[sc:review nota=4]

Um episódio de ligação. Ou seja, um episódio com algumas informações e acontecimentos que têm lá sua importância na trama, certamente não é descartável, mas está entre dois arcos e não pertence exatamente a nenhum deles. Se bem que Yurikuma Arashi é tão confuso em termos de visual e de roteiro que talvez seja possível dizer que esse episódio faz parte do arco anterior sim, sendo sua conclusão. Ah, bem, a função estrutural do episódio importa pouco. É um episódio bonitinho onde a Kureha finalmente se relembra de Ginko, e onde é explicado que sim, o livro d’A Garota da Lua e a Garota da Floresta foi baseado nas duas quando crianças. Nesse sentido é significativo que ele esteja incompleto. Mas fico curioso por mais detalhes sobre o relacionamento que as duas tiveram no passado.

Para um episódio de Yurikuma Arashi, esse é até bastante direto. Kureha aceita Lulu e Ginko em sua casa após comover-se com a atitude de Ginko de salvar a carta de Sumika das chamas do jardim de lírios e o apelo de Lulu dizendo a ela o quanto Ginko a ama. Ginko permanece desacordada enquanto Kureha e Lulu fazem turnos cuidando dela. Kureha eventualmente conta do livro para Lulu, dizendo que sua mãe foi morta por um urso antes de terminar de escrever, o que naturalmente deixa Lulu incomodada. Kureha tem um sonho acordada com Ginko que faz referência ao livro (e me fez acreditar que elas estavam fazendo sexo; sério, aquela cena é uma alegoria ao sexo, tem que ser) e desperta pouco antes de trocarem o “beijo prometido”. Esse sonho a abalou e ela não conseguiu mais ficar confortável na presença de Ginko até o final do episódio. Aos poucos ela foi se lembrando que ela havia esquecido de uma amiga que fez quando criança, e a diretora da escola parece saber disso. Quando Ginko finalmente desperta e canta a “canção de amor” da mãe da Kureha a garota finalmente tem certeza que ela é a amiga que ela teve durante a infância.

Parte considerável do episódio é dedicada a contar a triste história de Ginko até quando ela terminou moribunda naquele campo de batalha. Basicamente ela foi um filhote abandonado, encontrada por uma sacerdotisa (a Senhora Kumestra) mas criada como uma criança abandonada de todo modo e maltratada por todas as demais crianças, sem nunca ter conhecido o amor. Entre os ursos, ou pelo menos entre aqueles ursos, o amor era Kumaria. Embora eles pronunciem Kumária, ouça Kumaría e fica mais legal, já que ela é basicamente uma deusa. A deusa do amor. Maria, saca? Pois é. Não é coisa da minha cabeça não, esse episódio está cheio de nomes Ku- qualquer nome começado em “m”, para fazer trocadilhos cretinos com urso em japonês (kuma) e nomes ocidentais. Portanto, Kumaria não pode ser uma exceção. Mas a Senhora Kumestra, adicionando injúria ao insulto depois de resgatar Ginko e não cuidar dela, cria um exército de ursos órfãos para combater os humanos dizendo que só assim eles poderão enfim receber amor pela primeira vez na vida. O amor da própria Kumaria. A Senhora Kumestra é uma grandessíssima desgraçada. O resto é história: ursos combateram humanos, Ginko foi eventualmente abatida e quando achou que morreria foi encontrada por Kureha.

O que é interessante é o uso do termo “exclusão”, idêntico ao que é usado pelas garotas da escola, pelos ursos. No caso, eles excluem aqueles que são fracos demais ou que fracassam em se adaptar ao grupo, e isso é descrito como características animais. Quanto à fraqueza, ok, mas adaptação ao grupo? Isso parece bastante humano para mim. A ursa que seduziu Harishima (a garota que aprontou com a Kureha nos últimos episódios) a matou nesse episódio, não sem antes a própria Harishima dizer que por estar com essa misteriosa mulher ela agora era forte e portanto não poderia ser excluída (na verdade ela disse que não podia ser levada pela Tempestade Invisível, mas até agora um parece feito para levar ao outro, daí minha interpretação). A identidade dessa ursa continua um mistério, não tenho mais tanta certeza que seja a diretora, embora ainda seja minha aposta. Outra coisa que se pode dizer dela é que é uma ursa grande, ao contrário das ursas pequenas de até então. Coincidentemente do mesmo tamanho que a Senhora Kumestra.

No final, em cena após os créditos, um gancho que provavelmente significa que o passado não voltou apenas para a alegria de Kureha e Ginko, mas também para lembrar a ursa e a garota de coisas desagradáveis e cobrar seu preço. As únicas ursas ligadas ao passado delas são a Senhora Kumestra e a diretora Hakonaka. E sim, estou tentando insinuar que as duas possam ser a mesma pessoa, embora as informações até o momento sejam insuficientes. Lulu recebe uma carta apócrifa endereçada para a Crimebear, a ursa criminosa, que lendo ela descobre ser a Ginko. A carta também diz qual foi o seu crime, mas isso a Lulu não contou para a audiência. Pela forma como o episódio foi construído parece estar tentando insinuar que Ginko matou a mãe de Kureha. No meio do episódio a diretora até mesmo diz a Kureha que a ursa que possui a estrela de sua mãe foi quem a assassinou. Claro que pode ser só a Hakonaka tentando fazer a Kureha se afastar da Ginko. Se bem me lembro ela já deu a entender noutro episódio que quer isolar a Kureha.

Discussão