Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Bom dia!

O Café com Anime é um bate-papo descontraído sobre animes da temporada entre mim e meus colegas Gato de Ulthar, do Dissidência PopVinícius, do Finisgeekis, e Diego, do É Só Um Desenho.

Continue lendo para ver como foi a conversa da semana sobre o Animegataris, episódio 9!

Curta o anime21 no facebook:

Fábio "Mexicano":
Episódio muito louco – literalmente. Gostei bastante das piadas-referências com a escola virando um hospício, mas não é que esse plot do “Clube de Animes ser fechado” sempre piora tudo? E olha que nem precisava ter sido assim dessa vez. Dinheiro por fora? Que importa, olha o que fizeram com o resto da escola! Isso deveria ser motivo suficiente – mas claro que não teria rendido uma “traição” daí, né?
Diego:
Acho que foi um dos episódios mais engraçados até aqui, sobretudo pelas caras da Minoa conforme a escola inteira ia pirando kkkkk! O plot do fechamento do clube tá tão overused que até os personagens já cansaram, lol (mas o anime vai fazê-lo de novo mesmo assim… boa piada, má ideia…). E sobre a traição do Nakano… Olha, vou dizer que sempre achei ele o personagem mais “artificial” do anime, mesmo considerando a feira de tropes que são o elenco dessa série. Eu achava que isso era só por ele ser o “playboy”, um arquétipo que naturalmente tende a ser mais “artificial” em sua forma de agir, e quando muito esperava que ele talvez se revelasse mais obsessivo com animes do que parecia. Ponto é, não esperava que ele fosse trair o pessoal, mas agora que a traição veio ela não me parece fora do personagem, mesmo que o timing seja estranho.
Fábio "Mexicano":
Até para ser traidor você precisa de algum desenvolvimento. A essa altura, sinto que a amiga atleta da Minoa daria uma traidora melhor que o Nakano.

A ausência de qualquer evidência não é, em si, boa evidência de que ele seja diferente dos demais, ou deslocado. O anime só não deu foco nenhum nele.

Diego:
Nisso eu vou ter de discordar, eu acho que o anime deu sim algum foco nele. Tudo bem, o Nakano não teve ainda um episódio para si, como a Erika, por exemplo. Mas ele ainda é um personagem sempre presente, inclusive sempre tendo algo a dizer. E francamente falando, toda vez que ele abre a boca parece artificial, como se estivesse apenas usando a máscara de bom moço. Como eu disse, achava que isso era só do arquétipo do personagem (que playboy bishounen soa normal ou verdadeiro, afinal?), mas agora pelo visto ele só estava fingindo mesmo – ou não, vai que logo descobrimos que ele ser do mal é o fingimento, e na verdade ele sabe mais do que todo mundo e está tentando proteger a todos de algo, ou coisa do tipo.
Gato de Ulthar:
Bom, vejamos. Sem dúvidas esse foi o episódio mais louco de todos. Toda a escola simplesmente surtou com as influências dos animes de esporte. Ficou bem legal a piada geral de que os animes de esportes são exagerados e cheios de “super-poderes” e sua consequente enxurrada de referências. Também a parte instrutiva sobre uma festa de encerramento de um anime ficou muito lúdica como sempre.

Mas o melhor, ou pior? A cereja do bolo foi justamente a revelação dobre o Nakano.

Ele sempre foi esquisito? Sim, ele foi. Só que comungo com o Diego, eu pensava que esse ar forçado e de bom moço fazia parte de seu arquétipo de bishounen popular do colégio. A risada maligna do Nakano no final do episódio, ao melhor estilo vilão de pastiche de novela da Globo…

Vinícius Marino:
Animegataris é um prato de primeira que fica tempo demais no balcão do restaurante. Poderia ser gostoso, mas quando chega à nossa mesa, já ficou frio.

Por um lado, amei ver que o episódio seguiu os meus planos no nosso roleplay: decidiu “animezar” a escola. Perfeita execução, referências, piadas engraçadas. Ótimo uso do humor visual.

Então nos joga um conflito batido, um vilão mal-desenhado (em todos os sentidos) e uma traição que ninguém esperava ou precisava.

Não vou nem falar da plausibilidade do Nakano como traidor. Não consigo entender o que o teria motivado a fazer isso – sobretudo, nesse momento. Se fosse para vê-las fracassar, ele poderia ter sabotado o projeto em qualquer momento. Mas a própria “desculpa” que inventaram para fechar o clube é espúria. Doação ilícita? Por favor! É só o sensei dizer que foi um pagamento pessoal a ele – e que o VHD que comprou, um “empréstimo” ao clube. Mafiosos se livram de denúncias de lavagem de dinheiro com muito menos!

Isso sem falar da misteriosa emissora de TV que PAGA as pessoas para aparecer na telinha. Hello? No planeta onde eu vivo, são as pessoas que pagam para ser promovidas na TV, não o contrário.

Um figurão do mundo do entretenimento uma vez disse que “as pessoas acreditam no impossível, mas não no improvável”. Animegataris é a maior evidência disso. As botas de mecha da Yui me insultam menos que esse plot zoado.

Fábio "Mexicano":
Mudando de metáfora culinária para especulação sobre o processo criativo, sinto que é como se os criadores de Animegataris tivessem uma série de eventos traçados mentalmente desde o começo e que, bem ou mal, precisam seguir. A cada episódio eles fazem loucos brainstorms e pensam em várias coisas legais, e depois de fechado o que vai ser o episódio, eles olham na timeline de eventos que eles precisam cumprir, sacam o próximo, e o enxertam ali de qualquer jeito.
Vinícius Marino:
Eu realmente acho que o anime teria ganhado mais se adotasse uma estrutura mais fragmentada, à la Umaru-Chan. As esquetes desse episódio foram fortíssimas. Se fizessem um anime só com partidas de Go-Volley e pastiches de Super Campeões seria um sucesso matador.

