Após um episódio quase que completamente eletrizante, apenas uma coisa fica completamente clara: Golden Kamuy é um anime de “monstros”.

Muita gente habilidosa tem dado as caras aqui, alguns deles são até conhecidos antigos para a maioria de nós que gostamos de anime e mangá, convenhamos, algumas das figuras históricas usadas aqui também são usadas em outros animes de época.

Foi uma ótima ideia colocar o Shiraishi para ajudar o Sugimoto, aliás, não existe uma mão melhor do que a do mestre das fugas. Além de ser muito útil na jornada, ele também é bem carismático, de fato é um personagem que eu devo gostar de ver em cena.

Isso foi muito “wooooooow”

Asirpa dando “lição” de moral no Sugimoto, quem diria. Bom, a decisão dele foi a mais sensata possível, faz total sentido, mas não é como se ela estivesse lá por inocência, então, se está realmente convicta do que quer e tem total noção do que pode vir a acontecer, não é nenhum problema ter ela ao lado, muito pelo contrário, ela é provavelmente uma das personagens mais interessantes do anime, justamente pela cultura diferente que ela fraciona em alguns minutos dos episódios.

Não consigo entender o Tsurumi! Ele captura o Sugimoto, quer fazer do dele parte do seu grupo de “caça”, quer as tatuagens para ir atrás do ouro, fica fazendo analogias com a vida… E no fim, quando realmente tem a chance de acabar com o Sugimoto, ele simplesmente “cansa” e deixa-o ir embora. A menos que ela tenha complexo de Hisoka, isso não faz sentido algum.

Enquanto o grupo do Sugimoto se preocupa em caçar os tatuados e sobreviver às adversidades, e o grupo do Tsurumi caça, o Hijikata está atrás de criar um novo Shinsengumi. E devo dizer que não tenho nada contra o grupo do Sugimoto nem do Tsurumi – apesar de achar a 7ª divisão no mínimo odiosa por assim dizer –, mas eu estou muito mais interessado em ver a parte do Hijikata, que se mostrou muito empolgante com seus recrutamentos, e claro, seu objetivo enrustido.

O modo de pensar que o Nihei apresentou é bastante prático, eu diria. É lógico que quanto menos chance você tem, menos “tentativa e erro” existem, então, se vê obrigado a cumprir o seu propósito com a chance que lhe é dada. E não é da boca para fora, ele realmente é o que aparenta ser! Um exímio caçador.

Seja dinheiro, vingança, honra ou maldade, todos tem um objetivo. Eu gosto quando os personagens apresentam isso com clareza.

Se todo episódio eles matarem um urso, vai chegar em um ponto que não haja mais ursos, logo, o CG horrível irá desaparecer. Então, lanço aqui uma campanha: Vamos todos matar um urso CG para erradicar a espécie. Digo, só no anime, ok? Preservem a natureza e não sejam mortos por ursos de verdade. Até a próxima!

