Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

O maior pecado que vou admitir nessa resenha – e pelo qual agora me arrependo – é o de ainda não ter lido nada do Mestre Go Nagai. Devilman é uma de suas obras mais cultuadas, um mangá de 5 volumes que já ganhou série de TV nos anos 70 e vários spin-offs, remakes e até crossovers tanto em mangá quanto em anime. Há um filme live-action também, mas agora não é hora nem lugar de falar dele e sim de Devilman: Crybaby, aposta da Netflix para comemorar os 50 anos de carreira do autor e aumentar cada vez mais a influência da plataforma no mercado de animes e para com o seu público.

E o que é Devilman: Crybaby? Uma releitura que segue premissa, usa personagens e tenta emular a essência do original aplicando-a nos dias de hoje. Ele consegue? Sem sombra de dúvidas, pois mesmo tendo seus defeitos é bem-sucedido em propor uma reflexão sobre o que é ser humano, sobre o que é o mal e sobre o que é o amor. Além de trazer à tona debates interessantes a produção é de altíssima qualidade e faz jus a uma obra respeitada, influente e aclamada de quase meio século.

Leia também sobre os outros lançamentos Netflix da temporada:

“Com o mundo em caos após o despertar dos demônios, um emotivo garoto-demônio e seu amigo misterioso embarcam em uma violenta batalha contra o mal.”

Não dizem que tudo o que começa bem acaba bem? Então…

É com essa simples e genérica sinopse que um telespectador de primeira viagem ou alguém que já teve contanto anteriormente com a obra é apresentado a essa adaptação, o que felizmente é aprofundado ao longo de 10 episódios com média de 25 minutos cada. Um tempo razoável para contar uma intrigante história com começo, meio e fim – sobre os quais falarei mais agora.

O anime começa nos apresentado ao emotivo e frágil Akira Fudou, garoto que vive há dez anos com a família da melhor amiga da sua mãe já que seus pais viajam pelo mundo ajudando as pessoas. Logo somos melhor apresentados a Ryou Asuka, seu amigo de infância e aquele que o envolve em uma macabra trama cheia de violência e tragédias ao convidá-lo para investigar uma festa que tem o propósito de invocar demônios – seres sem corpo próprio que habitam a terra e possuem aqueles que se entregam ao pecado e ao ódio. É nesse primeiro contanto com os demônios que Akira se funde a um poderoso demônio chamado Amon e obtém seus poderes e seu corpo demoníaco enquanto mantem um coração humano, e a partir daí começa sua jornada sob o nome de Devilman.

Eis com vocês: DEVILMAN!!!

Isso é tudo o que ocorre no primeiro episódio, o que já aprofunda a rasa sinopse dada pela Netflix e causa uma boa primeira impressão por apresentar uma animação diferenciada, uma ótima trilha sonora e muita violência e cenas com teor sexual – o que faz sentido dado o contexto. O que mais parece fora de lugar é justamente o motivo do Ryou chamar o amigo para investigar os demônios.

Ryou Asuka mesmo tão jovem já é um pesquisador rico e renomado que poderia muito bem ter procurado outras formas de buscar informação e não envolver o amigo na história. Algo parece muito errado nessa situação, mas esse é o típico mistério que fica para ser esclarecido perto do fim.

Após se tornar Devilman o jovem Akira vai para a escola como se nada tivesse acontecido, mas a verdade é que as suas mudanças de aparência e atitude – além de condicionamento físico – são tão gritantes que fica até difícil achar que se trata da mesma pessoa, o que considero um problema pela forma como as pessoas em volta dele aceitam isso. Elas reparam que ele está completamente diferente e que corre de uma forma praticamente sobre-humana, mas nem mesmo aqueles que fazem parte do seu círculo familiar procuram descobrir a fundo a causa disso. Acho que as pessoas próximas a ele aceitaram bem demais essa situação e some a isso o uso excessivo de conteúdo com teor sexual – sei que a obra não é para crianças e que a nudez e o sexo farão parte de toda ela, mas tem horas que isso ficou tão gratuito na tela que chegou a ser bobo – e o segundo episódio dá uma decaída em comparação ao primeiro. Em compensação, ele termina de uma forma bem interessante.

