Dividido em duas partes distintas: a batalha e o armistício (ou como a Tanya reagiu a ele). A animação não falhou em nenhum momento durante o episódio, mas foi na batalha que ela foi espetacular. A batalha também foi bastante interessante do ponto de vista tático, eu que não entendo nada já vi ali uma coisa ou outra interessante, imagino o quanto um entendido possa aproveitar o espetáculo (ou remoer-se de desgosto, vai que apenas aparentemente as táticas de batalha são realistas, hehe).

Mas para mim a carne suculenta, o filé mesmo desse décimo primeiro episódio de Youjo Senki, foi o desespero da Tanya para tentar reverter o que ela tinha certeza que seria o efeito negativo do armistício sendo costurado: aquele não seria o fim da guerra, mas apenas uma pausa.

Eu em minha confortável posição de expectador vi as forças republicanas se retirando, certamente derrotadas mas ainda bastante numerosas, então dou razão à Tanya, mas como ela poderia em primeiro lugar ter tanta certeza do que estava acontecendo e do que virá a acontecer em seguida? A guerra em Youjo Senki já desviou-se bastante do que foi a verdadeira Primeira Guerra Mundial, misturando-a sem cerimônia com a Segunda, então não me parecia possível que ela estivesse apenas identificando um momento histórico do seu (supostamente igual ao meu) mundo. Eu precisei fazer uma pesquisa e, segundo pessoas mais inteligentes do que eu nesses assuntos, Tanya está sim se baseando em fatos reais. Em dois, para ser mais preciso: o Tratado de Versalhes (Primeira Guerra) e a Evacuação de Dunquerque (Segunda Guerra). Mas vou começar comentando da batalha, porque ela também merece um pouco de amor. Vai ser rápido.

Essa cena ficou completamente solta no episódio, quis colocar essa imagem aqui para não nos esquecermos dela; pode vir a ser importante

O ponto negativo foi não ser nada crível que ninguém da unidade da Tanya tenha morrido ou sofrido ferimentos mais graves. Apenas três caíram ao mar e após resgatados estavam basicamente inteiros ainda, a própria Tanya levou um tiro no braço sem maiores consequências, e o único que provavelmente teria morrido pela carga concentrada de fogo mágico foi salvo pela Tanya, que usou o máximo de seu poder para conseguir isso. Dito isso, a batalha em si foi incrível, como já falei, no aspecto tático inclusive e não apenas visualmente, tanto na movimentação e nos planos gerais, quanto nas expressões dos personagens – aqui o destaque é não apenas para a Tanya, sempre muito expressiva e belamente animada, mas o Sioux também.

O combate entre os dois e as expressões de loucura do inimigo que finalmente morreu de verdade foram sensacionais. Em termos táticos, merecem ser mencionados o uso de nuvens e do sol como elemento estratégico nesse campo de batalha especial que é o céu (e ainda mais especial em Youjo Senki, no qual pela natureza do voo mágico acumula características de um dogfight real e de um campo de batalha terrestre com um eixo de movimentação extra). A emboscada na qual o segundo em comando da Tanya teria sucumbido não fosse a intervenção da própria foi bem pensada e bastante verossímil também, bem como a própria ter previsto que ele cairia em uma armadilha daquelas se continuasse perseguindo Sioux.

“Isso não é (um tratado de) paz. É um armistício que vai durar vinte anos.”

O general francês Ferdinand Foch disse essas palavras a respeito do Tratado de Paz de Versalhes, assinado em 28 de junho de 1919, ao final da Primeira Guerra Mundial. Com efeito, vinte anos e dois meses depois dessa data, a primeiro de setembro de 1939, a Alemanha nazista invadia a Polônia, dando início à Segunda Guerra Mundial. Previsão certeira de Foch? Há várias interpretações possíveis. O fato é que o tratado foi muito duro com a Alemanha, humilhante mesmo, sem no entanto destruir a capacidade industrial-militar do país – ou a sua unidade política. As sanções que Foch queria agiriam nesse sentido, com toda a Renânia cedida à França, por exemplo. Coisa do tipo viu-se ao final da Segunda Guerra, quando a Alemanha foi dividida e ocupada por EUA, Reino Unido, França e URSS, e o Japão foi ocupado pelos EUA. A polêmica é que há quem afirme que o erro de Versalhes não foi ter sido insuficientemente duro, conforme era o interesse francês, mas duro demais. Qualquer que seja o caso em nosso mundo, Tanya e Youjo Senki concordam com Foch.

