Acompanhamos neste episódio duas coisas excepcionalmente importantes e, outra nem tanto, porém, ainda assim, extremamente engraçada. Uma destas coisas é o primeiro dia de trabalho, adaptação e percepção de mudança da Anzu, que assim como mostrado no episódio, será a primeira coisa a ser falada aqui neste artigo.

É interessante ver a percepção da Anzu, sendo que até então, como ela mesma disse em certa cena, a mesma não havia percebido a mudança que ocorreu em sua vida ainda. É claro que demora um pouco para percebemos que a nossa vida deu um grande salto; um dia qualquer ela estava na rua catando latinhas para sobreviver e dormindo em um barraco pouco digno, e agora ela tem comida sem precisar trabalhar – digo, ela até trabalha, mas convenhamos, ela trabalha por querer, ela foi muito bem instruída assim, por mais que eu não concorde que criança precise trabalhar, é uma ótima lição de honestidade neste caso –, tem também um quarto com tudo que ela precisa para ter um bom aconchego, e claro, agora tem uma família, digo, um pai e uma mãe.

Ela continuar aprendendo sobre trabalho e interação com pessoas é mais uma boa ferramenta para desenvolvimento desta personagem que, por mais que exista pessoas que não gostem tanto dela quanto eu, é inegável que ela é de fato muito mais alvo da preocupação de desenvolvimento de personagem do que os demais.

Agora sobre a Hina! Devo dizer que não posso achar exatamente “condenável” o jeito de querer ser do grêmio estudantil, mas não arcar com suas reais responsabilidades, pois quando ainda estudava, eu fui representante de classe e membro do grêmio estudantil por 1 ano inteiro e nunca, jamais apareci em 1 reunião sequer. Quem sempre comparecia era a minha colega que era vice representante. Bom, na verdade eu só me inscrevi para tal cargo por querer brincar mesmo, digo, não brincar com os afazeres, mas brincar com a situação, afinal, nunca pensei que eu fosse ganhar nas eleições.

Por mais que haja pais que fazem muito bem o seu papel, é claro que uma criança tem tendência a querer saber como é ter uma mãe, certo? A figura materna me parece muito mais próxima das crianças do que o pai, claro, por mais que seja um ótimo pai. Pelo menos até onde eu consigo observar na minha família e na família de amigos, a maioria dos homens está muito mais ocupado trabalhando para colocar a comida na mesa e as mulheres sempre mais afetivas com os filhos, por mais que também tenham seus empregos. Meu pai e a minha mãe sempre trabalharam e meu irmão e eu ficávamos com uma babá, e mesmo após um dia cansativo de trabalho, minha mãe acabava passando muito mais tempo com nós do que meu pai, que na maioria das vezes até dava um abraço e um beijo, mas não ficava de fato passando um tempo. Então, apesar do Nitta ser um bom pai (apesar dos apesares), a Hina sente uma lacuna que precisa ser preenchida por uma figura materna, afinal, tudo deve ficar mais “propenso” a partir do momento que colocamos na cabeça que a Hina é uma menina, não um menino.

Me preocupa o caso da Hitomi, pois ela é uma personagem para situações. Onde cabe ela, a pobrezinha é jogada, e apesar de por vezes render algumas boas cenas, é um tanto maldoso! Mas bem, ela de fato é eficiente no que é exigida, afinal, Hinamatsuri tem um ótimo trio para mostrar! Não é como alguns outros animes que eu ficava realmente interessado em ver a esquete de um determinado personagem e de algum outro eu sentia vontade de nem ver.

Por que coloquei este título “Coração de pedra é com soco que se esculpe”? Bom, na verdade é um trecho de uma música, mas ela foi modificada, pois o original é “coração de pedra é com porrada que se esculpe”, e acabei optando por ser mais amistoso e colocar “soco“. Digamos que a Anzu foi moldada até aqui, de modo que se você comparar com o primeiro episódio, ela é um tanto diferente, claro, ela foi vivendo e aprendendo até esculpir a pessoa que ela é, apesar de nunca ter sido uma pessoa de fato má.

O resto é história…

O nome da música é “Fogo Amigo” do rapper LetoDie.

  1. Foi um ótimo episódio com um presente dos desenhistas da equipe de criação com um delicioso fanservice da Anzu-chan, que me faz querer cada vez mais assistir o episódio de praia., Nita leva um grande pé na bunda da Utako e o anime aborda muitas questões e cenas do pedaço da vida das pessoas mais velhas, estes fatos tornam o anime cheio de referências que nos fazem refletir e pensar além de dar boas risadas, episódio 5 estrelas, Anzu-chan eu te amo melhor personagem do anime, bom se o autor do artigo não gosta da loira de olhos verdes mais interessante do anime eu gosto!

  2. Já começa a fica difícil em encontrar palavras para descrever os episódios de Hinamatsuri, mas este episódio 7 foi muito bom e engraçado nas partes em que a protagonista Hina apareceu com o seu jeito especial.
    Antes de passar directamente para as partes da Hina, tenho que elogiar a parte em que a Anzu apareceu, ela finalmente encontrou um lar estável e os pais adoptivos dela são nota 10 (chegou a dar dó, quando a Anzu quando lavava a loiça do restaurante, ter lavado os hashis descartáveis, tal como o Yassan a tinha ensinado. Por sorte o dono do restaurante, explicou calmamente para ela, que ela já não precisava mais reciclar os hashis). A parte do Niita no restaurante chinês e a iteração dela com elem foi muito boa (a cara de espanto da Anzu, quando abriu a caixa registadora e viu um monte de nota, foi bem engraçado e triste ao mesmo tempo).
    Passando para a Hina, por momentos revi-me nela, na questão da hora de almoço e da cantina, na minha altura de estudante, as senhoras da cantina eram bem mesquinhas nas quantidade de comida que serviam. Pelos vistos no Japão é a mesma coisa. Eu concordei completamente com o discurso da Hina, se todos os presidentes do grémio estudantil fossem como ela, a vida dos alunos iria melhorar imenso (a cara do Niita, ao ler aquele discurso, foi impagável). Eu não queria acreditar, que um advogado da Yakuza fosse escrever um discurso, os chefes do Niitta, mesmo sendo mafiosos, são super gente boa.
    A Hitomi, mesmo sem querer, acabou arrastada pela ideia estapafúrdia da Hina, a Hina não ganhou o cargo de presidente, mas ganhou o cargo de secretária, mas estava na cara que ela nunca iria aparecer no grémio, a Hitomi é que ficou com a responsabilidade às costas (o que gerou mais caras épicas da Hitomi).
    Por último, por momentos fiquei tocado com a atitude da Hina, em arranjar um encontro entre a Utako e o Niita. Mas o Niita estragou tudo, que ideia foi a dele, em passar o encontro todo a falar da Hina, ele mereceu o pontapé na bunda que a Utako deu nele.
    Como sempre, mais um excelente artigo, de Hinamatsuri Carlos Souza.

      • Espero o mesmo. O Niita mesmo sendo um mulherengo, ele não é má pessoa e a Utako com aquele jeito dela, também me parece ser boa pessoa. Se os dois ficarem juntos, Hinamatsuri será um dos animes que me recordarei durante muito tempo.

Discussão