A partir dessa semana, vou passar a comentar e tentar explicar os acontecimentos de Gal to Kyouryuu, o anime mais bizarro do ano – até agora. Com esse segundo episódio, já conseguimos notar um certo padrão em como a animação vai funcionar, com uma melhora considerável em relação ao anterior. Além disso, as coisas começaram a fazer um pouco mais de sentido. Eu acho.

A primeira história foi aquela onde a amiga de Kaede, Yamada, foi visitá-la e deu de cara com um dinossauro azul. Uma das coisas mais legais desse anime é a interação do dinossauro com outras pessoas além de Kaede. No caso de Yamada, há um timing cômico muito bom no momento em que ela encontra o Dino, assim como a própria reação de ambos.

Também é divertido ver como as pessoas agem normalmente com esse fato, quando, normalmente, elas iriam ficar chocadas, com medo, confusas, etc. Ainda sobre esse curta, adorei a forma como relacionaram a série Partners, que o Dino estava assistindo, com o próprio episódio, já que os dois falam sobre “parceiros”. Isso fica claro com os créditos finais, onde há uma ótima sacada de metalinguagem. Do jeito que esse diretor é, podemos esperar mais disso daqui pra frente.

Já no segundo curta, conhecemos o ex-namorado de Kaede, Shouta. Foi ótima a dinâmica entre ele e o Dino, já que os dois viraram amigos, enquanto Kaede odeia o cara e o trata super mal. Outro destaque é a quebra de expectativa sobre o ex-namorado saber que ela está morando com outra pessoa e o fim que isso levou. Será que os dois voltam a ficar juntos em algum momento? Quero ver o Dino agindo como cupido e dando dicas pro Shouta reconquistar Kaede.

Vai dizer que eles não eram fofos juntos?

Além desses dois curtas, também tivemos aqueles videozinhos em stop-motion, que parecem do YouTube. O primeiro, confesso que foi meio sem graça – ou eu não peguei a ideia. Dino usa uma escova de dentes pra tomar banho e… É isso? Já o segundo é bem mais divertido, pois Dino está jogando cartas com Shouta e vence todas as vezes por causa do reflexo no espelho. Mais uma boa sacada no episódio.

Ainda tá fácil, hein?

E então chegamos na parte em live-action, que não tinha me agradado tanto no episódio anterior, mas até que se saiu melhor agora. Confesso que tive que voltar no primeiro episódio pra lembrar dois eventos, pois a única coisa que me lembrava era o fato dele ser idêntico à animação – só que com um velho. A grande questão é que ele teve um plot-twist no final, onde Mieharu está morrendo e aparece alguém misterioso dizendo que “falhou de novo”.

A princípio, não via tanto sentido em repetir a mesma história, só que em live-action – e com um velho no lugar da gal, pra deixar claro -, já que acabamos de assisti ao anime com a mesma trama. Talvez isso faça um pouco mais de sentido se levarmos em conta que Pop Team Epic repetia as mesmas histórias com poucas piadas diferentes e um novo elenco de dublagem.

Felizmente, aqui a narrativa em live-action não é uma cópia da animação e funciona por conta própria. Ainda não ficou claro quem é a pessoa misteriosa interpretada por Shouta Aoi, mas, aparentemente, ele tenta mudar o futuro, impedindo que Mieharu morra. O grande plot-twist foi a vizinha ser a grande vilã da história. Por mais que estivesse um pouco óbvio, a revelação foi bem legal.

Pra fechar com chave de ouro, a história, que antes se passava no Natal, agora chegou em 4 de abril de 2020 – a data de estreia do anime -, onde o Dino vive com… uma Gal! Não sei vocês, mas fiquei bem curioso com o que vai acontecer daqui pra frente. Só não podem voltar a copiar o anime de novo, né?

Curiosamente, no caderno que Shouta Aoi segura está escrito “Cronograma”. Será que é uma referência ao cronograma do próprio anime? Outro ponto que chamou minha atenção é que esse personagem também participou de Pop Team Epic. Será que teremos um universo compartilhado? Espero que em algum momento as coisas façam sentido.

Comentários