Koi to Yobu ni wa Kimochi Warui ou apenas Koikimo é mais um anime dessa temporada. Tendo como foco comédia e romance, a obra gira em torno de um assalariado de 27 anos e uma colegial de 17. Para quem utiliza a prática de assistir até determinado episódio para saber se vai continuar ou não, diria que esse anime provavelmente precisa de apenas um para te mostrar do que ele é capaz ou não, seja isso bom ou ruim.

A proposta de Koikimo é um tanto quanto curiosa, para ser bem sincero. É um romance que parece ser previsível, mas ainda assim, consegue ser divertido. Fora que ser previsível não significa que você vai acertar todas as suas “previsões”, porém, aqui eu acho difícil passar muito longe da resposta certa. Enfim, isso é um mero detalhe que tive a forte impressão nesse episódio de apresentação.

A sinopse não é das melhores e meio que resume o primeiro episódio também, o que é um tanto quanto estranho. Confesso que após terminar o episódio eu refleti que talvez fosse difícil escrever sobre essa obra considerando sua simplicidade. É bem simples: o protagonista masculino está mega apaixonado pela protagonista feminina e faz de tudo para conquistar ela ou pelo menos se aproximar.

Apesar de parecer, eu não estou criticando a obra por ser dessa forma ou usar essa abordagem mais “simples”. É uma pegada diferente do habitual por ser tão óbvia, ainda que exista a possibilidade de surpreender eventualmente. De qualquer forma, a história é fiel a sua proposta em todos os momentos, utilizando de tudo o que pode para fazer a história não cair na mesmice e ficar maçante.

É engraçado pois considerando tudo, a obra já consegue surpreender nesse aspecto. Foram 24 minutos da mesma coisa e ainda assim eu não fiquei entediado com absolutamente nada. As cenas cômicas da obra funcionam bem e mesmo tendo a mesma pegada, consegue variar e assim, continuar mantendo a graça. Além disso, os personagens centrais e os de apoio são divertidos e combinam muito bem com o clima da obra.

Ryou, o protagonista masculino, é um mulherengo sem salvação mas perante a protagonista feminina, Ichika, muda completamente sem ser algo gritante que fique deslocado na cena. Por outro lado, a Ichika tem a pegada de uma personagem quieta que aparenta ser “dominada” pelo bonitão mas que na verdade é totalmente sincera e até ríspida em alguns momentos.

Então sim, Koikimo é uma obra que consegue divertir com seu romance simples, mas bem feito. Não espere uma grande história de amor entre esses dois, mas sim, bons momentos cômicos com ele tentando conseguir o mínimo de sucesso com ela a todo instante e ela querendo (ou não querendo) evitar isso. Aliás, indo por esse lado, também temos os problemas que a obra apresentou até aqui.

Inicialmente eu confesso que fiquei meio incomodado com a idade dos dois. Não sabia ao certo a idade mas não conseguia parar de pensar nisso com certo incômodo. Depois que vi essa informação fiquei “aliviado” que ela está numa idade ok para isso, mas ainda assim não é algo que me agrada muito sendo sincero. Mas o problema real ao meu ver passa longe da idade deles, sendo simplesmente a forma como eles se aproximam.

Ichika é melhor amiga da irmã de Ryou. Com isso, a obra liga facilmente os dois e ok, sem problemas com isso. Mas o problemático é que o nosso garanhão é um tanto quanto maçante e intrusivo com a Ichika. Ele ignora o fato de que seus presentes incomodam ela simplesmente porque “ama” ela e tal. Ela, por outro lado, não afasta ele apesar de estar sendo incomodada e até mesmo facilita a aproximação dele em diversos momentos.

Apesar de estar em níveis bem diferentes, nesse aspecto Koikimo me lembrou aquele anime da garota que vira o animal de estimação do cara (Ookami Shoujo to Kuro Ouji é o nome, lembrei com ajuda do Google). É um tanto incômodo o fato de que ele força uma interação com ela mesmo sabendo que é indesejado. E tenho certeza de que isso vai incomodar (com razão) muita gente que for assistir a obra.

No mais, Koikimo é um anime de história simples que consegue divertir quem for assistir. Se não fosse por uns detalhes bem incômodos seria uma recomendação certa, mas por conta deles não tenho como recomendar verdadeiramente. Então, se for ver faça por sua conta e risco.

Comentários