Na quinta semana (que eu erroneamente chamei de sexta no artigo semana passada, mas já corrigi), Garo matou Lara. Agora Kiseijuu matou Tamura. Qual vai ser a vítima da sétima semana? Yurikuma vai matar Lulu, talvez? Quem sabe Junketsu no Maria mate Ezequiel? Esses japoneses não têm piedade do meu coração. Mas pode mandar que eu aguento! Enquanto a história for boa, vou engolir o choro e aplaudir no final! Veja a minha classificação, o que eu aplaudi e o que eu vaiei nos animes dessa semana!

21 – Binan Koukou Chikyuu Bouei-bu Love!, episódio 6

Episódio chato como sempre, agora com um pequeno conflito interno rapidamente resolvido. Para fujoshis esse episódio talvez tenha sido ligeiramente melhor.

20 – Shinmai Maou no Testament, episódio 6

Isso é oficialmente um hentai. E se gosta de hentais, recomendo que pare de assistir e aguarde o lançamento da versão home video, sem as censuras. Do lado da história, bom, os “irmãos” trocaram carícias íntimas e agora estão mais fortes para enfrentar os heróis do vilarejo que vieram matar a Mio. Yuki está entre eles, para acrescentar drama.

19 – Dog Days”, episódios 5 e 6

No quinto episódio eu quase dormi de tédio. O sexto foi um pouco melhor, mostrando a princesa Leo tendo uma luta divertida com um coelhinho apaixonado.

18 – Koufuku Graffiti, episódio 6

Ligeiramente melhor que o anterior, o que ainda é bem chato. Em compensação o ecchi foi muito mais constrangedor. Sério, constrangedor nível duas adolescentes ginasiais nuas chupando picolés derretendo dentro de uma banheira.

17 – Tokyo Ghoul ?A, episódio 6

Leia meu artigo sobre esse episódio.

Mais um episódio chato sobre os inspetores da CCG. O Juzo foi criado por uma ghoul para lutar, aparentemente naquele mesmo lugar onde o Kaneki foi obrigado a lutar na primeira temporada pelo Shu. A Akira odeia o Amon porque ele não estava ao lado do pai dela para salvá-lo. Amon também se odeia pelo mesmo motivo, aparentemente, e por isso passa a noite inteira fazendo flexões na varanda da Akira. Que não poderia perder a chance de chamá-lo de pervertido na manhã seguinte.

16 – Cross Ange, episódio 18

Melhor episódio de Cross Ange nessa temporada de inverno, e foi medíocre. A Jill parece ter um passado traumático como Ange, talvez até mais traumático, e tem um ódio mortal pessoal contra Embryo e por causa disso ela é capaz de qualquer coisa, de sacrificar qualquer pessoa para se vingar, ainda que acredite estar apenas executando o tal Plano Libertus. Tudo bem, se pelo menos os planos e o comportamento dela fossem inteligentes, mas esse não é o caso. Talvez ela tenha mais em comum com Ange do que parece.

15 – Aldnoah.Zero, episódio 18

Batalhas interessantes na Terra e no espaço, mas nada notável. A batalha no espaço foi muito mais importante, já que foi a batalha entre Slaine e Marylcian, onde previsivelmente o primeiro venceu, consolidando sua posição entre os Cavaleiros Orbitais. Com isso seu plano avança para o próximo passo que é casar-se com Asseylum que na verdade é Lemrina e estabelecer um Reino na Terra, independente de Vers. Não sei qual é o objetivo final dele, mas parece um golpe inteligente. Só me pergunto o que a verdadeira Asseylum vai fazer quando despertar e se descobrir “casada” com Slaine. E a propósito, ela despertou ao final do episódio depois de Lemrina quase desligar os equipamentos que a mantém viva mas desistir no último botão. Suponho que a quase morte tenha feito o corpo reagir? E Lemrina talvez seja mais que um poço de mágoas apaixonada pelo Slaine?

