Que anime deliciosamente previsível! Aconteceu tudo o que eu já havia dito que aconteceria antes mesmo desse arco se anunciar: a Kumiko descobriu os verdadeiros sentimentos de sua irmã, descobriu a verdade sobre a Asuka, e através dos paralelos entre as duas histórias foi capaz de salvar a veterana.

Euphonium não poderia ser mais óbvio nem se quisesse. O anime não é sutil. Mas ele não é expositivo, não é vocal, então ainda depende da atenção do espectador perceber ou não o que está acontecendo – e com um pouco mais de atenção, calcular o que vai acontecer. Se está acompanhando meus artigos deve se lembrar que eu  já havia escrito que o último conflito antes da apresentação final seria entre a Reina e a Kumiko, e seu estopim seria a Reina descobrir a verdade sobre o professor Taki. Esse conflito foi cuidadosamente construído nos intervalos do enredo do arco que se encerra nesses três episódios. O final do décimo episódio não deixa dúvidas. E eu ainda não assisti, mas já li que é exatamente disso que se trata o episódio onze.

Não é preciso ser profeta ou mago para perceber tudo isso. Basta ser bom observador e saber fazer as contas. A beleza de Euphonium está em seu enredo cuidadosamente calculado. Matematicamente calculado.

É claro que a resposta é 21!

É claro que a resposta é 21!

Piadas à parte, a imagem acima compõe uma cena típica de Euphonium: Kumiko está a se perguntar porque raios a Asuka está mentindo para os outros e, principalmente, porque ela está mentindo para si mesma. O que a faz se segurar? O que a faz desistir de seu maior sonho? Justo ela, a poderosa Asuka? A egoísta Asuka? A incrível Asuka? A Kumiko pensa nisso enquanto resolve distraída uma equação que seu professor passou. “Resolvam esse problema”, ele diz. E a Kumiko está pensando em outros problemas. A aula acaba e ela chega na resposta – nas duas respostas. Ela somou um mais um (ou vinte mais um, hehe), pensando em como ela sempre achou sua irmã incrível também e então entendeu tudo. Como Mamiko, a Asuka não é incrível. Ela só parece incrível, ou especial como todos da banda gostam de dizer. Ela só está se esforçando demais, tanto que perde de vista seus sonhos, a própria razão pela qual ela se esforça em primeiro lugar.

Por qual razão perdemos nossos sonhos de vista às vezes exatamente quando começamos e ter uma vista deles, distante, desfocada, indistinguível, mas contato visual ainda assim? Mamiko e Asuka podem nos ensinar um pouco sobre isso. Premidos pelas circunstâncias de nosso próprio sucesso assumimos mais e mais responsabilidades – tudo para que possamos continuar no caminho de nosso sonho. Mas daí, inebriados por elogios, ou pressionados por cobranças, ou equivocados com um falso senso de infalibilidade, ou esmagados pelo excesso de responsabilidades, ou qualquer outra coisa, perdemos de vista aquilo que é mais importante.

E eu sei bem disso. O Anime21 sabe disso, né. O blog cresceu tanto nessa temporada, a equipe cresceu, as parcerias cresceram, começamos a ter membros focados em tarefas específicas, parecia que agora nada mais parava a gente. Isso significou, claro, que eu, adivinhe só, assumi um monte de outras responsabilidades administrativas, além de continuar escrevendo meus artigos. Se já é meu leitor há algum tempo sabe que meu último artigo antes desse foi há semanas. Se é meu leitor há mais tempo ainda, sabe que eu não publicava uma vez a cada semanas. Não publicava uma vez por semana. Eu publicava todo dia! Foi isso, em primeiro lugar, que trouxe o Anime21 até aqui. Talvez eu não consiga mais publicar todo dia, isso eu ainda vou ter que ver, mas absolutamente não posso deixar de priorizar o conteúdo do blog. Ele é o nosso bem mais valioso. Mais do que propagandas, mais do que parceiros, é pelo conteúdo que você, querido leitor ou leitora, está aqui. Obrigado. E desculpe por tê-lo perdido de vista ultimamente – isso não vai mais se repetir. Felizmente eu tive minha própria “Kumiko” pra me fazer perceber isso e agora estou de volta aonde eu nunca deveria ter saído.

Acho que colocar um parágrafo inteiro com um tema pessoal (e um parágrafo enorme) no meio do artigo foi um pouco impróprio, não foi? Bom, pelo menos eu me ative ao tema do anime, então menos pior? Hehe. A Kumiko deu um grande passo nesse episódio. Se a Asuka disse que ela deu, ela deu, não é? Como eu já cansei de dizer, nada é à toa em Euphonium. Ela deixou de ser uma observadora que por acaso sempre estava no lugar certo, na hora certa, e quase sem querer dizia o que precisava ser dito, para buscar ativamente resolver os problemas. Ela ainda não sabe como fazer isso, deu para perceber como ela não tinha a menor ideia do que dizer para a Asuka, as coisas apenas deram certo, mas ela tentou. E a partir de agora ela deve tentar mais vezes. Quero dizer, mais uma vez, né? O que resta além da crise da Reina?

E é importante que ela tenha mudado, afinal a Reina é uma garota bastante fechada, a Kumiko jamais conseguiria se aproximar apenas esgueirando-se ao redor de outra forma. Como a Kumiko era antes ela apenas ficaria de longe esperando por uma oportunidade que jamais viria. E no final talvez dissesse que não tinha como terminar de outra forma, que aquele resultado trágico era apenas o esperado. Exatamente como ela fez ao final do concurso de bandas escolares do qual participou quando no ginásio, quando disse aquelas palavras que feriram profundamente a Reina. Sim, o anime está retomando temas desde o seu começo, porque é assim que seu enredo funciona: previsível. Mas agora a Kumiko está mudada, irá atrás da Reina e sua mudança irá inspirar a amiga – pode escrever, essa é a minha próxima previsão, hehe.

E então o concurso de bandas será apenas a grande festa de sagração desse que é, a essa altura não tenho mais dúvidas, o melhor anime de 2016 e um dos melhores que assisto há anos. Mal posso conter minha excitação para esses últimos episódios, e você?

Euphonium não é sutil. Olhe esse close-up (que apareceu mais de uma vez) e responda: qual é a frase que você lê imediatamente?

Euphonium não é sutil. Olhe esse close-up (que apareceu mais de uma vez) e responda: qual é a frase que você lê imediatamente?

Discussão