Se Just Because! fosse bom não seria Just Because! porque Just Because! é maravilhoso!

Deixando a redundância de lado esse penúltimo episódio foi um bom momento de transição entre um ponto importante da história e seu momento derradeiro, os resultados do concurso e dos exames de admissão, os quais vão servir para motivar os personagens a pôr as cartas na mesa uns com os outros, declarando seus sentimentos para tentar chegar a um objetivo em comum: a tão almejada felicidade.

Continuando a sua máxima de manter verossimilhança em diálogos e ações, cenários e expressões, o anime nos mostra uma forma bem realista de se lidar com o nervosismo e a expectativa antes de um momento importante, nos entregando em sua primeira parte conversas equilibradas entre jovens que ainda vão lançar mão de sua sorte e jovens com o futuro já pavimentado em encontros normais ou casuais que destrincharam bem as pequenas nuances do enredo que foi trabalhado até então.

O sorriso com o qual eu mais me importo e que mais quero proteger nesse fim de ano! ❤

Após vários episódios em que o ritmo foi ditado pela dinâmica Eita-Komiya, dessa vez o foco foi no casal Eita-Natsume, no garoto que após receber o resultado do seu teste de admissão vai se declarar para a garota a qual ele sempre amou, essa que fará o mesmo e surpreenderá aquele que ela descobriu amar com a convivência, após tantas demonstrações de carinho e afeto que ele teve para com ela. Definir um momento chave como um divisor de águas na relação dos dois é algo romântico e juvenil e não deixa de ser uma opção realista, tanto por levar em consideração as dificuldades que ambos já demonstraram ter para confessar os seus sentimentos diretamente – a Natsume nunca se confessou para o Haruto mesmo após anos e o mesmo vale para o Eita com ela –, quanto por entender a necessidade narrativa desse momento dentro do formato de um anime de 12 episódios.

A produção foi feliz ao tornar esse episódio mais plano – até de certa forma nostálgico? –, mostrando ao menos um pouquinho de cada núcleo, dando uma visão geral de como cada um deve acabar no final do anime. Outro sinal de inteligência foi justamente simplificar a problemática da obra, não buscando conflitos em demasia – como ocorre muito em shoujos, que são romances bastante idealizados –, mas definindo um ponto em que um casal terá que se acertar – na verdade um triângulo – depois das coisas já terem se acertado entre o outro casal que dividia o protagonismo – mas que era meio secundário, vale dizer – por entender que esse último não precisava de – e não faria sentido ter – um final romântico normal em que os dois namoram e são “felizes sara sempre.”

Você sabe que tem uma irmã legal quando ela te zoa na frente do crush!

Se por um lado com o Haruto e a Horikawa Just Because! foi pé no chão – e até um tanto incomum para animes do tipo –, por outro com o Eita e a Natsume – e a Komiya também – o anime foi mais na linha do que já se esperava dele. O seu diferencial foi ter amarrado bem todas as pontas e ter trabalhando um carisma pungente na personagem que deve acabar sendo rejeitada no final, fazendo com que o público sinta um gosto amargo no fim – o que é condizente por essa obra ter sido “vendida” como um drama – sem deixar de se sentir feliz pelo casal que deve acabar ficando junto.

Seria leviano subestimar o drama e o romance desse anime, mas acho que seria ainda pior aumentar a proporção dele, o que acabaria resultando em um melodrama forçado e que fugiria do normal para o povo japonês – que é muito reservado e costuma ter dificuldade de se expressar romanticamente.

Exageros “para mais” ou “para menos” não foram um erro dessa obra, o que podemos ver bem em sua segunda parte, tanto na hora do exame – foi normal e até legal terem usado diálogos anteriores para evidenciar o que estava em jogo para os personagens – quanto no período pré-exame – na hora de combinar de sair juntos para comemorar e se divertir – e no período pós-exame – por mais que estivessem ansiosos eles já sabiam quando teriam os resultados, então só os restava esperar mesmo.

Foi mantendo esse equilíbrio e após ter construído toda a base para que compreendêssemos quem são esses personagens, o que eles querem e o quanto eles se esforçarem para conseguir isso, que o anime entrega o que todos esperavam – e que após tantas horas de estudos e tantas ótimas fotografias me pareceu merecido –, a realização dos objetivos de seus personagens centrais, tanto a aprovação nos exames de admissão quanto a vitória no concurso de fotografia para salvar o clube.

Sem precisar de uma trilha sonora espalhafatosa ou de arroubos emocionais, foi através de sorrisos, olhares e suspiros que entendemos que deu tudo certo; e que no próximo e derradeiro episódio o que restou para nós foi acompanhar esses personagens pondo todos os seus sentimentos para fora, chegando a um ponto em que serão recompensados e poderão finalmente dizer que estão felizes?

É o que espero e pelo que torço, e vendo a forma como a produção do anime consegue tornar o romance na vida cotidiana algo tão interessante e animador de se acompanhar, não duvido que aconteça. Acho que isso se deve muito ao apego aos detalhes que ela tem e a sua constante busca pelo equilíbrio entre a forma e o conteúdo, não pendendo completamente para o clichê manjado ao entender que dá sim para ter resoluções “clichês” muito boas se o processo para se chegar a elas for feito de forma autêntica, atribuindo significado ao que foi trabalhado ao longo de toda a história.

Por fim, me pergunto se o Eita ter passado na antiga escolha da Natsume vai implicar que eles tenham que estudar em faculdades diferentes ou dá para ele optar pela primeira escolha dele – já que a Natsume não prestou o exame para a primeira opção dela, né – e eles ficarem juntos. Qualquer que seja a resolução para isso, espero que ela seja verossímil e que renda sim um momento tocante e belo entre duas pessoas que se amam, sem esquecer de dar um tempo de tela razoável para a Komiya, para vermos ela confessando seus sentimentos, salvando seu clube e encontrando felicidade mesmo sem ter ficado com o garoto pelo qual ela se apaixonou. Nós precisamos disso e reservar o último episódio para dar o fechamento que o anime merece foi uma boa escolha para Just Because!

Fico por aqui agora, nos vemos no clímax dessa obra tão linda e cativante que para mim já se consolidou como o melhor anime de romance do ano. Vai que é tua Just Because!, ser lindo na vida!

  1. Eu peguei um “ranço” tão grande pela Natsume q até me dá raiva saber q no final ela vai ficar com o Eita, eu realmente queria que ele ficasse com a Komiya seria bem quebra clichê, ou não né, espero que a Komiya ache alguém melhor BEM MELHOR, MUITO MELHOR Q O EITA E Q O EITA FIQUE COM A OUTRA E MORRA COM ELA GRR, (sim, eu sei q são personagens, mas é mto estressante ver o rumo q esse anime tá tomando, o jeito p mim é ficar mais no casal Morikawa e Soma)

Discussão