Não estou desmerecendo: é sim possível fazer comédia de qualidade com capítulos longos. Mas os roteiristas de Animegataris não parecem estar à altura da tarefa.

Fábio "Mexicano":
Tem gente falando aí que realmente acha que o Nakano tinha “pinta de traidor”. Do ponto de vista do personagem e do ponto de vista da narrativa, comentem um pouco mais sobre a coisa mais irritante do episódio ☺️
Diego:
Não sei se tem muito mais o que comentar. A traição foi inesperada, mas se havia um personagem que poderia fazê-la ele seria o Nakano. Era necessária? Francamente, eu duvido muito, podiam facilmente ter feito o professor aceitar o dinheiro de cara, talvez na ignorância da regra, e o resultado final seria o exato mesmo. Ter um traidor é um trope comum nos animes, então talvez seja o porquê de isso estar aqui, mas convenhamos que é um motivo bem fraco – mesmo pra Animegataris
Gato de Ulthar:
Pinta de traidor? Digo e repito, ele tinha é pinta de personagem “se achão” bishounen genérico. Algo meio ambíguo, mas traidor? Acho que não. Sem dúvidas escolheram o único personagem possível que combinaria minimamente com um vilão. Não vejo nenhum dos outros membros como possíveis traidores. Mas ficou forçado mesmo assim. Animegataris fica apelando a estes subterfúgios muito irritantes. Eu ficaria mais feliz se a vilã ao final fosse a própria Minoa, ou na verdade uma irmã gêmea separada no nascimento e que eventualmente troca de lugar com a Minoa verdadeira. Ou algo do gênero.
Fábio "Mexicano":
Ou o Gato! (Não você, Gato, o Neko-senpai!) Ele é suspeitíssimo, na minha opinião, LOL
Vinícius Marino:
Se o anime tivesse apresentado um conflito interno maior, eu até compraria a lorota da traição. I.e. Nakano não gostou dos rumos do clube e quis fazer seu próprio grupo de estudos, do jeito “certo”. Mas não há faccionalismo nenhum entre eles! É como o Diego disse: um cliché pelo cliché. Esse é o buraco onde séries meta vão para morrer
Fábio "Mexicano":
E isso nem precisaria ter sido explícito. Sutis demonstrações de contrariedade em momentos de decisão teriam bastado. A gente poderia sacar um screenshot e falar “tá vendo a cara que ele fez naquela hora? foi por isso!”. De todo modo, a traição dele parece do tipo premeditada, e não por vingança. Como se ele tivesse entrado no clube desde o começo para fechá-lo – o que faz menos sentido ainda, já que sem membros suficientes o clube sequer teria sido aberto em primeiro lugar.
Vinícius Marino:
Exato! E se ele tivesse saído no meio, provavelmente teriam fechado por falta de quórum. Se ele ficasse puto em qualquer momento, era só questão de dar as costas!
Gato de Ulthar:
Resumindo o que todo mundo já disse. A traição do Nakano foi despropositada até para um anime como Animegataris. Se o episódio fosse resumido ao caos que o clube de anime causou no colégio, teria sido um episódio memorável, pura comédia “nonsense” ao melhor estilo Nichijou e outros animes do gênero.
Fábio "Mexicano":
Apesar de tudo o que apontamos como defeitos aqui, acredito que mais gostamos do que desgostamos do episódio, não foi? Então vamos tentar desfazer essa impressão: o que mais gostarem nesse episódio de Animegataris?
Gato de Ulthar:
O caos no colégio, sem dúvidas foi a melhor coisa no episódio. Foi insano mas foi bom de se ver a loucura generalizada causado pelos conselhos do clube de animes.
Diego:
Eu gosto de como a Minoa parece a única pessoa sã nessa loucura toda kkkkk! As caras dela vendo o pessoal agindo como personagem de anime conseguiram me arrancar umas boas risadas aqui e ali
Vinícius Marino:
Go-volley hoje. Go-volley amanhã. Go-volley sempre.
Fábio "Mexicano":
Bom, se boxe-xadrez é um esporte real, por que não? 😃
Fábio "Mexicano":
Agora sim para encerrar: pessoas do seu clube anime, ou por influência dele, começam a ficar … fissuradas demais. Começam a agir como personagens de anime, falar como personagens de anime, fazer coisas de anime – todo mundo já deve ter visto alguém assim. É constrangedor. Só que talvez a culpa dessa vez seja sua… o que você faz?
Diego:
Dar um tapa na cara da pessoa enquanto grita “volta a ser gente, po***!” é uma opção? 😃 Se não, acho que eu apenas tentaria conversar com a pessoa e dizer que ela está sendo um tanto quanto… exagerada em sua paixão pelos animes
Gato de Ulthar:
Orientar a procurar tratamento psicológico? No mais, faria como o Diego, tentaria convencer a pessoa do fato que ela está sendo temerária.
Vinícius Marino:
No terceiro colegial eu e meus amigos inventamos um buldogue imaginário chamado Bismarck com quem ficávamos brincando no meio da aula. Não tenho moral nenhuma para chamar os outros de estranhos. Deixaria eles aloprarem a vontade 😃
Fábio "Mexicano":
Melhor resposta 😃 E melhor nome para um cachorro imaginário. Ele latia em alemão? 😛
Vinícius Marino:
Acho que ele nunca chegou a latir. Era um cachorro super comportado. Como é esperado de um buldogue inglês puro sangue 😀
Fábio "Mexicano":
HAHAHAHAHAHAHA, ok, ok, depois dessa, só encerrando mesmo! Até semana que vem!

Comentários