Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Faltando mais ou menos 2 meses para o ENEM, parece que Altair já entrou no clima para o vestibular mais popular do Brasil. Com este episódio, tivemos o primeiro Aulão ENEM de Altair; junto de Doge Lucio, professor de Relações Internacionais formado na Faculdade de Veneza, podemos presenciar uma verdadeira aula de diplomacia e maquiavelismo. Sendo assim, aproveitando essa vibe, também iniciarei a fase pré-ENEM aqui no Anime21, que também é cultura, por sinal. Vamos nos esforçar juntos!

Curta o anime21 no facebook:

O episódio dessa semana se iniciou onde acabou semana passada, literalmente. No episódio passado, apenas vimos Doge Lucio, mas sequer houve um diálogo, o episódio acabou com a sua aparição, sendo um gancho para o próximo episódio. Então, aproveitando esse gancho passado, tivemos o tão esperado — que ninguém esperava — entre Doge e Mahmut. Como sempre, demonstrando suas habilidades de ONUman, logo Mahmut foi refutado por Doge, que apenas deu respostas óbvias, mas que o protagonista não conseguia enxergar com seus olhos tapados por sua “inocência” — e cabelos sedosos.

O protagonista, inicialmente, nem se esforçou para tentar entender o motivo de Doge não ter auxiliado a pseudo-Fenícia, o garoto literalmente já chegou metendo bronca como se fosse aquele seu amigo espertão da escola/faculdade que acredita na paz mundial, mas cai na porrada com alguém na primeira oportunidade. E como diz aquele ditado “quem diz o quer, ouve o que não quer”; Doge sentou-lhe a porrada (verbal) em Mahmut sem dó nem piedade, deixando o garoto caladinho.

Bom, apesar de eu ter gasto dois parágrafos falando dessa diálogo entre Doge e Mahmut, não pretendo continuar narrando o mesmo. Então, resumindo em miúdos, vamos olhar para esse diálogo de forma totalmente objetiva. Qual a importância desse diálogo e por qual motivo gostei tanto dele? A primeira pergunta é óbvia por si só; esse diálogo, apesar de ter sido um massacre por parte de Doge, serviu justamente para fazer novamente Mahmut abrir os olhos e evoluir como pessoa. Nosso protagonista, mesmo sendo irritante e COMPLETAMENTE cínico, não é burro, o personagem foi feito para ser inteligente — e é inteligente. Porém, ele é o tipo de pessoa, que apesar de ser inteligente, precisa de um empurrãozinho para acordar pra vida; coisa que Doge conseguiu fazer com Mahmut. A única diferença é que não foi um empurrãozinho, foi um empurrão mesmo.

O motivo pelo qual gostei do diálogo foi justamente pelo autor novamente abusar de Maquiavel na trama; dessa vez, criando um rei sábio, que não se importa em abandonar sua moral para proteger sua nação. No caso, o que ele abandonou foi a pseudo-Fenícia, que por sua vez, não deixou de abandonar uma certa moral, já que “abandonou” um aliado para não se ferrar junto. Para quem assistiu esse episódio, já pode ficar tranquilo com relação a Maquiavel, na matéria de Filosofia, pois esse episódio foi um aulão, literalmente. Aliás, esse episódio também fez referência várias vezes a “bipolaridade” das pessoas de Veneza, que além de possuírem um lado maquiavélico — pelo bem da nação — também possuem um lado mais “humano”, onde tentam pregar a moral acima de tudo. O povo veneziano é um equilíbrio entre Maquiavel e Platão; um equilíbrio entre razão e moral.

O episódio seguiu com uma pegadinha do Gugu, tendo como objetivo testar Mahmut. Sendo sincero, essa parte do episódio foi bem sem graça, então, não quero mais gastar palavras com ela. No fim, resumindo, o personagem de cabelo laranja se juntou ao grupo de Mahmut — com o objetivo de realçar a relação entre Turquia e Veneza — em sua aventura. Aliás, Mahmut, mesmo sendo um representante da Turquia, ele não manda em mais nada, mas por alguma motivo especial, todos tratam ele como o presidente do mundo, envolvendo a Turquia sem nem mesmo ela saber com quem está envolvida.

Concluindo, o episódio em si não foi ruim, mas não foi bom por todo momento. O episódio começou muito bem, mas foi perdendo o fôlego com passar dos minutos. É interessante ver que aquele cara loiro da Turquia tá em todo lugar, faz parecer que ele realmente é importante, apesar de não aparecer mais. Não acredito que Altair continuará tendo episódios regulares, então, aposto que o próximo será padrão: ruim.

Comentários