O “Guardião de Prata” até que voltou razoavelmente “bem” às telinhas, claro se você der o natural desconto de que se trata de um anime chinês com a maioria dos problemas comuns a essas obras.

Achei ruim a falta de uma breve recapitulação sobre o que aconteceu na primeira temporada, pois até lembro mais ou menos do final dela, mas não do porquê o protagonista já começar com um “teste” logo de cara. Dito isto, somos apresentados a novos personagens, a mesma abertura e um novo encerramento que achei melhorzinho; a parte técnica mantém o nível razoavelmente bom da primeira e a trilha sonora não se destaca tanto, mas um ponto forte do episódio – se claro, você já aceitou esse anime “peculiar” em seu coração – é o dobro do tempo, pois por mais que eu não tenha gostado tanto assim do que aconteceu nele, às vezes – como foi nesse caso – as coisas fluem melhor quando se tem mais tempo, pois o corte e a divisão desse conteúdo em duas semanas seria meio maçante, aliás, esse foi um dos problemas da primeira temporada – e uma de suas qualidades.

A “personagem” que mais gostei no episódio, apesar de termos sido “trollados” por ela…

Foi uma qualidade para quem não estava gostando, pois só precisava ver metade do que seria um episódio normal, mas para quem ainda conseguia se divertir um pouco – depois de deixar de lado o timming cômico ruim, a história confusa e os personagens pouco carismáticos –, que foi o meu caso, às vezes não era muito bom. No final das contas, Gin no Guardian deve continuar a ter praticamente todos os mesmos problemas da sua primeira temporada, mas talvez melhore caso coloque seu protagonista sobre desafios constantes e defina melhor certas coisas, além de lembrar que tem a tal garota que precisa ser salva(?) e que o Riku Suigin tem que salvá-la – ele não está com pressa?

Mulher não gosta de homem carrapato, será que ninguém nunca te ensinou isso xará?

Sobre os novos personagens, eles foram mais ou menos o que eu esperava desse anime: ruins, tanto o com a proposta de ser alívio cômico e o que foi usado para tentar emplacar uma história lateral interessante, o que acho que falhou em ambos os casos, mas vai que rende algo de minimamente interessante no próximo episódio, né? O fato do Riku querer fazer um grupo com aquela garota que antes o antagonizava(?) foi legal – apesar da reação idiota dela –, mas não me lembro se a obra já deu alguma pista de qual é a intenção dele com isso. Minha memória sobre esse anime não é muito boa, pois não o achei grande coisa, mas posso dizer que não o detesto como outros animes chineses, porque ele ao menos chegou a me divertir um pouco. Será que ele conseguirá me divertir mais em sua segunda temporada? Acho difícil, mas ao menos devo ver a obra, porém, só a indico para quem viu a primeira e não desgostou tanto, pois se você espera algo de melhor de Gin no Guardian – aliás, se você espera qualquer coisa “além” desse anime – é melhor baixar a bola ou deve se decepcionar.

Acho fofo eles se conhecerem de outro jogo, mas também é um clichê já manjado…

Discussão