Apenas tomar algumas colônias ultramarinas sem eliminar a capacidade militar da República ou ocupar o país por tempo prolongado não irá garantir uma paz duradoura. Tanya sabe disso pois estudou isso nos livros de história. Os comandantes militares e civis imperiais, contudo, ainda estão acostumados com a velha maneira de fazer guerra apesar de tudo e acreditam que um pedaço de papel irá trazer-lhes paz verdadeira. O conceito de guerra total ainda não está suficientemente enraizado na cabeça desses velhos líderes. Já a batida em retirada em si das forças republicanas remete à Retirada ou Evacuação de Dunquerque, durante a Segunda Guerra Mundial.

A calma retirada das forças republicanas, com todos suprimentos que podem carregar

Os alemães haviam derrotado a França e forçado-a a assinar a rendição ao mesmo tempo em que perseguiam tropas britânicas, belgas e algumas francesas que insistiam em resistir. Acredita-se que se os nazistas tivessem sido mais duros e impedido a fuga por Dunquerque, o Reino Unido quedaria enfraquecido demais e seria forçado a assinar a paz com a Alemanha. Ao invés, os nazistas provocaram sim altas baixas, mas tudo considerado, ter conseguido salvar quase 340 mil combatentes pode ter sido apenas uma derrota momentânea que levaria e levou à grande vitória no final. Isso também é polêmico, pois embora em terra os alemães dominassem, a Marinha Real Britânica continuava poderosa como sempre e poderia ter infligido pesadas perdas aos nazistas caso tivessem insistido, ao mesmo tempo em que eles já estavam com suas linhas de suprimentos esticadas ao máximo e com o combustível para seus veículos acabando. Especular sobre o que a história poderia ter sido é sempre difícil assim.

Mas mais uma vez, Tanya conhece a história real e estava adamante em “corrigir o erro”, fazendo diferente e impedindo a retirada das tropas republicanas. Fun fact: os soldados ingleses deixaram praticamente todo o seu equipamento para trás em Dunquerque, foi uma batalha dramática, bem diferente da preparação pacífica que a República está tendo para remover seus homens para uma de suas colônias ultramarinas – e cheios de equipamentos e provisões. Depois de uma guerra longa e exaustiva, contudo, o alto comando imperial não quer saber de disparar mais nem uma bala sequer, e o até então inimigo obteve permissão para partir. Que a paz é ilusória e não será definitiva sabe-se muito bem, mas será que durará tanto quanto os vinte anos que Foch profetizou?

Pelo menos Tanya não será mais criança

  1. Este episódio de Youjo teve uma animação, que me surpreendeu, principalmente na parte da luta entre o Syoux e a Tanya. Durante a luta, por momentos reconheci a arte utilizada, que já tinha visto em outro anime. Quando os créditos começaram a passar, é que notei que o director de Mob Psycho tinha sido responsável por este episódio, só pela qualidade da animação da luta, este director já provou o seu valor uma segunda vez. Quanto à parte da tua explicação histórica, eu nem me atrevo a acrescentar mais nada, ela está perfeita. Como os meus olhos brilharam ao ver a tua explicação histórica. A tua referência ao general francês Ferdinand Foch, foi um toque de mestre para o artigo. Eu só acho, que o Foch, previu com uma exactidão, assustadora as consequências de um tratado, que além de humilhante, era indigno e injusto para um povo que também estava desgastado pela guerra. A Alemanha além de perder o direito a ter um exército, ela teve que pagar indemnizações de guerra, que a meu ver, foram exageradas e com requintes de vingança. Passados alguns meses da assinatura do Tratado de Versalhes, o marco alemão não valia nada. Eram precisos centenas de marcos, para comprar uma libra Esterlina, tal situação levou a que o povo alemão sofresse e muito durante 20 anos (e dai nasceram as ideologias nazistas e nacionalistas). Para mim, a perda de territórios ultramarinos, seria o menos para a Alemanha, de qualquer forma, esses mesmos territórios nunca tinham sido deles. Os Nazis fizeram a mesma coisa, que os franceses fizeram a eles, na Primeira Guerra Mundial e de forma ainda mais humilhante. A primeira coisa que Hitler fez, após a rendição e ocupação da França, foi fazer com que o General Petain assinasse o Tratado de rendição, onde estava extremamente explicito, de quem tinha atacado primeiro, fora a França, coisa que tinha sido mentira. E onde Hitler fez questão de assinar este tratado, na mesma carruagem, onde 20 anos antes, a Alemanha tinha assinado o Tratado de Versalhes, nesta altura os franceses tinham sido completamente humilhados. Os Nazis após a rendição da França, extorquíram o máximo do máximo dos franceses, com a desculpa que era tudo indemnizações de guerra que a França tinha que pagar, já que tinha sido ela a atacar em primeiro lugar. A parte da Evacuação de Dunquerque estou completamente de acordo com aquilo que escreveste.
    Agora a Tanya além de furiosa, com a incompetência e burrice dos seus superiores, já sabe que aquele Armistício é apenas uma pausa da guerra, como se fosse a calma antes da tempestade. Eu ainda gostava de ver no anime, uma versão do Hitler, além da aparição do Imperador alemão, se no anime a Alemanha é um Império, onde está o Imperador.
    Como sempre, mais um excelente artigo de Youjo Senki Fábio.

