Alô, galera do Anime21! Como podem ver, a copa do mundo de 2018 já começou, porém precisamos, de alguma forma, dar início a esta festa. Aqui, acompanhando-me, tem o comentarista Kakeru17, um fanático por futebol.

Comentaremos primeiro o anime mais antigo, e depois os mais atuais, para que consigam entender a nossa linha de raciocínio. Lembrando que os atuais não estão em ordem de lançamento.

 

Captain Tsubasa

O primeiro citado foi Captain Tsubasa. Este nada mais é um dos animes mais antigos de futebol. Ele é um anime para promover o futebol no Japão, sendo assim apoiada pela Associação Japonesa de Futebol durante o seu desenvolvimento. A obra retrata o esporte através da ótica de Oliver Tsubasa, o capitão do time da seleção japonesa. Vamos discorrer um pouco sobre ele.

Tamao-chan: Para falar a verdade, eu vi a versão que passou no Cartoon Network. Tsubasa vai se desenvolvendo e melhorando enquanto o anime passa.

Kakeru17: Eu vi a da Rede TV e acho que era a mais recente, de 2002, e agora tô vendo a atual. Uma coisa que lembrei sobre a obra vendo o anime atual é que ela não apresenta o futebol de forma realista, mas sim de forma fantasiosa e, por incrível que pareça, esse é um ponto positivo, pois torna mais fácil o envolvimento do telespectador jovem com o esporte e incentiva a prática, pois mesmo com o choque de realidade a criança que via a série deve continuar a se interessando pelo esporte.

Tamao-chan: Eu acredito que o campo de futebol deles tem a mesma distância que daqui do Rio de Janeiro para São Paulo. E, realmente, acredito que as crianças não conseguem absorver tantas informações sobre jogos. E, para quem não entende nada de futebol, pode começar assistindo por ele. Por isso que animes de esporte costumam ter uma idade indicativa, a não ser que esteja falando besteira e não sei.

Kakeru17: Sim, isso tem a ver com a demografia e como essas obras são vendidas buscando solIdificar um público de crianças e/ou adolescentes.

 

Inazuma Eleven

Para mantermos a conversa sobre animes de futebol infantis, engatamos o tema com Super Onze (Inazuma Eleven no original). Em resumo, é um anime que retrata o esporte de maneira de fácil assimilação através de poderes utilizados durante os jogos. Primeiramente, o time principal tinha como objetivo derrotar um poderoso tirano e, em seguida, tiveram que ampliá-lo, enfrentando ainda mais escolas.

Tamao-chan: Super Onze tem bastante disso também, são histórias fáceis de absorver e de entender.

Kakeru17: Outra característica interessante de Captain Tsubasa é justamente seu protagonista, pois ele é uma folha em branco a ser preenchida com o futebol. A paixão e dedicação dele ao esporte aproxima o público do apelo emocional que um esporte popular desses têm. Sim, ambos (Captain Tsubasa e Inazuma Eleven) priorizam a competitividade e rivalidade entre jogadores, o que rende constantes climáx a essas obras e trabalha o crescimento dos personagens enquanto atletas em desenvolvimento.

Tamao-chan: Na verdade, eu vou te falar que gosto mais do Misugi Jun. Não sei se você lembra dele, mas ele é um personagem que tem um coração muito fraco, e com a ajuda do futebol, se tornou mais forte. Ele era conhecido como coração de vidro. Mas Super Onze é mais fantasioso, já que eles usam uns poderes lá lol.

Kakeru17: Sim, lembro com certeza, tenho um fraco por situações com esse tipo de apelo emocional e também por ver um personagem mudando e se tornando alguém mais forte em algum aspecto de sua vida por meio do esporte. Superação é uma máxima em praticamente toda obra esportiva e por mais que às vezes seja clichê, ver os personagens superando problemas e se reafirmando é sempre agradável para o público.

Tamao-chan: Do Tsubasa mesmo eu nunca gostei, eu sempre o achei muito bitolado, porém ter um objetivo de vida que o destaca. Lembro que, quando ele fica mais velho, quer entrar para a seleção da Catalunha.

Kakeru17: Como disse, o Tsubasa é um personagem vazio sem o futebol, uma página em branco que é só é preenchida pelo esporte, o personagem ideal pra te fazer gostar do esporte em si, mas não exatamente dele. Uma escolha do autor do mangá que seria questionável, mas a obra fez e faz tanto sucesso que acho que no final foi melhor assim.

Tamao-chan: Ah, sim, animes assim fazem sucesso.

Kakeru17: Em compensação, depois dele surgiram outros animes com personagens mais interessantes e menos obsessivos pela bola 😂.

Tamao-chan: HUSDHFIUFSDHIUSDH (risada de foca)

Kakeru17: E também com problemas que não tenham só a ver com ela, mesmo que também se relacionem.