14 – Shigatsu wa Kimi no Uso, episódio 17

O episódio foi mais focado na Nagi, que eu não odeio mas não me interesso também, e o Kousei ignora a Kaori que se ele ainda não sabia que está muito mal, a própria já admitiu isso para ele. Coitado do Kousei, é tão traumatizado que pode abandonar a garota que ama no momento em que ela mais precisa só para que ele não se sinta mais machucado. E depois força sua aprendiz a tocar em um festival escolar para impressionar a Kaori. Kousei, você é uma pessoa horrível. Ou talvez horrível seja a noção de saúde mental desse anime que construiu um monstro egoísta como o Kousei. É mais ou menos isso que acontece mesmo quando se ignora um problema psicológico grave achando que apenas amor e boa-vontade já são tratamento suficiente.

13 – Rolling?Girls, episódio 6

Conclusão do arco Aichi-Mie (ou Mie-Aichi, em respeito ao motivo do conflito nesse arco). No final, se trata de como às vezes, por quaisquer que sejam os motivos, perdemos de vista aquilo que é importante para nós. Divertido e colorido, como de costume.

12 – Death Parade, episódio 6

Leia meu artigo sobre esse episódio.

Ok, a Mayu maluca desse episódio aparece na abertura, então a participaçao dela é mais importante do que parece. Ainda assim esse episódio, apesar de divertido, pareceu tão inconsequente para a história. Quero dizer, o jogo foi estranho, qual o problema do Ginti? Por que tanto mau humor? E as regras foram mudando ao longo do jogo. Talvez os juízes sejam livres para fazer o que raios quiserem. O episódio em si foi bastante divertido, mas mesmo para uma série episódica pareceu muito deslocado. Sequer julgamento houve. O meu julgamento então é esse: foi um episódio muito divertido, mas não foi um bom episódio.

11 – Akatsuki no Yona, episódio 18

Nada demais, um episódio direto mas eficiente. Yona encontra o Dragão Verde, que como esperado se recusa a segui-la e ela diz que tudo bem. No final ela decide que sua trupe emprestará sua força para os piratas contra o pequeno tirano local.

10 – Durarara!!x2 Shou, episódio 6

Leia meu artigo sobre esse episódio.

As coisas são ainda mais emaranhadas. Agora creio que tudo ou quase tudo está ligado por fatos, não apenas por pessoas em comum. Fica mais claro tratar-se de um plano do Izaya, e parece que a ideia dessa vez é isolar o Mikado e ver como e se ele consegue reagir sozinho à gangue de Saitama. As razões de alguns personagens-chave continuam difíceis de entender e ainda parece que o Aoba está correndo por fora – talvez ele acabe ocupando o lugar deixado vago pelo Kida?

9 – JoJo’s Bizarre Adventure – Stardust Crusaders, episódio 30

Uma inimiga magnética e um Joseph Joestar estúpido o bastante para enfiar o dedo em tomadas. Foi bastante engraçado.

8 – Kamisama Hajimemashita II, episódio 6

Nanami fica bolada pelo que o Mikage disse sobre ayakashis manterem um sentimento por muito mais tempo que um humano, porque ela certamente irá morrer antes de Tomoe e está preocupada que ele fique triste por causa dela. A princesa do lago aparece para salvar o dia e acabar com a dúvida no coração de Nanami. Foi uma dúvida justa, mas durou tão pouco tempo e foi tão inconsequente que me pergunto se foi mesmo necessário. De todo modo talvez fosse estranho a Nanami ter um encontro com Mikage e não ficar com essa dúvida. Talvez fosse melhor se os afazeres na reunião em Izumo tivessem sido cortados, a reunião com Mikage antecipada para o meio do episódio e a dúvida de Nanami ocupasse a metade final? Ficou mesmo com cara de encerramento do arco anterior. Enfim, não foi assim, e metade do episódio perdida por causa disso o arco seguinte começa. Um ayakashi pretende dominar os karasutengus do Monte Kurama e usá-los como seu exército particular e oferece esse feito como prova de lealdade para a causa de Kirihito/Akuraou. Assim, Kurama depois de muito tempo volta à trama em posição central, e o final emotivo do episódio (com encerramento dedicado ao Kurama) pode ser um mau presságio para o corvo.

7 – Assassination Classroom, episódio 5

Leia meu artigo sobre esse episódio.

