O mundo do beisebol está cada vez se tornando mais amplo por conta deste anime. Geralmente são explicadas apenas a mecânica dos jogos e como cada time fica quando ganha ou perde. Mas nesta obra são mostrados os diferentes caminhos percorridos depois que se sai do ensino fundamental/médio e faculdade e o que o jogador pensa sobre a sua aposentadoria. Não é à toa que Tohko-san, com 32 anos, acabou de sair da Liga Inferior e ir para a Principal e Kitamura-san, que é um jornalista da Liga Principal que escreve para a Doyo Sports, foi escalado para observar todos os passos de jogadores que mudaram de rumo.

Gurazeni também explica um pouco mais sobre como funciona o beisebol e que esse mundo esportivo é cruel. Um receptor da Liga Principal é substituído por um da Liga Inferior. Como as mãos dele são super importantes para o jogo (até porque é ele quem precisa receber as bolas e jogá-las de volta ao arremessador, ou até mesmo a um dos laterais quando quer impedir uma corrida), não faz sentido ter um que ou está indo mal o suficiente para ser rebaixado, ou um que quebrou um dedo. Então Tohko-san foi colocado no lugar de um deles. Eu não fazia ideia de que eram 3 receptores no máximo. Para mim, era um principal e outro reserva, mas esse terceiro é novidade. Mais novidade ainda foi um receptor com poucas características marcantes o substituir… Bem, poucas até agora.

Ao contrário que Bonda pensava, Tohko vai ser um receptor ao invés de apenas rebatedor destro. Como oitavo rebatedor, ele não precisa ser tão bom ou rápido, mas é necessário para ceder algumas corridas.

E como a carreira de Tohko está indo de mal a pior em algumas partes (por exemplo, ele não sabe liderar contra alguns jogadores), Nakamura dá dicas do que fazer depois que o receptor (que não aparece na Liga Principal desde muito tempo) decidir se aposentar. Atualmente, ele ganha 5 milhões de ienes por ano, diferente de seu amigo, que ganha muito bem por conta do caminho escolhido. E não é à toa que ele pediu para que Tohko seguisse outro rumo, pois ele ganharia o mesmo de hoje e trabalhando em algo que, talvez, tivesse mais talento, mesmo não tendo experiência alguma.

Meter o bedelho e mostrar ar de superioridade nem sempre é o melhor caminho, mas Kitamura estava pensando no bem do amigo, de certa forma.

Mas o que não contavam é que sua participação seria muito importante, e como ele havia melhorado. Não é à toa que ele rendeu várias corridas para os seus companheiros de time e também boas táticas para todos, inclusive Bonda. No início, a liderança de Tohko estava muito ruim, e depois mostrou completamente o contrário: que ele é muito melhor que todos imaginavam, e que não ia se aposentar tão fácil assim. Apesar das aparências, é um excelente jogador. Claro, não tanto quanto o receptor principal do time, que é bom em tudo o que faz, mas com certeza o seu avanço foi muito visível, e acredito que estará por ainda mais tempo na Liga Profissional.

Agora, Tohko se sente mais confiante, e Bonda também. É necessário que a bateria tenha essa sentimento.

Como Nakamura é um jornalista de Liga Principal, ele nunca está de olho na Liga Inferior, então pensou que Tohko estava competindo com o mesmo espírito de sempre, e sua melhora fez com que abrisse os olhos e visse os jogadores por outra ótica. Podemos ver até que os olhos de Nakamura ficaram bem mais abertos após ver a evolução de seu amigo, mas duvido que vá largar o osso do jornalismo da Liga Principal.

Aquele momento que você sabe que o seu amigo fez as escolhas certas, mas não quer admitir e quer sair por cima.

O episódio foi muito bom, e não tem me desapontado. Acredito que essa ótica diferente que o beisebol é mostrado também é importante porque, geralmente, mostra jogadores de ensino médio e faculdade, e não a época em que todos precisam pensar em qual caminho seguir: se é de jogador, se é de comentador, ou se é de jornalista esportivo.

Muito obrigada por quem leu o artigo até o fim, e nos vemos no próximo!

Discussão