 

Keppeki Danshi! Aoyama-kun
e
Days

Durante o bate-bola sobre animes infantis, resolvemos conversar sobre Keppeki Danshi! Aoyama-kun, um anime de futebol, cujo protagonista é misofóbico (tem medo de germes), por isso o tema principal não é o esporte em si, e sim como o Aoyama lida com esse problema durante seu dia a dia. Também falamos sobre Days, um anime que conta a história de Tsukamoto Tsukushi, que depois de muito incentivo, resolve ingressar no mundo do futebol, mesmo sendo um perna de pau mas, com o tempo, suas habilidades melhoram bastante.

Tamao-chan: Por isso que gostei tanto de Aoyama, o foco não é o futebol, mas quando ele vê uma bola, é o máximo.

Kakeru17: Verdade, outro que gostei com isso foi o anime Days, pois no anime os personagens acabam sendo mais interessantes que os próprios jogos, mas a gente até quer ver o futebol porque é isso que acaba aproximando todos eles. Além do desenvolvimento de personagem que há em Days.

Tamao-chan: Pô, gostei muito de Days. Eu compadecia com o Tsukushi HSDHUFI.

Kakeru17: Aoyama já puxa mais para o lado da comédia, mas ele é interessante justamente porque é versátil, tanto que acaba sendo uma boa pedida até para quem nem quer ver um anime de futebol. Sim, personagens “frageis” e sem tanta confiança que vão amadurcendo ao longo da trama envolvem mais o telespectador, até dão uma compensada em outros defeitos que o anime tenha.

Tamao-chan: Acredito que, para quem quer ver futebol, Aoyama desagrada bastante. Eu lembro que teve muita gente criticando. Mas, pensa bem. O cara é M I S O F Ó B I C O (tem fobia a germes), então logicamente que focaria mais nos problemas dele com essa fobia que com o futebol.

Kakeru17: Sim, se ele não tivesse esses problemas com certeza focaria mais no futebol, mas aí a obra perderia bastante do que a tornou única. E, no fim das contas, é sempre bom de vez em quando aparecer um anime dentro de algum gênero ou subgênero que foge um pouco do previsível, que tenta fazer algo diferente, que busca originalidade mesmo seguindo uma fórmula básica. Outro exemplo bom disso pra mim é Area no Kishi. Conhece a sinopse do anime Mari (Tamao)?

 

Area no Kishi

Antes de comentarmos sobre Area no Kishi, eu não havia visto, mas Kakeru dá um banho na explicação sobre ele:

Kakeru17: Basicamente, a história começa com dos irmãos que amam o futebol, Kakeru (o mais novo) e Suguru (o mais velho) Aizawa. O primeiro é o às do sub-15 japonês, o outro ficou tramatizado de chutar com a perna direita por causa do que aconteceu em um jogo, os dois passam por uma situação que muda as vidas deles pra sempre. Na verdade, eles dois sofrem um acidente e o mais velho morre, daí pra salvar o mais novo tem que fazer um transplante de coração e o Kakeru recebe o coração justamente do irmão.

Tamao-chan: Ai, que anime triste ._.

Kakeru17: Daí o mais novo passa a carregar os sonhos do irmão no esporte (ir a Copa do Mundo) junto com os próprios sonhos dele e trilha seu caminho, tentando se reafirmar como jogador. Que nada(sobre o anime ser triste). Tiram boa parte da carga dramática que poderiam explorar dele. Tem até aquele clichê do personagem ter “habilidades especiais” daquele que doou o orgão/poder/arma, enfim. Como se em alguns momentos o Kakeru “incorporasse” o irmão e virasse um jogador melhor.

Tamao-chan: Entendi.

Kakeru17: O que não acho muito bom, mas se pensarmos que ele tem problemas pra voltar a jogar e que tem que superar eles, e isso é boa parte do anime, acho que dá uma compensada. Além de que, como te contei antes, a amiga de infância, que também parece apaixonada por ele, joga futebol, mesmo que se dividindo entre jogar e ser assistente do time de futebol masculino da escola, e joga melhor que ele inclusive. No final, ele sequer é o melhor jogador do time.

Tamao-chan: Você acha que boa parte do sucesso dele se deve ao irmão e ele está tomando tudo para si?

Kakeru17: Que nada, tirando um ou outro momento em que ele “incorpora”, o bacana é ver ele ralando pra ir melhorando e conseguir extrair o próprio talento. É legal o fato de que o protagonista tem campo pra melhorar, que do lado dele tem gente que joga melhor que ele e que isso é um estímulo pro seu desenvolvimento. O contrário do Tsubasa que, por mais que encontre desafios pelo caminho, já começa a história como um jogador completamente além da normalidade.

 

Giant Killing

Durante o tema, também comento sobre um anime chamado Giant Killing, que mostra a história de um treinador que ajuda jogadores de times pequenos a derrotarem times grandes. Mas ele usa técnicas totalmente não convencionais para acabar se sobressaindo.

Tamao-chan: Acredito que o anime mais realista em questão de futebol mesmo é Giant Killing.

Kakeru17: Não duvido, Area no Kishi é um meio termo entre o que seria o futebol real e o fantasioso de Captain.

Tamao-chan: Days também tem suas fantasias, porém os personagens viajam menos em campo que em Tsubasa.