Até agora eu estou me perguntando qual era a necessidade dessa cena…

Antes de falar disso acho importante comentar como já nesse comecinho demônios são introduzidos a história, assim como humanos vão sendo trabalhados, como as duas Mikis – a bruxa e a que se masturba. Uma é a garota modelo – inteligente, simpática, bonita e atlética – enquanto a outra fica “na sombra” por ter o mesmo nome da amiga, mas não ser tão boa quanto ela. O que pode se tirar disso é bem interessante – como comentarei mais para frente. Outra coisa que me chamou atenção foi a referência ao anime de Devilman nesse anime, o que ou você pode considerar fanservice ou só achar engraçado, mas é impossível falar que eles não foram avisados, se é que me entendem.

A história chega ao seu terceiro episódio colocando a identidade secreta do Akira em perigo enquanto mostra um pouco mais do demônio que deseja o Amon e a Miki fazendo uma coisa que muito me incomodou. É sério que tem previsão de chuva e ela vai para o estúdio do cara que está assediando ela toda hora sem guarda-chuva e com uma roupa leve e ainda por cima toma banho lá? Adorei a personagem e achei ela bem escrita quase o tempo todo, mas nessa hora só pude achar a atitude dela estúpida e a justificativa para ela dar bola para o cara – ele ter pais divorciados e ser pobre, apesar de trabalhar num estúdio que é praticamente uma mansão – pior ainda. É sério que por ser “pobre coitado” ela ia dar atenção a ele sabendo que ele só queria tirar fotos dela nua para espalhar por aí? Dava para chegar a cena da banheira e a possessão dela de uma forma bem menos escrota, mas se por um lado isso foi forçado e idiota pelo outro o que veio disso foi ótimo.

Pela primeira vez o Akira confronta o Ryou e não aceita o que ele diz ao proteger a Miki, tentando seguir a sua máxima de não matar humanos, só demônios. O Ryou não compactua da mesma opinião e mata o fotografo e sua mãe a sangue frio, o que chega a ser “engraçado” porque o Akira tanto insiste na jura de que não vai matar humanos, mas vê o seu amigo matando eles e não faz nada, só se opõe quanto põe em risco a vida da sua família. O ser humano é um ser hipócrita, não é mesmo?

Ótima cena! Só achei uma pena ele ainda continuar sendo “fantoche” do Ryou depois disso…

E não, isso não é uma crítica negativa ao personagem ou a forma como a história é conduzida, pelo contrário, já que esse tipo de atitude demonstra a dependência que o Akira tem pelo Ryou e como ele é “humano”. Ao ser contraditório já que prioriza a vida de um familiar e a relação com um amigo ao invés da moral e ética as quais se impôs, ele prova que o ser humano sabe ser bem conveniente quando lhe convém, que é muito fácil dizer uma coisa e fazer outra completamente diferente.

A Miki não morre e o que acontece no quarto episódio é uma continuidade de histórias laterais de personagens secundários que vinham sendo trabalhados, o que rende uma ótima cena em que o garoto rapper – aliás, o rap em alguns episódios ficou bem legal, assim como foi adequada a sua ausência nos episódios mais tensos – canta meio que falando com a Mi-ko e então se aproxima dela. Por outro lado, a “dupla dinâmica” vai receber a mãe do protagonista no aeroporto e o que acontece lá é uma das cenas mais bacanas e inteligentes que eu tive o “prazer” de ver nesse anime.

Depois de um rap desses bixo, até eu choraria!

O quão aterrador e angustiante deve ser ouvir da boca da sua mãe “Eu morri!”? É recebendo o peso dessas palavras que o Akira tem que matar o demônio que possuiu seu pai e causou uma carnificina no aeroporto, o que dá um aperto no coração de quem vê isso na tela, pois ao mesmo tempo em que é genial e sublime, é profundamente desagradável e triste de presenciar. Em questão de minutos o garoto não tem mais pai, não tem mais mãe, e se vê chorando as lágrimas que costumava derramar pelos outros. Você pode dizer que não houve tanta profundidade na cena ou na morte deles, mas, se pensarmos bem, os pais desse garoto eram figuras completamente ausentes da sua vida – quase que apenas boas lembranças para ele –, então é normal que até então eles tivessem aparecido muito pouco na história e as suas mortes não tivessem um impacto tão grande. Porém, a forma como tudo ocorre é o que agride o telespectador e faz com que o protagonista sofra – ou devesse sofrer.

