seu próprio café). Mas a mesma brisa e a mesma solidão da rua vazia que a acompanham em frente ao seu café estão presentes também na deprimente última cena antes do encerramento, com o Arima (o mais poderoso inspetor da CCG, aparentemente), após a grande batalha do Anteiku. O mundo em Tokyo Ghoul é cruel, é devorar ou ser devorado, e ambas opções são ruins. Yoshimura já havia dito que para viver é preciso estar constantemente tirando algo de outras pessoas, e que a vida em si é maldade. Eu não concordo com isso e não gostei da execução (a animação foi particularmente ruim em alguns episódios), por isso não tem como eu gostar do anime. Mas reconheço, enfim, que ele possui coerência, uma mensagem forte, e tentou se esforçar para transmití-la.

  1. Na boa, comentei no epi 11. Me arrependi do que disse 30 minutos depois. O anime terminou como um lixo. Não tenho nem animo pra ler o mangá, credo. E pior que tem acontecido isso ultimamente. Assisti Shigatsu Kimi ga no Uso, Akame ga Kill e Tokyo Ghoul seguidos cara… 3 animes com episódios e final DOLORIDOS, pra encurtar a história. Apesar das diferenças, esse ultimo foi o que me deixou mais sem reação. “Finalzim” podre, mesmo que tenha outra temporada… credo, que coisa ridícula eles fizeram enrolando eternamente nesse episodio final, seria melhor ter parado no 11! Já era, cansei. Desisto de Tokyo Ghoul.

    • Fábio Mexicano Godoy

      HAHAHAHAHAHA sim, sim, a execução desse episódio foi muito ruim! Mas a execução de muita coisa foi muito ruim nessa temporada. Vale lembrar que ela é diferente do mangá (não sei quão diferente pois não o li) mas escrita pelo mesmo autor. É uma realidade alternativa. Foi duro assistir esse episódio, e por tudo o que (não) aconteceu nele, você deve imaginar como eu não tinha nada para escrever sobre ele que não fosse para reclamar, xingar e o diabo. Mas achei que isso seria injusto, ele teve seus bons momentos, tem seus fãs, eu que deveria estar perdendo alguma coisa. Fui buscar outras opiniões noutros blogs e me saí com esse artigo. Continuo não gostando de Tokyo Ghoul, continuo detestando esse final, mas admito que ele é honesto, a proposta dele era exatamente essa, enfim.

      Sobre uma terceira temporada, eu não sei ainda. Apesar da dica no final, o mangá Tokyo Ghoul:re tem poucos volumes e pouca história até agora. Devem esperar no mínimo mais um ou dois anos, mas acredito que fez sucesso suficiente para justificar sim uma continuação.

  2. Olha… eu creio que para quem só teve acesso ao “universo” (se é que da pra chamar assim) de Tokyo Ghoul via anime essa temporada deve ter sido sofrida.
    Esta que é basicamente um amontoado de pontos chaves do mangá(com mudanças) embaralhados e mal ligados entre sí. No entanto para mim que vim assistir a série somente com o propósito de ver o “universo alternativo” da história foi legal. Quando digo legal não me refiro a temporada inteira pois como você achei ela decepcionante, mal dirigida, anticlimática e animada de maneira porca.
    Mas vendo esse episódio isoladamente tive uma ótima experiência. E diferente do que foi pra você eu achei a atmosfera melancólica do episódio sensacional, Visto que o mangá inteiro trata de situações mais densas e tal se tornando sério… Não se levando a sério hahaha.
    O momento em que comecei a achar chato foi quando a cena em que Kaneki carrega Hide para os soldados do CCG se estende desnecessariamente, Mas de resto a sequência apresentada é tudo o que os outros episódios não foram. A animação é legalzinha, a trilha sonora é até que bem aplicada… Até a direção e os cortes melhoraram um pouco.
    Eu sei, Devo ter essa opinião por que diferente do público que acompanhou o anime eu acompanhei calma e detalhadamente o mangá em todos os seus cento e oitenta e poucos capítulos mas achei que deveria me expressar mesmo assim.
    Obrigado por aguentar essa jornada até o fim… See ya!