Um episódio divertido (graças em grande parte à aluna ajudada da vez) e onde o sistema da escola é revelado um pouco melhor. Sistema esse que já planeja o primeiro obstáculo ao professor salvador.

6 – Sanzoku no Musume Ronja, episódio 19

Não era folha de salgueiro, era esfágno (uma briófita). Chutei salgueiro antes porque a folha parecia (pelo menos naquele episódio) e não conheço quase nada de fitoterápicos então fui pelo mais famoso. Na legenda que eu assisti traduziram como “musgo seco” mas isso pode ser muita coisa, então prestei atenção no que a Ronja falou e entendi: mizukoke. Usei o super google translator para conseguir a escrita em japonês disso e pesquisei: esfágno. Mas bem, sobre o que realmente importa… eu gostei do episódio. Já sabia que eles brigariam por causa da perda da faca, só não pensei que seria uma briga tão feia. Mas faz sentido, eles são crianças. Quando criança eu brigava assim também, falava todas as maiores bobagens do mundo quando brigava com algum amigo meu. Que criança não faz isso? Infelizmente muitos adultos continuam fazendo isso. E fez mais sentido ainda que tenham feito às pazes naturalmente, sem que qualquer um deles tenha sequer precisado pedir desculpas. Crianças não pedem desculpas, afinal.

5 – Junketsu no Maria, episódio 6

Leia meu artigo sobre esse episódio.

Muitas coisas acontecem por trás das cenas da guerra, e é tudo basicamente planejado pelo monge e agora bispo Bernard. Galfa é escalado para ser um potencial assassino da Maria caso ela continue suas bruxarias após a guerra e os franceses encurralam tropas inglesas que estavam se retirando após sucessivas intervenções de Maria (a pedido de Joseph, que apenas carregava as vontades de Bernard). Algumas outras coisas importantes aconteceram também, nesse competente episódio que colocou Maria, Joseph e Ezequiel contra a parede, em um teste de suas convicções.

4 – Yoru no Yatterman, episódio 6

Finalmente a Doronjo, depois de desentendimento e desencontro com o resto de sua gangue que quase custou a vida do Galina, entendeu a extensão do mal causado pelos Yattermen e decidiu que apenas dar um peteleco não é suficiente: os Yattermen precisam ser derrotados. Mas o que diabos a lavanda significa na linguagem das flores? O anime não conta e pesquisando online encontrei desde desconfiança até felicidade, então acho que estou longe de encontrar uma resposta decente.

3 – Yurikuma Arashi, episódio 6

Leia meu artigo sobre esse episódio.

A fábula do livro incompleto escrito pela mãe da Kureha provavelmente é um presságio para a desenvolvimento da relação entre Ginko e Kureha. Um episódio muito bom onde as personagens principais abandonam seu egoísmo e começam a amar sem pedir nada em troca.

2 – Garo: Honoo no Kokuin, episódio 18

O fim do arco do retorno de Leon. Se despedindo de Lara ele teve que confrontar seu próprio horror interno, e tudo indica que venceu. Depois disso Leon vai ao encontro de Alfonso para reinvidicar Garo de volta, o que ele consegue com uma luta bastante movimentada, muito bem coreografada e bonita de se ver. Enquanto isso, German tem sua própria despedida emocionada de Ximena. No final, Leon e Alfonso, como Garo e Gaia, derrotam juntos um horror para marcar definitivamente o retorno de Garo e German encontra os dois logo depois para avisá-los de sua próxima missão: trabalhar junto com Mendoza. Meu chute? German tem tanto motivo para odiar Mendoza quanto Leon, senão mais, trabalhar junto com ele pode se revelar impossível, especialmente se Mendoza provocá-lo. German pode acabar corrompido e caberá a Leon derrotá-lo.

1 – Kiseijuu, episódio 18

Leia meu artigo sobre esse episódio.

Tamura pode ter sido parasita um dia, mas ela morreu como uma humana nesse episódio. Mais humana do que a vasta maioria dos humanos que já apareceram em Kiseijuu até agora – eu acho que não estaria exagerando se dissesse que ela foi a mais humana do anime inteiro até agora. Está vendo, Shinichi? Esse é o caminho. Ser um parasita não significa não ser humano.

Discussão