Que episódio encantador, não foi mesmo? A fuga rolou, na verdade, ela ainda está em curso, e tenho várias coisas para comentar neste artigo. Espero não me queimar com você leitor(a), porque o anime está pegando fogo e em breve fugirá da frente das nossos telas para se transformar em lenda! FIRE!!!

Para você ver como minha memória é horrível, não recordava que o Ray estava se preparando para a fuga a seu modo, mas isso foi algo que ocorreu no mangá e há dois pontos que explicam bem porque ele agiu assim.

Primeiro, ele havia perdido metade do motivo para querer que a fuga fosse realizada: a vida do Norman.

Segundo, ele remoía a culpa pelas vidas dos irmãos que assistiu serem tomadas e não fez nada para impedir, então olhando em retrospecto é até fácil perceber que a intenção suicida dele sempre esteve lá, que ele nunca se inclua nos planos ao falar deles, mas queria a todo custo que o Norman e a Emma fugissem.

Que eram diferentes, apesar de bem parecidas, mas todas contrárias as dela.

Não que ele tenha dado indícios claros de que queria se suicidar, mas havia algo de estranho em suas atitudes e o óleo debaixo da cama deixou clara sua intenção de atear fogo, mas por que teria essa ideia e não a comunicaria para os demais? Por não querer ser impedido!

O Norman chegou a tal raciocínio e, ainda que estivesse errado, para evitar o risco, nada mais natural que incluir a possibilidade nos planos. Não à toa a conversa para ajustar os últimos detalhes do plano desembocou com o Ray espalhando óleo por todo aquele espaço do recinto e inclusive em si mesmo, no que foi um verdadeiro grito de rebelião a prisão física, psicológica e emocional que atormentava o garoto há anos.

Faltava algo assim em Neverland, um desejo de vingança, um desejo de revide a toda a injustiça perpetrada naquelas plantações. E quem melhor para dar voz a isso que o Ray, uma vítima que a certa altura se tornará cúmplice e não sabia como lidar com seus pecados a não ser tomando o caminho da morte?

Quem ateia fogo nas coisas deve estar preparado para atear fogo em si mesmo, baby!

Você pode até achar que isso nem é tão visceral, mas já conheci pessoas que são ótimos exemplos de que você pode alimentar desejos suicidas por anos, pelos mais diversos motivos, e colocá-los em prática ou não, o que depende muito também de quem está ao seu lado.

Felizmente, tanto nos exemplos reais que citei quanto na ficção da obra, essas pessoas tinham alguém para dar o tapa que o suicida estava precisando, e assim colocá-lo de volta aos eixos.

Eu sei que na vida real não é assim tão simples, ou não costuma ser, mas seja você alguém que dá o tapa que alguém precisa em um momento de tanto desespero como o que o Ray estava passando. Espero ser esse tipo de pessoa. Não precisa ser literalmente uma bofetada, mas uma demonstração sincera de que você se importa!

“Você vai fugir com a gente nem que eu tenha que te matar pra isso!”

Enfim, a Mamãe Isabella percebe algo de estranho e se dirige a sala de estar para presenciar um fogo que não iria consumir o seu gado de luxo, mas tudo o que ela entendia por verdade imutável daquele mundo. Ela caiu na armadilha direitinho e eu não a julgo, pois, como ela poderia não ter agido assim?

O que estava a sua frente – afogado em um mar de fogo – era o sinal de uma de suas crianças e o seu rastreador não poderia distinguir qual era.

Na verdade, ele se apavorou por achar que era o Ray, mas ainda que não fosse, sua obrigação era salvar a criança, então a condição já estava em curso para ser cumprida e quando ela descobriu a outra orelha – decepada com o intuito de atrasar ainda mais sua reação – já era tarde demais, ou ao menos pareceu ser.

Isabella fora enganada em uma simples, que de simples não teve nada, brincadeira de criança. Ela foi confundida por pistas falsas e abriu caminho para que seu rebanho fugisse – ou ao menos boa parte dele. Agora vamos entender melhor o plano?

O bom de você ter uma memória ruim é que muitas vezes você se esquece de parte das histórias que acompanha e não poderia ser diferente com Neverland, apesar de ter sido uma obra que me marcou muito. Confesso que não lembrava que o Norman era o grande mastermind por trás do plano que foi brilhantemente bem-sucedido em induzir a Isabella a voltar sua atenção para um ponto enquanto no seu entorno as coisas continuavam a acontecer.

