Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

O episódio começou com uma versão feminina do Shinji (Evangelion) talvez até mais triste que o original, pois nesse anime ela não tem um robô gigante para o qual se negar a pilotar, nem tem problemas de família. Ok, talvez ela tenha problemas de família, pois o episódio acaba sem que o problema dela seja revelado. Ou que ela entre para a banda, porque afinal ela não é uma instrumentista nem quer ser, por que entraria para a banda?

A única opção que a resta, então, além de se matar, é ligar para uma versão Haruchika do CVV – uma rádio. A primeira coisa especial sobre esse CVV é que apenas idosos trabalham nele, e a segunda coisa especial é que eles são horríveis em aconselhamento. Está com vontade de morrer, jovem? Que coincidência, os conselheiros também estão! É só afogar as mágoas na bebida pois a ressaca é a resposta para tudo. Que pena que ela ainda não pode beber, então que tal tentar olhar para a vida de uma forma diferente?

Curta o anime21 no facebook:

Que tal tentar olhar para Haruchika de uma forma diferente? Quero dizer, quando uma adolescente diz seriamente que quer morrer e isso vira piada eu sou forçado a tentar entender onde foi que eu errei. O pior é que eu acho que não errei. Quero dizer, adolescentes são assim dramáticos mesmo – eu era dramático e conheci casos piores que os meus.

Minha irmã faz isso comigo direto!

Minha irmã faz isso comigo direto!

O fato é que tendo vivido pouco, cada experiência parece importar muito, parece importar tudo na vida, parece insuperável e insubstituível. A primeira frustração, a primeira vez que se sente pressionado pelos pais ou que se os afronta abertamente, o primeiro coração partido. Ai! Como dói o primeiro coração partido! Parece mesmo que o mundo vai acabar. Faz sentido que adolescentes sejam excessivamente dramáticos. Se você ainda é um adolescente, não se reprima (mas não se mate, nem se mutile, nem se auto-flagele, etc).

Já adultos, e quanto mais adultos, acumulamos essas frustrações todas e a cada nova temos mais certeza que é apenas mais um fracasso. A vida continua. As contas continuam, as responsabilidades continuam, e mais importante, nós mesmos continuamos. Mas Haruchika não é sobre isso. Poderia ser sobre adolescentes aprendendo sobre isso e evoluindo, mas temo que não seja o caso também. É só uma historinha divertida sobre uma coleção de adolescentes especialmente dramáticos além da conta.

Mas aí uma conta não fecha: por um lado a concentração de angústia adolescente na banda é mais de oito mil, mas por outro eles estão perfeitamente ok em serem racionais e aceitarem concorrer pela segunda divisão do campeonato de suas vidas. Só de sua adolescência, na verdade, mas lembra tudo o que eu acabei de falar sobre adolescentes? Pois é. Haruchika, você precisa se decidir se seus adolescentes são melodramáticos ou racionais. O meio do caminho funciona também, mas aí a história absolutamente não pode ser sobre dramaticidade como tem sido até agora.

Isso também!

Isso também!

Esse episódio ainda foi especialmente fraco porque, como já disse, a personagem focal sequer entrou para a banda ou estabeleceu qualquer relação com ela. Ela não é uma música. Ela não era nada. Graças ao conselho estúpido do velho bêbado ela virou geóloga amadora, e como ex-reclusa compartilhava um vínculo de espécie (??) com outro aluno, esse sim um instrumentista (um percussionista). Que era também o amigo da Serizawa, mencionado por ela no episódio anterior. Que era também o âncora do programa de rádio dos velhos conselheiros. Que só não tem mais nenhuma coincidência porque acho que o autor não conseguiu pensar em uma. E bom, ele sim acaba entrando para a banda.

Mas por que ele era recluso em primeiro lugar? Por causa dos velhos. Ele seriamente abandonou o colégio para ficar em casa cuidando de velhos que não tinham nem família nem asilo. Mas que diabo?? Tudo bem, eu entendi, o pai dele acabou acolhendo os idosos, mas e daí, por isso ele precisava abandonar o colégio por que mesmo? Não é à toa que os velhos queriam morrer: estavam se sentindo um peso para ele. Vá lá, em sua angústia melodramática às vezes adolescentes não percebem que suas intenções provocam o efeito inverso. Para ser justo, muitos adultos continuam agindo assim. Não basta você estar bem intencionado e querer o bem para que o bem aconteça. Na maioria das vezes quando lidando com coisas que não conhecemos (e não, o Facebook não é fonte de conhecimento de jeito nenhum) muito ajudamos não atrapalhando, ficando caladinhos e quietinhos em nossos cantinhos confortáveis e inofensivos.

Enfim, suponho que com a ajuda do professor Kusakabe o pai do percussionista arranjou asilos para todos os velhos e ele poderá cursar a escola agora (mas ei, ele já podia – e devia – antes…). Encerro esse artigo com uma curiosidade: na maioria dos países do Extremo Oriente, Japão incluso, não existe um sistema de previdência social. Ou você ganha bem para economizar a vida toda e se sustentar com isso quando for velho (creio que existam aplicações em previdências privadas também) ou, o que é mais comum, sua família cuida de você. Orientais me lendo aqui me corrijam se eu estiver falando besteira, por favor, mas foi o que aprendi no Facebook, essa grande fonte de conhecimento (mentira, li em fontes muito mais confiáveis). Isso é um aspecto cultural que, no Japão, está se tornando um grande problema social conforme a população envelhece.

Isso ela faz com menos frequência - agradeço ao Monstro de Espaguete Voador que ela não seja atlética!

Isso ela faz com menos frequência – agradeço ao Monstro de Espaguete Voador que ela não seja atlética!

Comentários