    • Fábio Mexicano Godoy

      Eu também achei que, em termos de animação e roteiro, esse episódio foi melhor. Mas foi um final muito anticlimático, para usar um termo que você mesmo usou. Eu entendi a intenção melancólica de Tokyo Ghoul. Espero ter expressado bem isso nesse artigo, aliás. Mas há melancolias e melancolias. Tokyo Ghoul está mais para um caso de desespero, pois não há alternativa – falando do ponto de vista de alguém que viu o anime, claro. A Touka sobreviveu, cresceu, abriu um café? E daí? Minha experiência com Tokyo Ghoul me diz que é apenas questão de tempo até a hora dela chegar também. Entende? Eu acho que isso foi muito bem expresso nesse episódio, mais do que na temporada inteira. Inclusive a longa cena do Kaneki carregando o Nagachika é isso. E é por isso que ela precisa ser longa como foi. Mas de novo, eu não gosto disso. Talvez no mangá seja um tanto melhor, quem sabe. Não tenho vontade de procurar para ler online, mas se lançarem por aqui provavelmente eu compraria.

      • Eu devo ser uma pessoa realmente depressiva então askoaksako Ou melhor… acho que fico mais interessado quando o que os criadores querem passar chega até mim e foi o que aconteceu comigo nesse caso.
        Aliás fiquei bem interessado na tua opinião agora, eu achei o final digno, e da maneira como as coisas foram conduzidas não pensaria em outro final digno então… o que tu mudaria para que o final deixasse de ser anticlimático?
        Quanto a cena do Nagachika eu não havia pensado por esse lado… Um fim inevitável.

      • Fábio Mexicano Godoy

        A forma como foi transmitido o desespero nesse episódio. Agora, eu não sei se seria possível mudar isso, mas como você (que gosta de Tokyo Ghoul!), muita gente se incomodou com a longa cena do Kaneki carregando o Nagachika. A participação da Touka no episódio é decepcionante também. Mesmo para o pior, já que é o que o anime quer transmitir, eu ficava o tempo todo esperando que ela fizesse alguma coisa … qualquer coisa. Aí apareceu o Yomo ex machina lá e a impediu. Talvez isso potencialize o que o anime pretende passar? Não conheço nada, não sou capacitado para falar sobre isso. Mas foi a minha impressão o episódio inteiro. Estava bem animado, dirigido de uma forma interessante, mas tudo não acontecia. O mundo estava literalmente caindo ao redor deles e … não havia reação. Não sei como melhorar, temo, mas sei que não gostei.

  3. Destaque para o a cena que criaram para o caminho traçado pelo anime… Que aliás as pessoas que vi comentado parecem não ter entendido. Me refiro a cena em que o Kaneki se aceita depois da morte do Hide, ele continua sendo um Ghoul fisicamente falando mas ele se aceita e se reconhece como ele mesmo, apenas um humano que quer ter aqueles com quem se importa por perto. Por isso espero que não tenha pensado que o cabelo tava mudando de cor freneticamente heim aoksoaksokkaoks
    Por fim repito meu pedido, separe um pouco desse seu tempo e vá ler o mangá, ele é sensacional, O desfecho dos personagens é muito mais interessante… Tem mortes (algo que vi que tu criticou) e talz. Julgar Tokyo Ghoul sem ver o material de origem é o mesmo que estar julgando uma nova obra. Assim como o primeiro anime de Fullmetal Alchemist que conta uma história piradíssima ou mesmo um filme do Batman onde em nenhum dos filmes da trilogia Nolan é abordado que Bruce Wayne é o melhor detetive do mundo.

    Ps: No mangá os atos de Kaneki são mostrados e compreensíveis além de ele não ter se quer entrado na Aogiri. As subtramas também se encerram… como é o caso do lance dos meio ghoul sendo criados e tudo mais, Namoral vai ler!!! @[email protected]

    • Fábio Mexicano Godoy

      Eu estou julgando apenas o anime, tenho consciência disso e nunca tive intenção diferente dessa, fique tranquilo quando a isso =)

      O mangá pode ser ótimo, não sei, vi críticas a ele por aqui e por ali também, e como pode imaginar o anime não me deixou com uma boa impressão. Se um dia for lançado aqui, colecionador compulsivo que sou, certamente comprarei. No momento não tenho vontade de ler online, mas obrigado pela participação, opinião e sugestão!

      Apareça aqui na temporada que vem, ainda não decidi quais animes acompanharei, mas quem sabe não escrevo sobre algum que você goste também, né? Até o/

      • Minha nossa, agora que parei pra perceber eu devo estar parecendo um fã fervoroso protegendo seu querido mangá com unhas e dentes… logo eu que odeio esse tipo de gente, aparentando ser assim para os outros.

        Eu tentarei continuar acompanhando o site, mas tem ficado cada vez mais difícil acompanhar animes. Fora que eu não sou muito de arriscar, muitas vezes só vou ver algo que eu já acompanho o mangá ou o autor. Mas se tiver coisa boa (Algo do gênero psicológico ou não) me indique aê!

Comentários