Eu juro que queria ter outra opinião em relação a este episódio de Garo: Vanishing Line, que não fosse “simples, mal encaixado e previsível”, mas não, é exatamente esse o “gosto” que o episódio 11 deixou na minha boca.

Vamos por partes. A cidade em si e a relação que os moradores têm para com a política implantada no local é realmente interessante, o clima mais ou menos velho oeste é bacana, principalmente quando funciona como “quebra” de mesmice. No entanto, desde que o Cavaleiro Negro veio atrás da Sophie e não conseguiu cumprir a missão que lhe foi passada pelo Rei de Eldorado, já era extremamente previsível que mais cedo ou mais tarde outro personagem iria aparecer com a mesma missão. Ao menos, é o que eu já estava esperando. Só não esperava que isso seria feito de uma forma tão “qualquer coisa”, ou porco, por assim dizer. Se o conceito da cidade, moradores, política e afins tivesse sido mostrado antes ficaria bem melhor, visto que sim, devem ter dificuldades para entrar no território do Rei, afinal, ele é um Rei, não é mesmo? Porém, esperava que isso fosse feito de uma forma mais elaborada e empolgante. Os últimos episódios foram tão bons, tão empolgantes… É, talvez isso tenha me iludido um pouco. O maior erro deste episódio foi ter sido o 11 e não o 5.

O maior acerto do episódio foi trazer a Gina de volta, mas para mim, isso também era previsível. E nem mesmo o novo personagem foi apresentado de uma forma que causasse algum tipo de curiosidade no espectador, sendo realmente um sentimento de total tanto faz. A única parte que o novo personagem fez alguma diferença é por ter chamado a Sophie de princesa, e se realmente for o que parece ser, então o irmão dela deve mesmo ser o Rei de Eldorado como eu havia chutado no ar algumas semanas atrás, e sim, espero que realmente seja isso, ficarei na torcida, apesar de parecer óbvio a essa altura do campeonato da temporada.

A qualidade de animação e trilha sonora foram muito pouco exigidas aqui, mas muito pouco mesmo. A consistência na animação tem se mantido. A luta foi extremamente rápida e mais uma vez, usarei “qualquer coisa” para definir algo neste episódio. Mas admito, foi uma “qualquer coisa” totalmente explicável e quem sabe até necessário, porque eu reclamaria depois quando lembrasse que o Rei mandou alguém atrás da Sophie e após o fracasso, ele desistiu completamente dessa ideia, e não apenas isso, seria praticamente ignorada.

Garo: Vanishing Line demorou para estabelecer seu foco, mas os iniciais apesar de apresentar alguns problemas que eu já mencionei, não são em si dispensáveis, pois apresenta personagens novos e desenvolve-os, e isso não é de modo algum um erro. E como já dito, esse episódio não é de todo ruim, mas com certeza é mal encaixado.

Com uma ideia que já vimos, o horror enganou as pessoas e fez todo mundo acreditar que o Sword era um sequestrador e a Sophie era sua vítima, e isso foi um dos pontos que gostei no episódio, porque ele faz o básico que ele já fazia antes, mas usa isso bem, fazendo as pessoas realmente acreditarem no horror sem parecer forçado em momento algum, apenas estavam seguindo um falso líder, e isso nós conhecemos bem, certo?

E para os próximos episódios, eu espero muito que o Luke se reúna aos demais para ir à Eldorado, o que realmente deve acontecer em breve. Esses próximos acontecimentos para os quais o anime parece estar se encaminhando prometem ser interessantes, porém, vou segurar as expectativas aqui para que eu não me decepcione, visto que eu me empolgo com coisas bobas e me decepciono com coisas – às vezes – mais bobas ainda. Ademais, é isso pessoal, até a próxima semana.

  1. Como dizem por aí, não crie grandes expectativas, senão, decepção vem e o gosto sai amargo.

    Até que foi um bom episódio, não excepcional,mas, coerente pra sua trama. Senti literalmente que estava numa destas cidades do Velho Oeste, um clima tranquilo e com seus habitantes bem próximos; até puseram a velha piadinha do Sword quando vê mulheres com seios grandes e comendo uma carne grandona, bem nostálgico. Fiquei surpresa pela entrada da Gina e de como o horror deu um jeito de deixar o nosso protagonista de mãos atadas, isso mostra que nem todo horror é só um monstro sem cabeça pra pensar numa estratégia.
    Não sei o que virá,mas, temos certeza de que haverá um final e mantenha o ritmo, mesmo que acabe desapontando com alguns dos seus rumos.

    • É, perfeito não é, mas no geral até então, está se mostrando um anime bacana de ser ver. Ao menos, tem momentos muito empolgantes e não fico com uma sensação de perda de tempo enquanto vejo.
      A ideia do episódio em si é sim bem executada, também concordo nesse ponto. O problema para mim, é no momento que ele executou a ideia.
      (E vou tratar de não esperar tanto hauhaua.) Obrigado pelo comentário. Até mais!!

Discussão