Essa cena me impactou bastante e até agora me assombra…

E lá vamos nós para mais algo estranho que ocorre no episódio seguinte, a forma como ele reage a morte dos pais e a forma como isso é abafado pelo Ryou – suponho eu, porque não é explicado. Ao chegar em casa após perder os pais tudo em que o garoto consegue pensar é em sexo, quase estuprando a irmã de criação e acordando no dia seguinte com o teto coberto com o que eu imagino que seja gozo. É estranho é, mas okay, vamos dizer que isso é uma reação natural do seu corpo demoníaco que quer realizar o seu desejo de penetrar em uma vagina para compensar a tristeza pela perda dos pais? É, continua sendo bem bizarro, mas eu diria que até é aceitável porque é necessário para a cena em que ele se encontra com a Silene e transa e luta com ela, cena essa que me lembrou os OVAS que assisti anos atrás e acredito ter sido um bom “fanservice” para os fãs de longa data.

Uma pena não terem sido mais aproveitados, mas ao menos tiveram um final digno.

Em um episódio com um final poético em que o Akira reconhece o amor do demônio que o atacou – após uma ótima luta, vale dizer –, a Miki mostra novamente porque a atitude dela no terceiro episódio destonou completamente da personagem e vemos a Mi-ko passando pelo mesmo processo que o Akira passou – agora sendo uma Devilwoman(?) –; a única coisa irrefutavelmente questionável é a forma como a morte dos pais do garoto é varrida para debaixo do tapete na história, sendo que o Akira diz que a sua mãe voltou para o exterior, mas isso só seria possível caso a influência do Ryou para resolver a situação fosse realmente muito grande. Isso até pode ser justificado pelo que ele faz depois na história, mas ainda acho que faltou dar um mínimo de tempo para falar mais disso – os pais do garoto morrem e nem se fala que fim tiveram os corpos nem se ninguém sentiu a falta deles.

Mesmo com certas inconsistências a história continuou se mantendo interessante, já que a cena no final do sexto episódio em que o corredor prodígio também vira um Devilman e sai matando várias pessoas tem peso e a forma com o Ryou instigou a situação e se aproveitou dela para revelar a existência dos demônios para a sociedade foi boa e cada vez mais evidenciou o quanto o personagem é um escroto filho da p*uta – não é nem que eu tenha raiva dele sabe, só acho que o personagem merecia ser xingado ao menos uma vez. Contudo, o Akira mostra mais uma vez um sinal de “rebeldia” ao controle dele e salva o seu semelhante. A última coisa boa a se pontuar aqui é a forma natural como foi retratada a cena de sexo entre homens – seria muito idiota censurar isso.

Uma promessa para toda a vida… ao menos enquanto houver vida…

O impacto da revelação do Ryou gera um clima de insegurança em uma escala global, o que é bem retratado no anime pela forma como as autoridades agem e pela forma como os humanos reagem a tudo isso, servindo também para demonstrar o quanto os demônios estão enraizados na sociedade.

Só tenho uma ressalva sobre o grupo de demônios que apareceu com mais frequência e acho que não foi bem explorado na obra, mas talvez isso não fosse necessário, pois células como aquelas deviam ser comuns em outros países e na medida que as coisas avançaram ter focado em um grupo de demônios de uma só localidade podia minar o desenvolvimento de todo aquele pandemônio.

A forma como os pais da Miki e o seu irmão mais novo morrem também contribuem para a construção desse mundo caótico mergulhado em violência e medo no qual humanos se mostram tão destrutivos quanto demônios, o que é uma crítica comum nesse tipo de obra e é interessante por contrastar com a falsa informação apresentada pelo Ryou no ápice desse momento, a “revelação” de que é a maldade nas pessoas que as fazem se tornar demônios e que Akira Fudou é um exemplo disso. Fazia tempo que eu não via um personagem tão desprezível e bom quanto esse Ryou, hein!

Nessas horas só a sua família, e uma que te ame de verdade, para te aceitar assim mesmo!

É certo pensar que os demônios se aproveitam da fraqueza humana para possuir seus corpos e perpetuar maldade sob a Terra, mas afirmar que humanos se transformariam em demônios de acordo com seus atos foi surpreendente até para mim que esperava coisas horríveis do Ryou. Isso intensificou o pandemônio e ocasionou o assassinato das últimas pessoas com as quais o Akira se importava, o que proporcionou uma ótima sequência de cenas com bastante tensão e gerou o impacto desejado, principalmente com o momento em que o Akira vê a cabeça da Miki decepada e a partir daí decide acabar com todos os demônios e para tal recebe a ajuda de outros do seu tipo.

