Espero que até o fim do anime já tenha se tornado repetitivo falar o quanto ele é bom e o quanto é capaz de ir melhorando ao longo dos 20 e poucos minutos de cada um de seus episódios. Para quem esperava um fanservicezinho no curto trecho de praia ou um clima bem slice of life com comédia o episódio todo, eu digo: no no no, pois tivemos sim uma primeira metade bem leve e divertida – onde o fanservice continuou sem ter a sua vez –, mas a segunda seguiu com o trabalho de unir construção de personagem a um clímax emocionante, onde a Silence Suzuka gritou para o mundo inteiro ouvir!

Por um mundo com episódios – ou trechos – de praia divertidos e sem fanservice!

Confesso que por um momento esperei garotas de biquíni e situações constrangedoras, mas não, Uma Musume não precisa disso para “vender o seu peixe”, sendo que até o breve trecho em que elas estavam na praia teve utilidade para o treinamento delas e deu uma incrementada na carta que a Special Week escrevia para a sua mãe, a qual já nessa hora apontava qual seria a estrela da vez: Silence Suzuka, que agora mostrava outra expressão e atitude em comparação ao começo do anime.

O episódio foi focado na Suzuka, mas após diversas emoções nas últimas semanas, um momento de descontração entre as garotas cairia bem, não acham? E quer coisa melhor para pôr as personagens em situações divertidas e/ou que expressem a forma como aproveitam seus momentos de lazer e interagem umas com as outras que um festival? Japoneses adoram festivais e com as garotas-cavalo não poderia ser diferente. Esse teve direito a café temático, competição por prêmios, barraquinhas e vendedoras ambulantes, além de belos fogos de artifício. Pacote completo para um festival japonês!

“Os Mordomos mais rápidos de Leste a Oeste ao seu dispor, Ladies!”

Mesmo que a rivalidade entre a Vodka e a Daiwa Scarlet não seja nada criativa e nem madura como a da Spe-chan com suas rivais de pista, a forma como ela é abordada não chega a incomodar muito, visto que não interfere no ambiente em volta delas. É mais ou menos como a piada da cenoura, que também não costuma ser usada de forma muito criativa, mas são apenas flashes cômicos com isso – não é como se eles estragassem algum momento. Aliás, no episódio passado as “cenouras” da Spe-chan em sentido figurado foram um aproveitamento útil dessa piada, o que, por exemplo, me anima por uma explicação do porquê a Daiwa e a Vodka são assim. Talvez seja uma rivalidade de infância?

No fundo, no fundo, elas se adoram demais que eu sei!

A divisão do grupo em células menores, em que cada uma aproveitou o festival a seu modo, foi algo bacana para mostrar como elas se divertem. Até aí nada de novo ou especial, mas que no caso da Tokai Teio ou da Gold Ship pode ser explicado – até por ser algo recorrente – se olharmos um pouco para a história dos cavalos de corrida que as inspiraram. Symboli Rudolf é pai de Toukai Teio e Mejiro McQueen avô de Gold Ship, e é por isso que as integrantes do Time Spica gostam tanto das garotas que herdaram os nomes dos cavalos que foram seus parentes no “outro mundo” – o nosso mundo.

Inclusive, alguns resultados de corridas se aproveitaram de fatos reais e outros detalhes os tomaram como base, mas isso quer dizer que a história do anime será apenas um checkpoint para as carreiras dos cavalos de corrida usados como inspiração? Eu espero que não, pois, mesmo que a execução da trama esteja muito boa, isso pode acabar limitando o potencial que ela tem. Se basear em fatos reais não é ruim, mas se deixar guiar muito por eles em uma história que sequer é uma representação fiel da história de quem a inspirou pode minar o divertimento do público por entregar o que acontecerá.

Voltando à primeira parte, ela termina bem com a revelação do que estava pesando no coração da Silence Suzuka. Eu esperava que ela tivesse algum problema de saúde, uma lesão que escondia ou que tivesse que deixar de correr por assuntos familiares, mas não, era exatamente o contrário, ela quer correr mais e mais e ser ainda melhor, não sendo só grande a nível nacional, mas grande a nível mundial também. Assim como a sua adorada Spe-chan, que com a convivência a fez se soltar cada vez mais, ela tem um objetivo e busca realizá-lo, só que para alçar voos maiores vai ter que deixar o lugar em que se encontra. Mas ela não fará isso triste e sim tendo recuperado o prazer pela corrida.

Não é que o time anterior dela era ruim – até pelo carinho e o cuidado da técnica dele com a Gross Wonder a gente vê que o ambiente lá também é bom, apesar de diferente –, mas era um ambiente em que ela não conseguia se divertir correndo e após entrar no time Spica, treinar sob supervisão diferente e conviver com um grupo tão unido, variado e agradável; ela mudou e isso também a fortaleceu – força que usou para conseguir sua vitória absoluta –, assim como a trouxe satisfação.

“Agora eu recuperei a alegria de correr, e foi graças a você, Spe-chan!”

A corrida da segunda metade em si foi muito boa, talvez não tão emocionante porque nas horas em que a ponta parecia ameaçada a Silence Suzuka não deu sequer um vislumbre de que poderia perder a liderança, mas boa por ter dado um pouco mais de profundidade a agora derrotada El Condor Pasa e a ex-lesionada Gross Wonder. Uma estava invicta, mas agora perdeu, perdeu e sentiu a diferença entre ela e outra garota-cavalo que a venceu completamente; já a outra passou 10 meses lesionada – aliás, uma lesão para uma garota-cavalo parece algo muito ruim para a carreira, então espero que ao menos as integrantes do time Spica não passem por isso – e não foi capaz de competir no mesmo nível. Perder faz bem, fez bem para a Spe-chan e espero que faça bem a essas personagens também.

Agora o que temos é a Spe-chan se preparando para a sua próxima corrida, já sabendo o que afligia a amiga, vendo o quanto ela se tornou ainda mais forte e como terá que se esforçar muito se um dia quiser vencê-la; A Silence Suzuka visando vencer a nível mundial, mas antes disso tendo que vencer a Tennoushou que se aproxima; as derrotadas do time Rigil que se fortalecem após um tropeço e mais e mais garotas-cavalo – principalmente do time Spica – a serem exploradas, assim como as corridas das quais elas participarão. Para o próximo episódio espero mais boas corridas, que as protagonistas brilhem – mas não se esquecem das coadjuvantes – e que o anime continue simples desse jeito, porém bem escrito, divertido e cativante – tudo o que ele precisa ser. See you next SPECIAL WEEK!

P.S.: O cavalo que inspirou a Special Week faleceu dois dias antes da exibição desse episódio e a ele deixo aqui minha singela homenagem. Descanse em paz! Você está sendo muito bem representado!

Descansa em paz Special Week (02, 05, 1995 – 27, 04, 2018). Seu nome está em boas mãos!

Discussão