Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Esse episódio confirmou a pior hipótese: o Alessand agiu sem pensar, sem planejar nada, sem combinar com ninguém, no impulso. E esse impulso vai custar muitas vidas! Em termos de utilidade, essas serão as vidas mais inutilmente perdidas no anime até agora. E você ainda odiava o Charioce?

O Rei é um facínora sim, mas nunca esteve exatamente nos planos dele matar alguém. É só que ele mata tudo e todos que estão no caminho entre ele e seu objetivo – e a essa altura não podemos mais ter dúvida, podemos? Ele quer matar de uma vez por todas o Bahamut. Com certeza é uma das piores formas de abordar o assunto, mas existe uma série de diferenças entre seus atos calculados e o assassinato aloprado do Alessand que sem dúvida deixam o Rei em vantagem moral.

Vai lá, pode odiar o Alessand.

Curta o anime21 no facebook:

Mentira, acho que não deve-se odiar o Alessand. Mas já chego lá.

Toda a sequência muda no começo do episódio, com o Favaro encontrando o El esfaqueado e depois a Rita tentando salvá-lo enquanto todos observam (e reagem) ao redor foi de uma beleza ímpar. A Rita lutando com todas as forças contra as chances, contra o destino. Ali na mesa o El ainda reage através de espasmos que ao invés de dar esperança de que ele vá sobreviver, fazem-no parecer ainda mais próximo da morte. A mãe rezando. Todo mundo perdido, sem entender o que aconteceu ou porquê. Todos se agarrando a uma débil esperança sem fundamento. Até que, sem cerimônia, sem palavras de despedida bonitas, sem um sacrifício redentor ou martirizante, El morre. Mugaro morre.

Me corrijam se eu estiver errado, mas acho que nunca, nas duas temporadas (bom, na primeira não faria sentido mesmo), vi o Azazel chorar. Ele lamentou profundamente e se arrepende da tentativa de atacar o Rei que resultou na morte de tantos demônios. Ele visitou o local do desastre (com o Mugaro, não menos), mas não chorou. Nesse episódio nós vimos um demônio chorar. E uma mãe inconsolável que passou a noite inteira acordada, atônita. Do seu lado, uma deusa, que nenhum milagre podia fazer. A Nina claramente entra em negação (como a Joana, aliás).

A segunda fase do luto é a raiva, e o Azazel pula direto para ela, como bom demônio que ele é. É seguido por Joana D’Arc e Nina. Os três estão furiosos. A mãe e o pai adotivo estão trazendo seus povos inteiros para a guerra. Anatae vai tremer. Sem o rei e o Dromo na cidade, e possivelmente parte dos Cavaleiros de Ônix, a cidade está pouco mais do que indefesa. Ou acha que a guarnição restante sob ordens do capitão dos Cavaleiros de Ônix vai conseguir dar conta de segurar deuses e demônios? Quem mais sofre é o povo. Joana D’Arc instiga a rebelião – no que será seguida por humanos e demônios, vai ser divertido de ver. Os deuses podem afirmar ser benevolentes, mas os demônios não serão. Não haverá para onde fugir. Dois exércitos sobrenaturais estão em uma corrida para ver quem chega primeiro à capital humana, e nenhum deles está bem intencionado.

A Nina, por sua vez, não tem um exército. E talvez ela não precise, sendo quem é, tendo a relação que tem com o Rei. Ela permaneceu no esconderijo tempo suficiente para descobrir, através de Kaisar, que Charioce partiu para Aboth. Que bom que ela não vai ficar na cidade? Não. Que pena que ela não vai ficar na cidade. Anatae ficaria grata se houvesse alguém tão poderosa quanto a Nina protegendo-a enquanto hordas demoníacas e celestiais arrebentam-se contra os muros da cidade. Mas Nina partiu, e agora quem vai ajudar a organizar a resistência são Kaisar, Favaro, Rita e Diaz. Alessand supostamente também, já que ele virou o capitão da Ordem de Órleans, não é? Como se ele estivesse em condições de fazer isso.

No fundo, Alessand é só um pobre coitado de um covarde. Ele teve uma chance única, brilhante, para trair os heróis: o baile. Ele poderia ter se tornado o “Herói de Anatae” que salvou o Rei de um atentado organizado pelos mesmos terroristas que já tentaram atacá-lo antes, foram presos e fugiram. Se tudo o que ele queria era glória e fama para usar como moeda de troca para entrar para os Cavaleiros de Ônix, isso seria mais do que o suficiente. Melhor planejado, inclusive, seria mais garantido. Por que ele não traiu os heróis na infiltração no castelo? Bom, além de ser mais conveniente para o roteiro, claro. Resposta: porque ele é um covarde. Kaisar em pessoa foi procurá-lo e o meteu no plano. Ele teve tempo de pensar, e por causa disso não teve coragem de agir. O assassinato, por outro lado, foi uma oportunidade inesperada que surgiu diante dele e que ele, como bem vimos, não pensou nada – apenas foi lá e fez. Já estava arrependido tão logo havia terminado. Descobrir que ser um Cavaleiro de Ônix não era nada glorioso apenas o lançou de vez na insanidade. E essa criaturinha lamentável chamada Alessand está escalada para ser uma das grandes comandantes na defesa de Anatae.

Isso é digno de seu ódio?

Pensando de novo, pode odiá-lo sim. Eu mesmo não sei como me sinto a respeito. Apenas tente entendê-lo, porque entender mesmo os detalhes mais sórdidos e doloridos é também parte fundamental para entender o todo. Vejo que muita gente ainda não entende o Charioce, e muitos não entendem sequer a Nina. É a mesma coisa: tente entender. Pode ficar com raiva depois de entender, mas se coloque no lugar do personagem e pense se você agiria diferente. Se coloque de verdade no lugar do personagem. Seja o personagem, e não apenas troque-o por você, com sua experiência, conhecimento e visão de mundo. Saiba o que ele sabe e pense como ele pensaria. Você ainda consegue dizer que, com certeza, agiria diferente? No caso da Nina e do Charioce, eu consistentemente acredito que não. O Alessand é mais complicado, e penso se não foi colocado na história dessa forma exatamente para desviar a atenção dos demais personagens.

Comentários