Um episódio mais tranquilo que o anterior, mas nem por isso desinteressante. A constante adição de detalhes a serem explicados posteriormente ajudam a aguçar o interesse do público por respostas, o que está sendo bem dosado com uma evolução visível da trama, fazendo com que até episódios mais parados como esse tenham sua utilidade e mantenham o show prazeroso. Que se abra o Steins Gate!

O Okabe colapsou na linha do tempo beta e acordou no hospital após voltar da alfa, até aí tudo bem, é algo que faz sentido, o grande X da questão desse momento no hospital foi a Fubuki ter colapsado com ele e ter retido memórias da outra linha do tempo – as quais ela considerou apenas um sonho.

Se eu dissesse que não estava com saudades da Mayuri seria uma enorme mentira! ❤

Isso quer dizer que ela também tem o Reading Steiner? Não acho que seja o caso, pois se tivesse ela teria tido certeza sobre o que aconteceu. Então, se ela não tem ele como pôde reter memórias por mais vagas que fossem? Há um modo de tentar explicar isso, e é através da encefalite da qual falam, mas o que exatamente é essa encefalite? Uma inflamação no cérebro causada por uma infecção no próprio cérebro ou como resposta a uma infecção em outro lugar do corpo. Se ela foi infectada como parte de um experimente para fazer com que as pessoas retenham as memórias dos saltos temporais isso justificaria a sua condição. É cedo para afirmar, mas lembram da cena em que o Okabe volta ao laboratório depois de muito tempo lá no primeiro episódio? No fundo o noticiário fala exatamente desse novo tipo de encefalite e de um terremoto na Rússia. Isso foi coincidência? É óbvio que não!

Sinto que ela e a Yuki – e talvez a Kaede – terão mais importância na história.

O Amadeus realmente sumiu do mapa, a Maho acabou sob proteção da Faris, e a Kagari está com o Rukako. Tudo tranquilo na medida do possível, mas não tanto, pois o Okabe deixou transparecer que deu um salto temporal para a Suzuha – lembremos que ela tem experiência no assunto – e isso a pôs sobre pressão, afinal, se ela veio para o passado para impedir a Terceira Guerra Mundial e um sinal disso é o desenvolvimento da máquina do tempo, como ela pode permitir que os testes comecem?

Não fazer nada agora quando ela se deu conta de que demorou demais a cumprir sua missão foi o que a levou a apontar a arma para o Okabe e tentar convencê-lo a cooperar na base da força, o que foi impedido pelo Daru, mas, sinceramente, voltar no tempo e tentar mudar o dia em que a Kurisu morreu talvez não fosse a melhor opção? Se ainda não for, cabe a trama mostrar isso desde agora, porque no original o final verdadeiro é o do Okabe salvando a Makise e alcançando o Steins Gate, então me incomoda um pouco ver que a possibilidade de alcançá-lo será postergada mais uma vez.

Quando você tem que sofrer um pouco mais até que acabem as outras possibilidades… 😭

Entendo que Steins;Gate 0 existe para isso, para expandir o universo tentando chegar ao mesmo final do original, só que seguindo por uma rota mais longa. Contudo, espero que uma hora o Okabe não só aceite a morte da Kurisu como passe a querer usar a máquina do tempo para consertar tudo que deu errado. Isso ainda deve demorar a acontecer, mas precisa, afinal, como o Daru mesmo disse – em uma belíssima cena com a Suzuha –, quando chegar a hora certa o Hououin Kyouma renascerá e dará um jeito em tudo isso. O problema é quando, e os próximos episódios serão importantes para provar ao público que o momento não era esse. O Okabe estar buscando informações deve ajudar com isso.

Quando o Mr. Braun falou em um grupo que parece inocente demais na superfície logo eu pensei no pessoal da Universidade, mas entendo que o Okabe ainda não tenha ligado os pontos que levam até eles, porque ele não viu os mesmos indícios que nós, como público que acompanha a história, vimos.

O mais provável é que a Universidade tenha criado o Amadeus – ou tenha dado muita sorte por ter criado o sistema – no intuito de coletar as memórias da Makise Kurisu para com elas produzir a sua máquina do tempo. Talvez uma coisa não tivesse a ver com a outra a princípio, mas com a morte da cientista esse se tornou o único modo viável dos americanos obterem a máquina, já que a teoria da Kurisu foi parar na Rússia com o pai amoroso que ela tem. O Okabe se tocou disso e está atrás de descobrir qual organização necessita da Kagari e do Amadeus para produzir a máquina do tempo.

Quando você ama tanto a pessoa que só de imaginar ela na sua frente já raciocina melhor.

Ao que tudo indica os russos já possuem a máquina e estão executando testes com ela, agora se isso vai se repetir e forçar o Okabe a viajar no tempo de novo mesmo contra a sua vontade ainda é cedo para apostar, mas é certo que as coisas vão ficar mais perigosas com o quão mais ele for descobrindo sobre essa organização, o que pode forçá-lo a viajar no tempo – vai que a Mayuri acaba sendo morta.

Agora o Okabe deve continuar juntando os pontos para descobrir com quem está lidando, e para isso a ajuda da Maho deve ser necessária, o que pode acabar em mais cenas divertidas e fofas, ainda que em meio a um tom mais sério? Com certeza, pois elas costumam ser bem divertidas. Por exemplo, a cena da Moeka foi divertida e não destonou, além das cenas da própria Maho terem um pouco disso.

Nem gosto muito de café, mas tomaria só pra recompensar o sorriso desse anjo! 😇

Esses singelos momentos foram úteis para não manter esse episódio apenas em um clima de tensão e sobriedade, tanto que pensei que ainda estava na metade quando ele acabou. Os pouco mais de 20 minutos fluíram bem e mantiveram a trama envolvente sabendo dosar o momento de impacto – o arroubo da Suzuka – com todo o resto. Aliás, todo esse trecho se apoiou muito bem na trilha sonora sem deixar de contar com um roteiro consistente. Os argumentos dos dois e as reações de ambos foram plausíveis, mas, como comentei anteriormente, se a atitude dele será justificada só saberemos nos próximos episódios. Revele as verdades por trás das mentiras, Okabe Rintarou! El Psy Congroo.

Uma bela demonstração de que o amor fraterno também pode superar as linhas do tempo.

Discussão