Talentless Nana (Munou na Nana) é um anime do estúdio Bridge que adapta o mangá escrito por Loose Boy e ilustrado por Iori Furuya. É um thriller sobrenatural para o qual você deve dar uma chance.

Na história adolescentes foram reunidos em uma escola para portadores de habilidades especiais com o objetivo de serem treinados a fim de combater monstros chamados de inimigos da humanidade. Entre esses adolescentes superdotados um indivíduo tentará prevalecer usando apenas de sua inteligência e capacidade de manipulação. Será mesmo possível enganar a todos?

Nanao é o ponto de referência que o telespectador tem nessa estreia, mas certamente não é o principal personagem da trama, esta é Nana, uma estudante transferida que rapidamente chama a atenção de todos na sala e faz amizade com o garoto.

Eu já tinha ideia de que algo aconteceria no final desse episódio, mas não sabia exatamente o que e sinto que mesmo sem saber de nada, assistindo com atenção dá para a pessoa perceber que tinha algo de muito errado ali.

Porque muitos momentos e detalhes ali contribuíram para aquela baita cena no final que não teve nada de abrupta. Por exemplo, já na apresentação dos novos alunos deu para notar a diferença de atitude nos dois e isso fica mais claro quando o Kyouya aparece atrás de informações sobre os outros, invesigando eles. O próprio Nanao fala em um infiltrado, mas abaixa a guarda de uma forma que nem chegou a desconfiar.

Se você puxar pela memória (imagino que já tenha assistido o episódio) vai perceber que a Nana usa a “habilidade” no Nanao quase que o tempo todo e só em momentos chave para desvendar o personagem, para assim tê-lo na palma de sua mão, como ela bem revela. Não cheguei a perceber que ela não tinha um poder logo de cara, apesar do título, nisso eu lesei…

Em compensação, desde o começo a atitude dela não me enganava, nâo só pelo interesse no Nanao, mas também pela simpatia e curiosidade excessivas. Na cena anterior ao clímax ela perde as estribeiras e praticamente grita que algo de “inesperado” vai acontecer. Entre aspas, porque se torna até previsível uma virada, o único elemento incomum talvez seja ela não ter se intitulado uma inimiga da humanidade.

Pelo contrário, ela acusa que as “crianças especiais” sejam os reais inimigos, especialmente o Nanao, que queria liderar e tinha potencial para fazer mais, como matar um milhão segundo as anotações dela. isso só faz sentido se a situação for inversa, que os inimigos não sejam os montros, mas os próprios humanos, ou que seja algo ainda mais complexo que não consigo imaginar agora. O fato é que existe uma guerra de narrativas na história e que a Nana é capaz de matar a fim de defender seu ponto de vista. Será descoberta?

Não sei, só acho que se for ainda vai demorar muito, pois mesmo que o Kyouya desconfie, vai precisar de provas. Tentar desmascarar a falta de um “talento” na Nana pode ser um caminho, mas alguém só vai ter essa ideia se surgir uma suspeita e a capacidade de dedução e sagacidade da assassina não devem dar brecha para tal. Além disso, o roteiro vai trabalhar a favor da personagem, porque esticar essa situação é mais interessante, isso se alguém morrer mesmo…

Porque o Nanao pode voltar, não duvido disso, mas é quase óbvio que se ocorrer não deve ser logo. Pode ser uma surpresa para desmascarar a Nana? Eu não sei. Em todo caso, se ele apenas morrer e não voltar mais é um bom sinal, o desenrolar menos clichê e o que deve acentuar a desconfiança de quem está de olho, tornando a trama mais um jogo de gato e rato.

Não vou me ater tanto ao desenvolvimento do Nanao pelo personagem ter sido descartado da trama, mas posso dizer que não desgostei da forma como a relação com o pai dele foi explorada pela Nana e os próprios motivos do personagem, cujo grande erro foi ter confiado demais nela. Inclusive, não teve a estranha cena em que a Nana quase morre e ele a salva? Não foi só um “teste de potencial” da parte dela, mas o que facilitou o cenário para ela matá-lo.

É por essas e outras que dá para ver como a história foi pensada nos mínimos detalhes, e se o episódio foi quase previsível com relação ao desfecho, isso se deveu muito a atenção aos detalhes, as pistas do que estava por vir. Já a execução, principalmente da cena derradeira, compensou o título internacional muito do mal bolado que entrega a falta de poderes da Nana, a qual não notei só por desleixo mesmo.

Por fim, Talentless Nana não inventou a roda, mas é um anime com um baita potencial que merece elogio só por ter um plot clichê em mãos e buscar ir bem além disso, tanto que os poderes acabam sendo algo mais secundário, não que não sejam importantes.

