Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Se você saboreou os pratos, digo, temporadas anteriores de Shokugeki no Souma, certamente ficou com vontade de conferir o terceiro prato. Mesmo que Ni no Sara termine sem puxar nenhum gancho específico, sempre é bom voltar para o universo do anime, que não foca somente em preparar pratos, como no próprio slice of life.

Curta o anime21 no facebook:

Esta terceira temporada segue o mesmo estilo das anteriores, incluindo o ritmo acelerado se tratando de um shonen. Ao invés de ficar enrolando em um arco, o anime consegue lidar com eles de forma bem dinâmica, sempre introduzindo novos elementos para a trama. Neste caso, um deles é a introdução de novos personagens, que fazem parte da Elite dos Dez. A própria temporada teve uma forte divulgação em cima desse tema, então pode ter certeza que eles estão presentes.

Você pode esperar personagens carismáticos, até mesmo entre os desafiantes. O anime consegue humanizar todos eles de forma semelhante ao que acontece em Akame ga Kill. Por outro lado, nesta temporada de Shokugeki no Souma temos um inimigo de verdade pela primeira vez, então se prepare para odiar um personagem dessa franquia como nunca aconteceu antes. Enquanto nas temporadas anteriores o maior risco estava nos Shokugekis, San no Sara vai além disso, criando uma ameaça em potencial para todos da Academia Tootsuki.

Se por um lado somos apresentados a novos personagens, não pense que os antigos ficam de lado. Reencontramos velhos amigos, e entre eles, inimigos que viraram amigos. Uma das que mais recebe destaque é Erina, onde conhecemos melhor sua família. A temporada basicamente gira em torno da personagem, então é o momento de conhecermos seu passado, assim como de onde surgiu a fama de “Língua de Deus”.

O que também não poderia faltar são Shokugekis, até porque ele está presente no título do anime. Eles contam com pratos que seguem o nível dos anteriores, rivais que criam dinâmicas interessantes, assim como muito fan-service. A maior parte desses desafios são protagonizados por Souma, que finalmente encontra um adversário à altura. Por outro lado, esta é uma das temporadas em que menos vemos os coadjuvantes em Shokugekis. Isso pode ser visto de forma positiva por uns e negativa por outros, mas certamente deixa mais evidente o protagonismo de Souma.

Dessa vez, existe uma grande discussão sobre culinária de alta classe e o menosprezo por restaurantes populares, como o da família de Souma. Esta é a chance que o personagem tem de mostrar seu verdadeiro valor, através de pratos inventivos e fazendo com que seus adversários provem a qualidade de suas criações.

O que também se destaca na temporada é a questão lúdica, exagerada e “shonen” do anime. Cá entre nós, se Shokugeki no Souma não tivesse nada disso, seria um anime bem chato. É por isso que esses elementos ganham um maior investimento, tornando os duelos ainda mais interessantes, ao mesmo tempo que conhecemos sobre o modo de preparo e até mesmo a origem das culinárias que nos são apresentadas. Os desafios estão ainda mais com cara de confrontos de animes shonen, além dos personagens serem tratados como tal. A própria primeira cadeira da Elite dos Dez é comparado a um cavaleiro diversas vezes.

É difícil dizer se esta é a melhor temporada de Shokugeki no Souma, mas certamente reúne tudo que deu certo nas anteriores. Vale a pena conhecer todos os novos personagens e acompanhar os novos arcos, que tem muito o que acrescentar à história. San no Sara é um prato divertido e empolgante, com recheio de rivalidade e cobertura de fan-service.

Comentários