O título do artigo é basicamente o que foi esse episódio, nada tão diferente assim do anterior, sendo que foi exatamente nisso que ele pecou, pois apresentou lutas que em sua maioria ficaram aquém do que elas poderiam ser – apesar de aqui e acolá terem uns momentos melhorzinhos – e omitiu informações necessárias que deveriam ser dadas – isso que dá correr com a adaptação.

Repito, talvez o maior erro desse anime seja – ao menos até agora – ser apenas um checkpoint do mangá feito para agradar seus fãs – que já leram e lembram dos pormenores da obra –, o que deixa diversos detalhes, de certa forma, jogados e que, se somados a ação meia boca, tornam o anime no máximo razoável.

Isso não foi tanto um problema nos primeiros episódios, mas nesse começou a pesar, visto que, por exemplo, qual a profundidade do drama do Naki se não mostram nem um flashback dele com o seu aniki? O personagem é mais desenvolvido no primeiro mangá e você até entende melhor ele ter um momento desses logo no primeiro arco da continuação, mas no anime ficou jogado, pois mesmo que você lembre dele da segunda temporada do anime pode ser difícil entender o que ele está passando.

Se você lembra bem do Yamori e do que ele era para o Naki fica mais fácil de entendê-lo aí.

Mostraram flashes do Tsukiyama, o que achei desnecessário visto que o público já sabia o porquê do Kanae estar fazendo aquilo, enquanto apenas abordaram a situação do Naki e ficou por isso mesmo. Aliás, a luta da Akira com o Naki/Miza foi bem ignorada e mal aproveitada no episódio.

Outra coisa que foi apenas mostrada e não teve o mínimo de explicação foi o Takeomi matar um ghoul com as mãos nuas, sendo que no mangá há todo um processo de pensamento para ele chegar à conclusão de que poderia enforcar o ghoul e matá-lo. No anime apenas aparece a cena e fica por isso mesmo, nem parece que ghouls são várias vezes mais fortes que humanos e muito difíceis de serem mortos. E sim, é muito difícil matar um ghoul assim, mas é possível se a pessoa fizer o “procedimento certo”.

Quem leu o mangá entende os sentimentos do Naki e porque o que a Akira falou o atingiu, tem uma explicação plausível para um ghoul ser morto pelas mãos nuas de um humano e se sabe quem é o No Mask Uta – outra coisa que foi apenas apresentada pelo anime sem qualquer contexto prévio que era necessário. Ele é conhecido assim justamente por usar sua kagune para mudar a forma do rosto.

Perspicácia + Frango e batata doce + Muita força aplicada no ponto certo = MacGyver do CCG.

Não me lembro se no anime anterior o público sequer tinha ideia de que o Uta era um “vilão”, muito menos que ele tinha algum passado com o Hirako. No mangá isso tem o mínimo de contextualização prévia, mas e no anime? Não que fosse exatamente necessário, mas passa a sensação de que só vão adaptar o mangá e pronto. Com cenas curtas de flashback de alguns personagens daria para sacar algumas das conexões que dão base a certos acontecimentos os quais vimos até agora nesse leilão.

O cosplayer que não queria ser um Uta na vida que atire a primeira pedra!

O Kanae é encurralado e a Matsumae o resgata, o Suzuya enfrenta o Naki mas foge por não dispor de quinque capaz de combater um rank SS, Quebra-nozes mostra sua carta na manga e aniquila quase que um time inteiro e o Washuu no comando manipula a situação em favor do sucesso da operação.

O que podemos tirar de tudo isso? Que o Kanae ainda deve se acertar com o Shironeki (Kaneki de cabelo branco), que a Jason vai voltar as mãos de seu ceifeiro no próximo episódio e que o Ayato preferiu socorrer o Naki a Madame – criando a abertura perfeita para o Suzuya se acertar com a mamãe –, que foram apresentados novos detalhes que abrangem as características especiais das kagunes e que o comandante Washuu dividiu os Quinx em três frentes diferentes justamente para que eles possam aumentar as chances de a operação ser um sucesso. Será que ele sabe que eles são os protagonistas e por isso não devem morrer agora? Brincadeiras à parte, terá sido boa a decisão?

Veremos no próximo episódio, quanto a esse ainda posso comentar que o Urie fez o que se poderia esperar dele – ele correu atrás de seus méritos. A cena dele sendo engolido pela Madame chega a ser engraçada e, de certa forma, uma punição adequada por sua ganância? Ele não deve morrer agora e precisa apanhar ao menos um pouco da vida e de ghouls se for para mudar então esse deve ser só um momento de desenvolvimento do personagem mesmo. E ah, acho que a cena do ataque surpresa dele e do Suzuya poderia ter sido melhor feita, mas foi uma das poucas que ainda deram um pouco a impressão de que a luta poderia empolgar de alguma forma – e a trilha sonora até que ajudou nisso.

Eles atacaram ghouls que deviam ter algum poder aquisitivo para estar ali, o que dá a entender que eles, por exemplo, não caçam como os da Aogiri e por isso não tem kagunes tão desenvolvidas, o que facilita a ação de extermínio de investigadores habilidosos munidos do fator surpresa. Faz um certo sentido, não faz? Então até que dá para engolir esse extermínio unilateral de dezenas de ghouls, né?

A luta dos palhaços e da Akira foi bem aquém do que eu gostaria, as outras nem tanto, mas não acho que tenho mais nada a falar sobre elas. Daí o que sobrou foi o lunático Takizawa matando pombos a rodo e tendo a chance de lutar com o protagonista. Esses momentos em que o Haise vai incorporar o Kaneki já eram previsíveis e até necessários para ir fazendo a sua personalidade original despertar. O que devemos ver episódio que vem é justamente ele abraçando seu lado ghoul para enfrentar o seu senpai de CCG. Será que essa luta deles vai entregar um bom clímax para o primeiro arco do anime? Espero que sim, pois é do que o anime precisa. Se nem esse clímax corresponder aí é preocupante…

Me despeço deixando essa pergunta: em uma guerra entre ghouls e pombos, de que lado você está?

  1. Antes de comentar não leio o mangá e não me interessa a historia do mangá. O anime é uma adaptação do mangá e toda adaptação faz mudanças da obra original as vezes pontuais e as vezes muito grande como aconteceu em DxD born no final da 3 temporada que desagradou alguns fãs mais a mim, não me desagradou não, eu adorei as mudanças e aprovo todas. Temos outro exemplo de mudança de roteiro e acontecimentos bastante interessante em Violeta bem guardada, o anime alterou toda a estrutura da novela original e foi muito elogiado pelos fãs por mim também méritos ao diretor e a Kyoto animação. Tokyo ghoul re anime estou gostando bastante do anime, o terror psicológico, as lutas estão muito bem animadas, fluídas acima da média e esta me agradando muito. Só eu acho que o autor da obra foi muito cruel em criar um pelotão de agentes, os dove formado em sua maioria por seres humanos normais, para enfrentarem de frente monstros ghouls rank S SS e serem literalmente devorados. O esquadrão qinx apesar de ser inexperiente são todos ghouls ou 1/2 ghouls numa batalha contra os vilões logo séria monstro contra monstro bem coerente e justo. Mais vi nesse episódio o que achei era que os agentes humanos só serviram para protagonizar os momentos de grotesco e mutilações do anime.

Discussão