Antes de concluir a resenha gostaria de falar sobre como se fechou bem a relação entre as duas Mikis, com uma se abrindo com a outra e naquela situação desesperadora conseguindo entender melhor seus sentimentos. As mortes, principalmente das duas, também foram impactantes, só não gostei da traição do rapper baixinho de verde e do corredor prodígio não terem sido minimamente aprofundadas. Na verdade, a do corredor até foi, ele queria poder, mas foi tudo tão abrupto que sinceramente não consegui perceber o ponto em que ele decidiu optar por um lado ou pelo outro.

Ela morrer já era previsível, mas precisava dessa cena para destruir meu emocional de vez?

Chegando a conclusão do anime e desse artigo só posso dizer que a revelação do Ryou ser Lúcifer não me pegou tão de surpresa, pois a história já havia dado sinais o suficiente de que ele não era humano, mas foi um momento impactante e grandioso. A forma como tudo se ligou no final e fez sentido amarrou as últimas pontas soltas na história que eram necessárias para fechá-la bem, com o caos completamente generalizado ao redor do mundo e o embate entre o demônio e o anjo caído.

Essa história tinha como acabar com um final feliz depois de tudo o que aconteceu até o nono episódio? Não e nem faria sentido, e confesso que não sei o quanto esse final se assemelha ao do mangá, mas acredito que ele tenha satisfatoriamente passado a sua mensagem através de uma história que se não foi tão profunda conseguiu se mostrar muito interessante. Acho que se tivesse mais dois episódios para trabalhar melhor os personagens isso teria dado mais profundidade ao anime, além de mais tempo para explicar certas coisas e mudar alguns acontecimentos infelizes.

Ainda não sei se odiei ou amei esse desenrolar, mas acho que ele resultou em algo muito bom.

O final em que o Ryou conversa com o cadáver do Akira e nesse momento sente o quanto é desesperador perder alguém que se ama comprova mais uma vez o que o Akira percebeu no sexto episódio, que os demônios – assim como a criatura que simboliza e guia todos eles – também são capazes de amar e não são assim tão diferentes dos humanos, eles apenas vivem mais em função de seus desejos egoístas sem se castrar ou culpar por terem esses desejos. É claro que os demônios são mais violentos, mas isso se você pensar em um universo reduzido, pois a história humana prova que as atrocidades que os humanos cometem contra si são tão estupidas e vis quanto as dos demônios.

Devilman: Crybaby busca fazer o seu telespectador refletir sobre o que é ser humano – o que realmente torna alguém “humano” e o que há de bom ou especial em ser um –, sobre a maldade – se ela está presente em cada um de nós só esperando a hora de vir à tona ou se ela é forçada a nós pela sociedade e as dificuldades à nossa volta – e sobre o amor, um sentimento que quer você seja humano, demônio ou “homem-demônio”; vai te influenciar e moldar suas ações por toda a sua vida.

É pesar pelo fim do anime e por ter perdido alguém que se ama.

  1. Acabei de ver o anime… Acho que foi a primeira vez que vi um anime me deixar depressivo no final. Tem um ótimo aproveitamento de conceitos ainda mais que a passagem bíblica do demônio /besta ser lançado no lago de enxofre pela eternidade é retratrada aqui e dando a devida punidade de dor que irá sofrer. Vou ler o mangá pra saber se lá é dada mais explicações sobre esse final.

    • Bsicamente Deus reconstroi uma outra Terra que aparece no final do anime e nela se passam os acontecimentos de Violence Jack que pode se dizer e a continuaçao de devilman

  2. Devia ter lido devilman antes de assistir tbh tbf
    4 volumes que da pra ler em tipo 2/3 horas.
    O maior pecado desse especial foi fazer o ryou ser claramente malvado, quando na real ele é o melhor amigo do Akira durante boa parte do mangá (e francamente até o final apesar de também virar seu maior inimigo).
    Ambos devilman lady e violence jack que se passam “depois” acontecem em uma outra terra, enquanto a guerra do Akira vs o Satan é perpetuada no que seria “o inferno” dessa outra terra btw. Por isso que, bom, existem continuações para devilman.

Comentários