Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Caros leitores, vocês já devem ter escutado a seguinte frase: “Enquanto existir esperança (ou fé) nada está perdido”. Tal frase pode servir às idols “heroínas” da política local, pois mesmo com a derrota no plebiscito que baniu as idols congressistas, as protagonistas (Natsuki e Shizuka) não se rederam a essa situação completamente desfavorável.

As idols atraíram uma multidão

A vitória dos opositores das idols congressistas é um triunfo daqueles cujos os interesses eleitoreiros e pessoais são mais importantes que o bem estar da população, pois as idols simbolizavam um novo jeito de fazer política que dava atenção para a população.

Nesse momento turbulento para as idols congressistas, Natsuki percebeu, ao entrar em contato com antigos “vilões”, que ela fez algo mais importante que levar sorrisos, que foi transformar vidas. Políticos que tinham condutas duvidosas passaram a proceder de forma decente e honesta. As consequências negativas das ações das idols que foram apontadas pelos seus opositores foram solucionadas e o seus antigos adversários passaram a ser aliados graças a dedicação e o esforço das idols congressistas.

As idols venceram a batalha contra seus adversários através do famoso poder da música e não através da política. Elas foram proibidas de se apresentarem enquanto fossem deputadas, mas graças ao carisma e popularidade que só uma idol tem elas viraram o jogo, ou seja, nos últimos episódios o anime mostrou mais seu lado idol do que político. Era esperado que as nossas heroínas fossem vencer e a forma como aconteceu não foi nenhuma surpresa, e apesar de todo o tipo de sabotagem que foi aplicada, nada deteve as idols. Como disse acima, elas triunfaram simplesmente por serem carismáticas e populares e não por motivos políticos, o que olhando de forma crítica não parece algo bom, embora esse anime não deva ser levado muito a sério apesar de tratar de um tema sério como a política.

Galeria “Chefão do Mal”

Como último recurso, o Primeiro Ministro resolve convocar eleições gerais para tentar derrotar de vez as deputadas idols mas todas as idols congressistas venceram as eleições, e até houve um pouquinho de suspense para revelar que a Natsuki tinha sido reeleita. Elas venceram a batalha, mas a guerra continua, pois o Primeiro Ministro, que é o chefe do poderoso partido Rougai, também venceu e vai continuar lutando contra elas.

Para ser sincero eu me sinto desmotivado a escrever sobre esse anime, mas ainda bem que esse é o último artigo que faço sobre Idol Jihen. Peço desculpas caso o artigo tenha deixado a desejar. A proposta desse anime me atraiu por ser diferente dos demais animes de idols, além de não seguir os mesmos modelos de franquias de animes de idols poderosas como Love Live e The Idolmaster. Combinar política e idol me pareceu uma ideia genial que poderia surpreender bastante ou ser um completo fracasso, no fim esse anime ficou mais perto da segunda opção, pois a proposta foi mal executada com a exceção de raros episódios.

Bela ilustração mostrada no final do último episódio

Os personagens principais até que eram simpáticos e foram sendo desenvolvidos, os personagens secundários fizeram bem o papel de suporte apesar de alguns deles serem bem clichês e estereotipados. Os vilões em sua maioria eram caricatos e tentaram atrapalhar nossas heroínas, especialmente o “chefão principal”, que apesar de ficar metade do anime apenas observando a situação deu trabalho quando resolveu agir.

Obrigado a todos que leram este artigo e agradeço também quem acompanhou os meus artigos sobre esse anime do começo ao fim.

Comentários