  1. Este episódio 5 de Golden Kamuy foi muito bom. E o título dado ao artigo, não poderia ser melhor, ele encaixou na perfeição, com certos acontecimentos deste episódio.
    Começando pela primeira parte do episódio, o Sugimoto passou um mal bocado, nas mãos daqueles irmãos cobardes, mas como ele é um homem de sorte, conseguiu escapar mais uma vez à morte. Acho que não tem como não gostar do Shirashi, ele além de ter uma personalidade engraçada, quem mais seria indicado a ajudar o Sugimoto a fugir, a não ser o mestre supremo das fugas. A parte em que o Shirashi, passa as barras de metal da janela da divisão onde o Sugimoto estava cativo, foi bem creepy, ele parecia que não tinha ossos (ou então, a gordura de urso que a Asirpa lhe deu era bem mais eficaz que o sabão, para deixar o corpo escorregadio). Falando na Asirpa, o Sugimoto arranjou uma companheira para a vida, a forma como a Asirpa tentou de tudo para ajudar o Sugimoto prova isso. Ainda na Asirpa, a forma como ela convenceu o Shirashi a ajudá-la, foi bem pragmática e sem rodeios e isso foi muito bom (nada, como uma boa quantidade de ouro, para convencer os outros).
    Voltando ao Sugimoto, a forma inteligente que ele arranjou para sair daquele cativeiro, foi bem desesperada. Já sabemos, que o Sugimoto é boa pessoa e tal, mas o que não se passou na cabeça dele, para ele matar e profanar o corpo do morto (verdade seja dita, aqueles gémeos eram escória e mereciam morrer), o instinto de sobrevivência do Sugimoto, em casos extremos, transforma-o em um animal demoníaco, que fará de tudo para sobreviver.
    Passando ao Tsurumi, este vilão começa a assustar-me, ele além de doido, ser maléfico, ele gosta de manipular e de ser desafiado. Na parte em que o Sugimoto começa a sua fuga, o Tsurumi parecia muito decidido a apanhá-lo e mesmo quando o seu cavalo caiu envenenado pela seta da Asirpa, ele correu atrás do Sugimoto. Mas nunca na vida o Tsurumi, conseguiria alcançar o Sugimoto (que estava a cavalo) a correr e quando ele sacou da sua pistola para abater o Sugimoto, deu para notar que o Tsurumi não consegue enxergar bem a longas distâncias (nessa cena, a câmara deu foco nos olhos do Tsurumi e deu para notar, que ele tinha dificuldade em ver o alvo). E agora uma pequena curiosidade, outro dos motivos, para o Tsurumi, não ter disparado, é porque a pistola que ele usa (que é uma Nanbu Tipo 14, uma imitação da Luger P08 Alemã), ela além de má, em termos de design e montagem, a precisão dela é nula, o Sugimoto poderia estar a dois metros do Tsurimi, que a bala da pistola nunca lhe acertaria. A parte, em que o Tsurumi volta à base e mostra que tinha a pele com o mapa do tesouro vestida, foi bem macabro (a cara do Shirashi, disfarçado de membro da sétima divisão, nessa parte, foi muito boa). Agora é só esperar para ver, se o Tsurumi vai ser tão paciente com a sua presa, ele disse para esperar, porque o grupo do Sugimoto é melhor para descobrir as partes do mapa do tesouro, mas tenho as minhas dúvidas em relação a esta declaração dele.
    Agora passando à parte do Hijikata, é impossível não admirá-lo, ele mesmo velho continua rígido e um autêntico demónio, tal como nos tempos, em que era vice-comandante do Shinsengumi). A parte da pousada, onde o velho Hijikata, confirma o stock de armas americanas, ao lado do seu companheiro de luta, Nagakura Nagakura Shinpachi. Antes de avançar mais, um pequeno detalhe histórico, em toda a história do Shinsengumi, o Nagakura Shinpachi e o seu melhor amigo Harada Sanosuke, foram os únicos integrantes do Shinsengumi que conseguiram sair do mesmo, sem ter que cometer o seppuuku (na lista de deveres do Shinsengumi, escrita pelo Hijikata Toshizou, qualquer integrante das fileiras do Shinsegumi, que tentasse sair do mesmo, teria que fazer o seppuuku).
    Voltando à parte do velho Hijikata, este episódio cometeu um erro histórico, não muito grave, quando o Tatsuma, afirmou que o Nagakura tinha sido o espadachim mais forte do Shinsegumi e isso está um pouco longe de ser verdade. O Nagakura Shinpachi mesmo tendo usado um dos estilos de esgrima mais fortes da sua época (ele usava mesmo estilo de esgrima, que o Serizawa Kamo, o fundador do Roshigumi, que mais tarde seria chamado de Shinsegumi, por Kondou Isami). Os espadachins mais fortes do Shinsegumi, sem dúvida eram, o Okita Souji, seguido por Saito Hajime (que era esquerdino, algo raro de ser aceito na esgrima japonesa da época) e claro o Hijikata Toshizou.
    Voltando ao Hijikata neste episódio, foi bem badass, quando ele e os seus mancebos atacaram a base dos bandidos (que me pareceu ser uma base da Yakuza). A luta entre as forças do Hijikata e dos bandidos, esta luta, se vista com atenção, já dava para ver, desde do começo que o Hijikata iria ganhar. As armas usadas pelo grupo do Hijikata, eram de topo, das armas utilizadas pelo próprio Hijikata e seus homens, destaco a carabina Winchester tipo 44 usada pelo Hijikata, o revolver Smith & Wesson modelo 10 de uso militar que o Tatsuma estava a usar e não esquecendo dos fuzil M1903 Springfield que os outros homens estavam a usar (em suma, as armas americanas que o grupo do Hijikata usaram, era muito superiores, aos rifles Arisaka que os bandidos usavam).
    Antes de terminar, última parte do episódio foi muito boa. A introdução do caçador Nihei, foi bem colocada e ainda descobrimos que ele é um exterminador de ursos (que como bem referiste, mais depressa ele matar os ursos, mais depressa nós deixaremos de ver os ursos com aquele CG horrível). O estilo de caça e a filosofia do Nihei, faz bastante sentido, pode parecer meio louco, caçar um urso, com um velhinho rifle Murata de tiro único e apenas com uma bala, mas como o Nihei bem disse, quando menos balas, mais a chance de se acertar o alvo (porque a pressão de ter apenas um tiro, faz com que tentemos errar menos). O Gengirou, vai levar a sua avante e tentará matar o lobo, agora com a ajuda do Nihei essa hipótese só aumenta.
    Falando um pouco do rifle Murata, essa arma foi a primeira arma de fogo a ser fabricada no Japão e das primeiras armas de fogo do mundo a serem recarregadas pela culatra e a usar balas (em vez daquelas esferas, usadas nos mosquetes) e essa arma foi ideia de um general com esse mesmo nome. O general Murata, também foi o primeiro a fabricar uma espada japonesa de forma industrial (neste caso, ele fazia essas espadas, na fábrica onde se fabricava os rifles Murata) e a essas espadas se dava o nome de Gunto (as espadas Murata, foram as que deram origem às espadas militares do exército moderno japonês. Estas espadas, eram mistura de katanas e de sabres europeus e foram usadas pelo exército japonês, de 1868 a 1945).
    Como sempre, mais um excelente artigo, de Golden Kamuy Carlos Souza.

    • Woooow, que comentário excelente! Fico espantado em ver tamanho conhecimento sobre armas! Muito obrigado pelas informações.
      Até a próxima!

      • O meu conhecimento de armas, advém muito da minha obsessão de conhecer mais sobre história e Golden Kamuy nesses dois temas é quase rei.
        Se precisares de conhecimentos sobre armas, eu posso ajudar (eu sei um pouco desde das lança e das espadas, até aos armamentos da Segunda Guerra Mundial).
        Ansioso pelo próximo artigo.

Discussão