Sem poderes não acho que o Nanao representaria a ameaça que representava segundo a Nana, o que não justificaria as ações dela. Outro ponto muito interessante do anime é a chance de acompanhar a história tendo a vilã como a grande referência.

Se o Nanao não voltar, como não deve voltar, nada garante que passemos a ver a história sob a ótica dela, mas é certo que ela não vai morrer pelo menos até o final do anime e que a gente tem que saber o que a levou a falar aquelas coisas antes de jogar o garoto do penhasco.

Por que os heróis seriam os verdadeiros inimigos? Quem colocou a Nana lá? Nós temos que torcer por quem, pelos supostos heróis ou pela suposta vilã? A Nana pode achar que não tem nenhum talento, mas me parece ter talento mais que o suficiente para enterter a mim e também a você.

Até a próxima!

  1. Avatar

    Ambos gostamos deste episódio piloto, mas divergimos bastante ao conteúdo apresentado…rs! Achei o final surpreendente e nada previsível. Talvez seja para quem leu o mangá, mas para um leigo como eu não foi nada previsível. Quem teve uma atitude de infiltrado neste episódio foi o Kyouya pelo seu comportamento calado e observador, quase de um investigador. Quem, ou o que ele está procurando na escola? Mas definitivamente ele está no lado oposto da Nana. Artifício usado justamente para desviar os olhos de Nana, apresentada para mim mais como uma garota extrovertida, curiosa e gente boa (e não suspeita), afinal, ela saiu em defesa do tímido e inseguro Nanao.

    O que eles (Kyouya e Nana) querem de fato? Pra quem trabalham? Não acredito que eles estejam sozinhos nessa. Quem decide quem entra na escola é outro fator importante, afinal, ao não ser obrigado dizer qual poder se tem, pessoas como a Nana tem acesso ao estabelecimento. Para alguém você precisa mostrar o poder que tem acredito eu. E isso me leva a pensar que pessoas da diretoria/governo estejam envolvidos.

    Não acredito que Nanao tenha morrido ao cair do abismo. Uma pessoa com um alcance tão grande de mortes mostra o quanto ele é poderoso. A informação que a Nana tem não surgiu do nada. E seu poder é tão grande que ele consegue tornar os “mutantes”, por assim dizer, em pessoas “comuns” uma vez que ele anula os poderes dos outros. Ele também seria capaz de anular os poderes dos “monstros”?

    É impossível dizer para onde a trama irá caminhar com apenas um episódio. Até porque será preciso ser mostrado a posição de cada “espécie” neste mundo apresentado, a saber: humanos, “mutantes” e “monstros”. Quem é quem neste triângulo? Como os humanos adquiriram poderes? Como os “monstros” apareceram? As respostas só virão com o decorrer do anime.

    • Kakeru17

      Bacana seu ponto, mas é que quem leu o mangá ou soube que teria um plot twist antes de ver o episódio (meu caso) não se surpreendeu tanto, só que mesmo para alguém que não sabia nada da história dava para ao menos imaginar que havia algo de errado, pois tudo se desenhava de forma muito linear, muito simples, talvez até o ponto de ser decepcionante se fosse só aquilo.
      É claro que é muito mais difícil perceber algumas coisas vendo o episódio em uma tacada só, então sim, imagino que para a maioria o plot twist tenha funcionado melhor, o qual, aliás, compensou demais o episódio meio morno (mas não exatamente ruim) que vinha se desenhando até ali. Meu caso é que eu vi já esperando algo a mais, e teve, foi ótimo, aliás, acho que o anime é bem mais interessante assim.
      Quanto aos outros pontos, os episódios seguintes vão clareando as coisas e comentei várias delas em meus artigos, só queria pontuar que acho que o Nanao morreu mesmo, e se não morreu espero que não apareça tão cedo na história para vermos o jogo de gato e rato da Nana e do Kyouya se desenrolando cada vez mais e melhor (e não é um spoiler isso, pois fica bem evidente o antagonismo de um para com o outro).
      Ademais, agradeço o comentário e indico que veja logo os próximos episódios, pois mantiveram um nível de qualidade muito bom.

  2. Avatar

    Sabendo com antecedência que haveria uma reviravolta aí com certeza não tem como se surpreender. E como o episódio foca nestes dois personagens (Nanao e Nana) não teria como não ser com eles que aconteceria o “plost twist”. Eu particularmente estava gostando do episódio. Estava me divertindo bastante com o “fogo” e o “gelo” enquanto parte da história do Nanao se desenvolvia. Enxerguei a revelação de Nana como uma “humana comum” e seu ato de empurrar o Nanao do penhasco como a cereja do bolo, porque ele era pra mim até aquele momento como o episódio que apresentava o “protagonista” e como ele foi parar naquela escola. Mas aí veio o final e tudo foi por água abaixo…rs!

    A medida que for assistindo eu comentarei nos artigos específicos. Abs.

Comentários