    • Fábio "Mexicano" Godoy

      Essa não é minha resposta a seu comentário ainda, só uma breve curiosidade (e eu te devo tantas respostas ainda!).

      A França DE FATO agrediu a Alemanha primeiro durante a Segunda Guerra Mundial! Quando a Alemanha invadiu a Polônia, a França invadiu o Sarre para ajudar os poloneses. Não chegaram a haver combates (se houvessem, os franceses teriam vencido porque as forças alemãs na região eram pequenas na época, concentradas que estavam no leste), pois os franceses bateram em retirada após a rápida vitória nazista na Polônia. Veja: https://en.wikipedia.org/wiki/Saar_Offensive

      • Eu já nem me lembrava da invasão do Sarre, nem do auxilio da França à Polónia, eu estou a ficar mesmo enferrujado. Obrigado pelo link, a cada artigo de Youjo estou cada vez mais fã do Anime21. Mas ainda assim, mais cedo ou mais tarde, Hitler ia virar-se para a França. O ódio que ele guardava no seu peito, em relação aos franceses, só crescia a cada ano que passava. Só Deus sabe, o que os franceses lhe fizeram quando Hitler esteve prisioneiro (as más línguas, dizem que os guardas franceses, fizeram pouco do Hitler, dai aquele jeito meio afectado dele, depois do fim da Guerra).

    • Fábio "Mexicano" Godoy

      Como eu disse no artigo, há as duas correntes de interpretação sobre o Tratado de Versalhes: a majoritária diz que ele foi duro demais com os alemães, e a minoritária (sustentada principalmente por franceses, e foi o que Foch quis dizer com sua frase premonitória) que diz que ele não foi duro o suficiente. Pensando friamente, tendo a acreditar que ambos estão certos, não é? Um tratado mais digno não teria destruído a Alemanha, mas um mais duro, por desumano que fosse, a deixaria incapaz de guerrear, simplesmente. Lembrando-se que o Tratado não impôs à Alemanha que se desfizesse de todas as suas tropas, apenas de metade delas, e o país foi proibido de ocupar militarmente a Renânia. Ao final da Primeira Guerra a Alemanha já não tinha nenhuma esperança de vencer, mas ainda tinha recursos para, se quisesse, esticar a guerra por mais ou menos uns dois anos ainda. A Alemanha não estava arrasada, não estava morta, a preocupação dos franceses era legítima. E sua fúria também: estiveram entre os que mais perderam homens na guerra, entre os que mais participaram do maior número de batalhas sangrentas. Havia muito ressentimento também. Enfim, foi um período complicado da história, né? Hehe.

      Enfim, e não é que a Tanya estava certa mais uma vez e o Império cometeu mesmo uma terrível burrada? HAHAHA!!

      • Não foi o Império que cometeu a burrada, foi os seus líderes militares desleixados. Enfim, agora o Império está em maus lençóis, a Tanya está a voltar ao seu estado de loucura. Eu queria ver o Império a ser invadido por forças estrangeiras, mas isso não vai acontecer. Ver se ganho vergonha e ir comentar o teu artigo do último episódio de Youjo.

      • Fábio "Mexicano" Godoy

        Ah sim, tem razão, né? Mas foi o que eu quis dizer, hehe. Eles não se tornaram líderes militares apenas por vontade própria também, de todo modo, alguém os alçou a tal posição. Infelizmente Estados e povos sofrem por causa das decisões de seus dirigentes.

Discussão