Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Em 1994, um homem berrou a seguinte frase: “É TETRA!! x4”. Exato! Eu estou falando de ninguém menos que Galvão Bueno, um narrador extremamente dependente de atenção — assim como um bebê de 3 anos. Porém, esse não é um artigo sobre o Galvão — até porque se fosse eu provavelmente seria processado — na verdade, estou aqui com a minha cara lavada para resenhar sobre o episódio final de Sagrada; episódio esse que me fez gritar “É TETRA!!” igual um certo narrador — que não citarei mais o nome por medo de ser processado.

Curta o anime21 no facebook:

Por que eu estou tão feliz com o final de Sagrada, você deve estar se perguntando. E respondendo de maneira curta e direta, eu tenho apreço pela minha vida. É isso mesmo que você leu, se Sagrada não acabasse hoje, tenho certeza que a minha mente já estaria tão poluída quanto o rio Tietê. Sendo sincero, eu espero que esse site me disponibilize um psicólogo depois, pois aguentar Sagrada e Altair ao mesmo tempo é o mesmo que ser imortal e ficar preso dentro de um tanque com ácido. Esse final de Sagrada, além de ser menos um peso nas minhas costas, também representou o enchimento dos meus brônquios, uma nova fungada em busca da vida. Que exagero, você deve estar falando… e com toda certeza você tem razão, eu estou exagerando, mas você não acha que Sagrada também exagerou na dose? Veja bem, caro leitor! Esse anime me fez perder 10 semanas com absolutamente nada, e quando finalmente teve o iniciamento de um plot “sério”, tudo foi perdido em bullshits, furos de roteiro e diálogos estranhos. Não, Sagrada não foi horrível por total, eu admito que existem momentos bons nesse anime, mas existem tantos momentos ruins, que os momentos bons nem parecem tão bons assim.

Bom, apesar de ter mais de mil coisas para criticar em Sagrada Reset, esse não é o objetivo deste artigo. Eu estou aqui — com o imenso prazer — de comentar sobre o episódio 24 de Sagrada, que por sinal, foi completamente aceitável. O final de Sagrada não foi grandioso, mas também não foi ruim, assim como disse: foi completamente aceitável. E o que exatamente foi esse “final aceitável” de Sagrada? Foi a Soma de birrinha porque não conseguiu virar namorada do Kei. Sim, foi isso mesmo! O final de Sagrada Reset foi exatamente esse! E antes que você ache estranho eu achar isso “aceitável”, é importante notar que essa “Soma” sempre foi assim; desde o início, ela sempre queria agradar o Kei e nada mais, e não era mistério pra ninguém que ela gostava do Kei e que — provavelmente — já sabia que seria trocada pela Haruki. A garota — como uma garota comum — sofreu por ter tido seus sentimentos correspondidos e simplesmente fez birrinha. Simples e prático.

Ah, é… Aquele final do episódio passado com ela desmaiando não foi nada demais, apenas um cliffhanger pra você ficar pensando “será?”. Por que digo isso com tanta autoridade? Ora, ora, mocinho, parece que você não acredita no tira aqui! cuspo no chão. Porque não serviu de nada, ela não estava doente ou coisa do tipo, apenas estava triste porque sabia que não conseguiria vencer Haruki. De alguma forma não explicada, ela entrou em coma — por vontade própria — e fim. Na verdade, graças ao Kei, que conseguiu fazer ela ir pro hospital, ela conseguiu entrar em contato com Chiruchiru, que a tornou em uma deusa naquele mundo dos sonhos.

EI, VOCÊ AÍ, VOCÊ MESMO, OTAKU! VOCÊ QUER GANHAR UM MILHÃO DE REAIS? SE INICIA AGORA O “QUEM QUER SER MILI*NÁRIO” DO ANIME 21! A pergunta é simples: se o Kei não tivesse levado Soma para aquele hospital, como diabos ela entraria em contato com o Chiruchiru e como conseguiria conversar cara a cara com Kei e Haruki?

  • (A) Ela viu o futuro.
  • (B) Conveniência, meu caro.
  • (C) Furo no roteiro.
  • (D) Sei lá!

E então? Já sabe a resposta? Então guarde-a para você! Ah, não, eu definitivamente não te darei um milhão!

Deixando as incoerências e conveniências de Sagrada Reset de lado, vamos partir para o que interessa: os créditos. Não, brincadeira, foi uma piada, certo? Sabendo que a Soma estava no mundo dos sonhos, Kei e Haruki foram atrás dela, e assim que chegaram lá, foram separados pela própria Soma — já que agora ela é uma deusa, pode fazer esse tipo de coisa. Já separados, Soma conversou individualmente com cada um; tentou convencer Kei e ludibriar Haruki. Mas, ela não conseguiu fazer nenhum dos dois. O momento do diálogo entre Haruki e Soma foi excelente, ver a protagonista sem emoções demonstrando emoções é uma evolução e tanto para a personagem — que antes parecia mais morta do que viva. A parte do Kei com a Soma também foi muito boa, ele confrontando a garota enquanto tentava fazer ela acordar pra realidade foi certamente muito bom. Aliás, se essa é a Soma real, então POR QUE DIABOS ELA SE MATOU? E POR QUE DIABOS O DETECTOR DE MENTIRAS DA MULHER NÃO FUNCIONOU? EI, ROTEIRISTA DE SAGRADA, SÉRIO?!

Eu já escrevi bastante, não acha? Posso encerrar por aqui? Óbvio, né? Então é o seguinte, rapaziada, Sagrada acabou e teve um final aceitável. O anime foi horrível do início até a metade e foi ruim da metade ao fim. Sagrada tem poucos momentos memoráveis, mas por incrível que pareça, esses poucos momentos foram excelentes. O que Sagrada deixará em meu coração? Ódio? NANI?! Óbvio que não! Eu não guardo esse tipo de sentimento mesquinho; Sagrada já me fez rir bastante com seus furos de roteiros e diálogos aleatórios. Eu realmente vou me lembrar de Sagrada por um bom tempo. Perceberam que eu tô repetindo “Sagrada” toda hora? Lá se foi o meu 1000 no ENEM… Bom, é isso, o episódio só foi isso mesmo. No fim, dá a entender que o Kei ficará junto de Haruki e que Soma se tornará assistente de Kei com relação ao funcionamento da cidade. Sagrada acabou do mesmo jeito que começou. Apenas aconteceu.

Comentários