Olá pessoal! Aqui estou eu a escrever mais um artigo a respeito da saga do ex-gordinho em busca de vingança. Por favor me desculpem caso o trocadilho do título não tenha ficado bom, enfim, nesse episódio as coisas voltaram ao “normal”, significando que o anime voltou a leveza de sempre.

Masamune dando aquela encostada na parede típica de mangá/anime shoujo

Embora o episódio tenha voltado com o seu humor característico, eu refleti sobre algumas coisas que aconteceram, e uma delas é que esse rival do Masamune lida muito bem com o seu peso, não sei se ele sofre ou já sofreu bullying. Em contrapartida temos o Makabe, que fez toda uma transformação física, não para ele próprio, mas pelo seu objetivo e para os outros, pois de acordo com ele, as outras pessoas só iriam admirá-lo e respeitá-lo se ele alcançasse um padrão de beleza considerado aceitável.

Basta ele se olhar no espelho para encontrar a resposta

Por mais que falem que a diversidade tem que ser valorizada, existem certos padrões e tendências que são difundidos, principalmente pela mídia, e que nós temos que seguir para podermos ser aceitos por determinados grupos ou até mesmo pela sociedade, e caso não seguimos tais tendências ou padrões, nós ficamos à margem, ou seja, não somos julgados pelo que somos, e sim pelo o que nós aparentamos ser.

Harém yuri da Aki

Eu não diria que o Masamune seja uma vítima de uma “ditadura estética” feita pelo “mundo da moda” e pela mídia, pois ele não quis apenas mudar a aparência, ele quis fazer uma mudança completa, incluindo a personalidade que ele tinha quando era gordinho. Ironicamente, surge um rival que tem uns “quilinhos a mais” e que é considerado fora dos padrões de beleza atuais, mas para Aki isso não importa. Makabe pensou de forma equivocada que ficar magro e atlético seria o bastante para conquistá-la.

Ela não rejeita os garotos de forma humilhante por sadismo ou por aversão a homens (androfobia) mas por acontecimento traumático no passado que foi o garoto gordinho que ela gostava ter supostamente a abandonado, e ao que parece a empregada dela (Yoshino) também estava envolvida, porque aquele pedido de desculpas que ela deu não parece que foi apenas por ela não ter conseguido avisar sobre o Kanetsugu. Fiquei com a impressão de que o motivo da desculpa foi por algo mais sério e mais antigo.

Aki: A deusa do Yuri

Ao citar a palavra “androfobia” eu acabei de lembrar daquele “fã clube yuri” da Aki, que tem um sentimento tão grande de admiração que chega a endeusá-la pela sua postura frente aos garotos, e sabendo disso, o Kanetsugu já tratou de jogá-las contra o Masamune, que aliás foi uma bela jogada estratégica.

Eu tinha dito no artigo passado que achava que a Neko não voltaria, mas eu estava completamente enganado, entretanto, acho que ela não irá ter o mesmo destaque de antes, visto que ela apareceu nesse episódio só para dizer que estava de volta e estava bem de saúde, mas mesmo assim fico curioso para saber se ela desistiu ou não dele.

Neko está de volta!

Não dá para saber ainda quais são as reais intenções desse rival inesperado, mas tenho certeza de que as intenções dele não são boas e que vai dar muito trabalho para o protagonista. Outra coisa que eu quero destacar é a passividade da Aki durante o episódio, ela agiu de forma discreta, mostrando até uma fofura que não é habitual da personagem.

Agradeço a todos que leram este singelo artigo. Até a próxima!

 

  1. Não muito a dizer a resenha cobriu todas as bases…Foi gostoso de ver as reações exageradas do Masamune e as cenas do clube “anti-homem”. Foi leve, divertido bem agradavel que até vc pensa que é um bom “time waster”.

  2. Este episódio como um todo, foi execrável, uma autêntica perda de tempo. Este episódio, se comparado aos dois episódios anteriores, que foram épicos em tudo, nem merecia nota positiva. Este episódio foi o cumulo do cliché, e do mau aproveitamento da história. As únicas coisas, que se aproveitaram, a meu ver, neste episódio, foi ver a Neko bem de saúde e falar de forma descontraída, de como tinha sido a sua cirurgia. E a outra coisa boa, foi ver o Masamune com o seu jeito típico, de doido por perder peso e as suas reacções bem engraçadas (então aquela cara que ele fez, quando soube que o Masamune, versão gorda, era noivo da Akki, foi uma excelente referência à pintura do Van Gogh “O Grito”).
    O que não gostei neste episódio, foi a introdução porca, de um rival para o Masamune. Tal personagem provoca a ira dentro de mim, não o suporto, nem por nada deste mundo. A forma de agir e falar do Masamune gordo, é cínica, mesquinha, corriqueira, ele é uma praga, que vai dar muitas dores de cabeça ao Masamune real. E aquele grupo de garotas, que são obcecadas pela Akki, elas veneram a Akki como se ela fosse uma deusa, ainda por cima uma deusa do Yuri, eu nesta parte, já perdi as minhas esperanças neste anime. E então quando o Masamune gordo, se propôs a ajudar aquele grupo de garotas que veneram a Akki, para que esta não se relacione com nenhum homem, deixou furioso, à limites no uso de clichés previsíveis, eu sei que o anime de Masamune é o príncipe dos clichés, mas não tem que se gabar deste titulo a toda a hora. A Akkin neste episódio, parecia uma alienada da vida, que mudança brusca de comportamento foi aquele, foi preciso aparecer um Masamune gordo, para ela ficar uma garota, doce e simpática. Eu já desconfiava que a Akki, não era muito normal, mas agora tenho a certeza, ela tem fetiche por garotos acima do peso, ela acha-os fofos, como ursos de pelúcia se tratassem. E aquela porcaria de planeamento de festival cultural, odiei o facto do Conselho Estudantil estar comprado, porque a presidente já tinha as suas preferências. Alem uma atitude suja por parte dessa presidente, ainda me fez ganhar mais raiva do Masamune gordo e as garotas pertencentes ao culto da Deusa do Yuri Akki. A sorte é que na classe do verdadeiro Masamune, eles são determinados, gostei bastante da atitude da representante de classe, ao sugerir o clássico cliché, de uma disputa teatral entre as duas classes. De certeza absoluta que não vai sair nada, de jeito nesta disputa, mas vamos ver como acaba.
    Como sempre mais um excelente artigo, de Masamune Flávio.

    • Flávio

      Masamune-kun no Revenge abusa dos clichês e vai ser assim até o final, peço-lhe que tenha um pouco mais de paciência para aguentar até o final.
      O fã clube yuri da Aki até que é engraçado e o rival do Masamune está fazendo o papel dele como rival embora ele não seja um adversário leal.
      A Aki estava muito estranha mesmo, eu a enxergo como vítima pois ela gostava mesmo daquele gordinho que convivia com ela na infância e agora está sendo enganada pensando que a versão gorda do Masamune é o gordinho que ela conhecia. Eu acredito fortemente que o Masamune e a Aki foram vítimas de um grande mal entendido.
      Obrigado pela Participação!

      • Eu mesmo estando irritado com o anime, vou vê-lo até ao fim. Não costumo largar animes, em que já vi mais de 90% deles. Mas Masamune abusa muito nos clichés e a história está a ficar execrável.
        Mas ainda verás os meus comentários nos dois artigos de Masamune que faltam. Eu posso não estar a gostar do rumo do anime, mas gosto bastante de ler os teus artigos sobre Masamune.

Discussão