Kakeru17: Ah, com certeza. Tsubasa e Inazuma são fantasia pura rsrsrs. Acho que por isso que são mais infantis, pois pedem muito de uma suspensão de descrença que é mais fácil uma criança ter. Uma coisa que gostei em Giant foi que ele pareceu mais real que os outros animes do tipo.

Tamao-chan: Sim. Também sinto isso. E os métodos não convencionais do treinador me deixam animada. Porque parece que ele não faz nada demais, mas isso é importante.

Kakeru17: Uma abordagem diferente. Também gostei da torcida. Pra anime de futebol em escola isso acaba não sendo tão bem explorado. Acaba ficando muito no mundinho dos jogadores e do que eles querem dentro do futebol, né.

Tamao-chan: Isso aí da torcida também é comentado em outros animes de esportes. Porém não de futebol. Eles comentam bastante sobre isso em Haikyuu. Já em Giant Killing, tudo é focado.

Kakeru17: Geralmente não abordam coisas que saem desse escopo e que inevitavelmente influenciam no rendimento de um time. Em futebol pra valer, com mais seriedade. Gostei.

Tamao-chan: Inclusive você vai conhecer um jogador chamado Tsubaki que me lembrou bastante o Tsukushi e vice-versa.

Kakeru17: Ah, tô ligado, acho que ele aparece até onde eu vi, mas confesso que não me liguei no nome. Mas até o normal pra anime assim em que okay o treinador é importante, mas parece que depende demais do jogador e foca mais só neles mesmo, aí acaba que o treinador não se torna tão interessante.

 

Fantasista Stella

Para terminar a lista de sete animes de futebol, escolhemos Fantasista Stella como o último a ser comentado. O anime conta a história de dois colegas de time: Sakamoto e Honda. Porém, pelo primeiro ser um Fantasista, ou seja, ele imagina o campo como se fosse uma constelação e programa suas jogadas a partir dele, ninguém entende sua forma de agir, então o seu técnico decide mandá-lo para o time do Real Madrid. Enquanto isso, Honda continua no Japão e, um dia, ele é escolhido para enfrentar o seu antigo companheiro, mesmo tendo sofrido um acidente antes.

Tamao-chan: O que achou de Fantasista? Eu achei bem legal a ideia de comparar o campo com uma constelação.

Kakeru17: Olha 😅. Gostei de envolver adultos, seleção e time profissional. A parte da constelação não é exatamente uma viagem porque tem jogador que tem mesmo uma visão diferenciada do jogo, né.

Tamao-chan: Sim.

Kakeru17: O anime só “enfeita” algo que, de certa forma, existe. Agora, sério. Achei a animação de Fantasista bem fraquinha. A proposta muito boa. E mais realista do que o normal pra anime assim tirando o prota jogar no Real q. O problema foi que algumas coisas me tiraram muito da obra. Acabou caindo nas mesmas coisas que outros animes de futebol fazem. Rivais aleatórios (podem não ser pra quem lê o mangá, mas pra quem vê o anime são sim) vendo o jogo e comentando treinador com algum problema, nesse caso é um bebum (é sério isso?). O jogador é escalado do nada, aparece no meio do jogo e já entra (okay que é amistoso, mas isso sequer é possível?). Legal a mensagem no começo. E entregam uma cópia tosca do CR7 misturado com Dio e Sasuke. WTF.

Tamao-chan: Bom, na verdade, a movimentação que mais achei fluida entre todos os animes desta lista é a de Giant Killing. Depois tudo vai decaindo mesmo.

 

Detective Conan: The Eleventh Striker

Na verdade, havíamos escolhido apenas esses sete animes que apresentamos. Porém, Fábio “Maxicano” Godoy encontrou um achado da animação japonesa no quesito futebol: Detective Conan: The Eleventh Striker (Detetive Conan: O Décimo Primeiro Atacante). Para quem nunca viu o anime na vida, pode ficar tranquilo, pois Kudou Shinichi conta a história do que aconteceu com ele e apresenta os seus novos amigos, que atualmente são crianças.

Detective Conan não é um anime de futebol, mas é algo que coube muito bem como sendo “aquele primeiro e último gol que o Brasil precisava na Copa de 2014”, aquele filme que abalou, literalmente, as estruturas de quando foi lançado, já que bombas foram implantadas em um estádio de futebol. Um enredo bem legal envolvendo um detetive mirim que adora futebol. Esse é o Detetive Conan.

Muito obrigada por lerem este bate-bola. É algo marcante para mim, pelo menos, e agradecemos pela paciência e compreensão.

  1. Preciso mesmo ver algum anime de futebol fora os que vi em canal aberto. Aliás, vale lembrar de “Hungry Hearts: Wild Strikers” que é do mesmo autor de “Captain Tsubasa”, este é mais pé-no-chão que o outro, teve versão dublada deste. Agora, valeu demais botar de menção honrosa o 16° filme de “Detective Conan”, pois quem acompanha a série sabe que o protagonista gosta de futebol e que seu “ataque shounen” é chutar uma bola e tanto; amei demais a música de encerramento do filme, muito boa mesmo.
    Muito bacana as recomendações que vocês tem feito, assim dá pra conhecer novas e antigas séries.

Discussão