Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Eu já estou com saudade. Esse é o último artigo de um episódio de Assassination Classroom que eu escrevo por aqui. Digo, pelo menos até o ano que vem, né? A segunda temporada já foi confirmada para 2016. Esse episódio fechou muito bem a temporada, foi um dos melhores de Assassination Classroom, e pode parecer um pouco exagerado eu dizer “aprovados” no título quando praticamente só o Nagisa atuou nesse episódio. Claro, com a ajuda providencial do Terasaka. Mas me acompanhe nesse artigo que, se você não está convencido ainda, logo tudo fará sentido.


Anime21 Diário

Informe o seu e-mail para receber gratuitamente as atualizações do blog!


Antes de ser final de um anime, esse episódio é final de um arco, já que a história de Assassination Classroom em si continua, está em aberto o que irá acontecer daqui para frente. Conseguirão matar o professor? Ou alguém de fora conseguirá? Qual é a real do Koro, afinal? Ele quer mesmo destruir a Terra? Ele destruiu mesmo a Lua? Por vontade própria? Da onde ele veio, ou talvez seja mais correto perguntar: quem o criou? Isso tudo é a história, mas também apenas a superfície de Assassination Classroom. Como sustentei firmemente durante esses vinte e dois artigos, o cenário maluco é uma hipérbole para uma crítica ao sistema educacional como um todo. Não só a crítica macro, de métodos, objetivos e currículos, mas muito mais a crítica humana, dos personagens que participam desse processo e como eles se deixam ou não guiar cegamente por normas estabelecidas acima deles. Sem necessariamente questionar ou destruir por dentro todo o sistema, Assassination Classroom ensina como uma pessoa só pode fazer a diferença sem desafiar ninguém. Porque se você observou bem, o professor Koro em momento algum desafiou diretamente as ordens e regras da escola ou dos demais agentes aos quais ele está submetido para dar aulas ali. Ele usou tudo ao seu favor: o ambiente, as expectativas dos outros (dentro e fora da classe) e também as próprias regras às quais ele se submetia.

E claro, o anime não foi a história de um professor apenas, que em vários momentos falhou ou não pôde estar presente, mas um anime sobre todos os atores envolvidos. Outros professores, a direção, os próprios alunos. Sem nenhuma proposta mais ambiciosa do que “faça o seu melhor” Assassination Classroom lançou seu olhar sobre todos eles. E claro, pudemos acompanhar o resultado disso tudo: o crescimento dos alunos da turma 3-E. Depois de tudo o que aprenderam durante toda a série, nesse arco final eles tiveram que mostrar na prática, no mundo real, do que eles eram capazes. E eles foram brilhantemente capazes. Com a orientação dos professores mas sem muita ajuda além disso (o professor Koro esteve inutilizado durante toda a invasão, a professora Irina ficou o tempo todo no primeiro andar e o professor Karasuma foi carregado durante boa parte do tempo) todos os alunos tiveram a chance de brilhar. Cada um a sua maneira, porque todos somos diferentes, então por que todos os alunos de uma turma, ainda que aprendam o mesmo conteúdo, deveriam se sair igual?

O episódio final foi do Nagisa, foi a vez dele mostrar tudo o que aprendeu, mas também a vez dele mostrar que ainda é inexperiente e precisa dos outros. Ou será que experiência significa exatamente confiar nos outros para atingir um objetivo comum? Não há resposta definitiva. Nesse arco eles certamente trabalharam em equipe, mas há aqueles, no anime, que trabalham sozinhos e têm sucesso (como o diretor da escola). Como alunos de assassinato sua tarefa de verão, ou seu estágio como eu já disse noutro artigo, era mostrar na prática o que já haviam aprendido. Trabalhar em situações reais mas em ambiente controlado. Se depois que os alunos foram atacados pareceu que a situação havia saído de controle o final desse episódio com os três assassinos que eles derrotaram mostrando que são apenas profissionais e oferecendo verdadeiros conselhos para a Turma do Fim provou que não: eles estavam sim em um ambiente controlado. Claro, o Takaoka é louco varrido, mas ele está lá como exemplo de mal profissional, de mal adulto se preferir, e talvez seja melhor mesmo já que o crescimento é mais do que se tornar profissional. E como o Nagisa introspectivamente aprendeu, até com essas pessoas temos o que aprender.

O Nagisa venceu o Takaoka, com a ajuda do Terasaka que impediu que ele se perdesse quando achou que tudo estava acabado. Mas a vitória foi de todos que trabalharam em equipe desde que chegaram naquela ilha. Todos tentaram matar o professor Koro e quase tiveram sucesso, alguns adoeceram, alguns ficaram cuidando deles e os demais invadiram o hotel para salvá-los, e em tudo isso cada um teve um papel a cumprir e, com a ajuda uns dos outros e o apoio de seus mestres, foram bem sucedidos. Vocês estão todos aprovados, turma 3-E, até o ano que vem no próximo período escolar!

    • Fábio "Mexicano" Godoy

      É realmente um anime fantástico. Cobri a primeira temporada aqui no blog, e a segunda estou terminando de assistir embora não tenha escrito sobre. É algo de novo no gênero mestre excêntrico que salva seus discípulos caídos. Não via algo bom assim desde GTO. Vou dar uma olhada no seu site assim que tiver um tempinho aqui (estou maluco editando o guia da próxima temporada, hehe).

      Enfim, obrigado pela visita e pelo comentário =)

Comentários