Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Tivemos uma batalha intensa onde muita coisa aconteceu, muita coisa está em jogo e muitas decisões foram e deverão ser tomadas. Touta está tendo que enfrentar vários inimigos por motivos diferentes e mesmo assim, ainda não está claro qual é o real objetivo de cada lado (apesar de termos algumas boas pistas) e com isso, a batalha que pode definir o destino do universo continua a todo vapor. Será que Touta é suficientemente forte para superar seu avô em força? Ele pode conquistar de vez Yukihime e com isso fazê-la esquecer de seus amores passados? Bom, espero que sim.


Anime21 Diário

Informe o seu e-mail para receber gratuitamente as atualizações do blog!


Muitas vezes quando lia comentários sobre o mangá eu via pessoas declarando uma grande preferência por Negi em relação a Touta. Evidentemente, ambos são diferentes em todos os aspectos, desde as necessidades a sua volta quanto em personalidade. Apesar da grande diferença em relação ao mangá, no anime Touta vem misturando maturidade com “shounenlidade” (síndrome de protagonista de shounen), ou seja, cabeça oca que só pensa em lutar e é extremamente tapado. E por boa parte ele parece ser isso mesmo, apenas mais um genérico personagem principal que numa comparação rápida com seu antecessor, é inferior. Sem esquecer que eles têm seus momentos de “shounenlidade”.

E se por um lado o mangá “demorou” para mostrar o diferencial de Touta, o anime por N questões tratou de mostrar quando mais precisava, no confronto com seu antecessor. Comparações infelizmente são inevitáveis e particularmente eu tenho meu preferido (Touta), mas o que eu gostaria de frisar seria o amadurecimento de Touta, ou melhor, a aparição desse lado dele. Um dos maiores erros do anime vem sendo esses fatores que brotam do além, seja na personalidade dos personagens, seja na história ou no que for. Se não me falha a memória (meio difícil isso não acontecer), Touta nunca mostrou um real interesse amoroso por Yukihime até então, afinal, nesse episódio tivemos uma disputa nessa área (ainda que tenha sido indireta).

#TEAMTOUTA

Um exemplo muito interessante da maturidade de Touta foi quando lhe foi mostrado o flashback contendo momentos da vida de Yukihime. Mesmo tendo visto tais momentos de sua amada (considerando que ele ame ela), ele simplesmente sentiu-se satisfeito ao vê-la sorrindo verdadeiramente. Pode parecer tosco e uma ação de corno, mas acredito que se fosse um Asta da vida teria feito um escândalo tosco e infantil (nada contra o Asta). Porém, algo que vale destacar é a participação de Yukihime nesse processo. Nesse em específico pudemos ver vários lados vulneráveis nela que até então, estavam ocultos e por isso, os verdadeiros sentimentos e as lembranças esquecidas retornaram devidamente ao seu lugar.

E se tem algo que UQ Holder vem entregando muito bem é a questão da nostalgia. Como se não bastasse o aparecimento de várias personagens, Asuna, uma das mais importantes da primeira série, apareceu para ajudar seu “neto”. Apesar da explicação rápida, é visível que sua aparição foi muito mais uma jogada de nostalgia do que propriamente de necessidade. Sim, ela ajuda com dicas valiosas, mas será que Yukihime realmente não sabia de nada daquilo? Ou enfrentar seu antigo amor era um estorvo demais para sua racionalidade? Jamais saberemos e provavelmente ninguém liga, afinal, o importante é o aparecimento de Asuna mesmo.

Por fim, temos a Maga do Início. Sendo ela a maior vilã da série como um todo, é quase 100% garantido que sua derrota não aconteça nessa batalha. Sinceramente é bem difícil prever qual será o resultado desse combate que ambos os lados apresentam forças similares ou estratégias que complementam bem suas fraquezas. Fato é que Negi e a maga do início vêm mostrando uma força absurda que abusa de técnicas variadas para obter a vitória e consequentemente, Touta. Se eles irão obter sucesso? É o que veremos no próximo e último episódio.

Comentários