E aconteciam até em off para nos telespectadores, o que seria leviano se argumentasse que foi conveniente e repentino. Não foi, sinais tinham sido dados aos montes ao longo da narrativa. Fosse a intenção de expandir o plano ou o “despiste” que a Emma quis promover para enganar a Mamãe enquanto ainda mexia as cordas dos bastidores, o problema é que certas minucias poderiam ter sido consideradas.

Por que o Ray não ficou sabendo que a verdade chegou aos ouvidos de outros? Por que a Mamãe não achou estranho o desaparecimento dos sinais de rebelião? Terá sido uma precaução extra no primeiro caso e descuido ou somente arrogância por achar que a parada já estava decidida no segundo?

Tudo de acordo com o keikaku, que significa plano, do MVP, Norman.

O primeiro caso não acho que faça tanto sentido porque o encontro da Krone com o Norman e a Emma ocorreu após a revelação do traidor, quando confiar a expansão do plano ao Ray já faria mais sentido, então só posso dar um descontão para isso.

O segundo caso já é mais fácil de encarar dessa forma e a aparente falta de contado entre o Ray e a Emma contribuiu para isso. Cada um estava pensando na fuga a sua maneira e não é estranho o Ray ter vindo com a ideia dele sem saber qual era o estágio do plano, pois ele queria salvar ao menos a Emma ali e para isso seu suicídio já deveria ser o suficiente.

Enfim, a função dos objetos que a Krone deixou de presente para o Norman ainda não ficou clara, mas são as bases de uma chave – ou duas? – e uma caneta, então é de se esperar que sejam úteis no que está por vir. Eu lembro a utilidade, só não se serão de valia ainda para esse arco que está acabando, mas deixou perguntas que precisarão de respostas no último episódio.

Este sorriso me salvou e salvou a quase todas as crianças de Neverland! ❤

Por que o Phil ficou para trás? Cadê as outras crianças menores? No que se refere a superar o penhasco eles vão ter que dar um jeito, mas já devem ter algo em mente e isso não deve tomar tanto tempo do episódio, então por que há um episódio todo para o restante da fuga, o que mais precisa ser contado sobre a história do arco? É sobre quem foi ou ficou para trás?

É certo que ainda há conteúdo para preencher esse final e espero que ele seja bem aproveitado nesse derradeiro episódio que está por vir. Você, caro(a) leitor(a), gostou de tudo ter sido resolvido na base do fogo e de terem até suavizado o quão brutal poderia ter sido os protagonistas terem decepado as orelhas? Eu gostei, acho que o importante foi o momento do Ray e o que a Emma o mostrou como o futuro que eles poderiam compartilhar junto a seus outros irmãos.

O Norman foi imprescindível para isso e eu não poderia esperar menos de um personagem tão bom que rumou para o desconhecido, a morte praticamente certa, sem olhar para trás porque era só assim que essa fuga poderia acontecer!

Espere ansioso(a) pelo final desse anime de Neverland, pois eu aposto que ele não nos decepcionará!

Qual será o destino de Phil e dos outros? Qual será o destino desta fantástica Neverland?

  1. Avatar

    Eu acerteiiiiii!! Comemoraram o aniversário do Ray com grande estilo. Só não esperava a pobre a Emma ter arrancado a própria orelha eu só ficava pensando: “ela deve estar sentindo uma dor horrível!” mas enfim…. Até onde eu consegui perceber dificilmente Phil está ali por acaso até porque já foi dito que das crianças da idade dele ele é um dos mais espertos. Ele deve ser uma peça valiosa para essa empreitada dá certo. Ademais foi um ótimo episódio junto com o Boogiepop é o anime que mais tem me divertido essa temporada.

  2. Kakeru17

    Acho que a dor deve estar sendo encoberta pela adrenalina. O Phil foi sutilmente explorado algumas vezes na trama, então não vai ser estranho se tiver alguma relevância no contexto da fuga, até justificaria os breves destaques que ele teve. O episódio foi muito bom, porque foi bem emocionante e no geral a arquitetação do plano e a execução ficou bem bacana. A coisa literalmente pegou fogo como você atentamente prevera, Ademais, também estou adorando Boogiepop e me pego ansioso pelo final desses animes, mas triste, porque vou sentir saudades deles.

  3. Avatar

    Curti demais o episódio bom titulo de análise inclusive :v
    Eu tinha muito medo da execução dessa fuga, não li o mangá então tudo é novidade pra mim e acho que com esse episódio vai ser muito difícil o ultimo episódio nos decepcionar.

Deixe uma resposta para Ana Pereira Cancelar resposta