O episódio foi interessante e lembrou até mesmo um shounen quando o grupo do herói enfrenta o grupo do vilão e cada batalha acontece de um lado. Claro que diferente dos shounens a luta durou menos de um episódio ao invés da duração padrão de 69 episódios. De qualquer forma, foi um episódio atípico para a obra e que acabou tendo uma quebra de expectativa no fim (que pode muito bem ter sido apenas uma primeira impressão ruim que pode muito bem mudar).

A luta inicial jogou logo de cara uma questão que esse arco vem batendo: o objetivo da Khaos Brigade e seus poderes que podem destruir demônios, deuses e seja lá o que for. E de fato é interessante saber que existem meros humanos que podem fazer tais coisas mas em certos momentos essas vitórias parecem forçadas ou simplesmente fáceis demais. Ok, Issei ganhou com facilidade em sua primeira luta e estava em pé de igualdade (de certa forma) com Cao Cao. Já seus companheiros deixaram e muito a desejar, assim como seu potencial que foi inicialmente mostrado. Xenovia parecia ter recebido um power up enorme com sua nova espada; Rossweisse era uma valkyria de Odin (logo, você espera bastante de alguém assim); Kiba apesar de seus porém, é forte e estava junto de Xenovia; Irina parecia ser bem forte também. No fim, serviram de nada, foram um mero aquecimento e só fizeram pose.

E sinceramente eu fiquei um pouco decepcionado com essa situação. O grupo do Cao Cao é forte? Com toda certeza, mas a família Gremory está num alto nível, não? Mas vamos comentar da parte mais importante do episódio, o potencial do Issei. Quando ele encontrou sua “compatriota” e a questão do potencial surgiu, eu já comecei a imaginar que tipo de poder ele ia despertar e de que forma ele iria ganhar. Seria de certa forma um protagonismo padrão? Sim, mas sinceramente eu não iria dar a mínima e simplesmente ia curtir. E enfim quando tudo aconteceu descobrimos que ele pode invocar a Rias. É, invocar a Rias. Grande bosta. Tudo aquilo para mostrar que ele agora iria conseguir invocar ela independente da distância(?). Sério que o potencial dele é aquilo? De verdade, não pode ser, eu realmente espero que, sei lá, o contato com ela faça ele despertar seu potencial ou algo assim. Eu sei que DxD é uma história que contém ação e comédia e de fato a situação toda foi engraçada, mas longe de apagar a decepção pelo acontecido.

Um ponto interessante desse episódio é que não tivemos nenhuma cena de fan service com mamilos e afins (só a Rias de roupas íntimas e os cards da Xenovia na metade do episódio). De qualquer forma a batalha parece estar chegando ao fim e a dúvida sobre seus desdobramentos ainda continua. Ao menos o objetivo de Cao Cao e seu grupo foi revelado e com isso fica a pergunta: o que podemos esperar dessa situação toda?

Discussão