Outro excelente episódio de um anime excelente, o que foi possível mais a outros personagens que integram o Império do que ao próprio Reinhard ou seu braço direito, pois Oberstein e até mesmo o Imperador mostraram suas asinhas e tornaram a trama mais interessante. Vamos heróis galácticos!

Kircheis não deve ser o braço direito de um estrategista brilhante por acaso, e se tinha conhecimento sobre as características do inimigo traçar uma estratégia que se encaixasse na situação e servisse ao seu benefício não seria impossível. Foi o que ele fez e a Rebelião Castrop foi contida de modo a tanto fazê-lo ser reconhecido e, ao menos razoavelmente, aceito como o braço direito de Reinhard  – apesar de sua origem humilde -, quanto a adornar o nome de Reinhard, já que seu subordinado direto findou a Rebelião sem derramamento de sangue para nenhum dos lados ou outros prejuízos para o Império.

Um homem que não é fiel ao Império, mas ao seu amigo.

O “custo benefício” de um militar capaz de bolar e executar estratégias desse nível é de interesse do Império, tanto que não acho estranho que o Imperador dê toda essa liberdade para o Reinhard, ainda que ciente de que pode ter seu tapete puxado um dia. Aliás, que figura interessante se mostrou esse Imperador, hein? Ele não é apenas um manda-chuva que ficou cego pelo poder, mas alguém que está ciente do papel que um Imperador tem em seu Império, assim como da sua responsabilidade para com a linhagem da sua família e também da efemeridade de todas essas coisas. Sejam as dinastias, os territórios organizados ou a própria vida, tudo é mutável e passageiro, nada é impassível e se quiserem destituí-lo, que tentem, pois mesmo ciente da inevitável efemeridade dessas coisas ele deve proporcionar uma boa briga. Um personagem que ganhou meu respeito mesmo sendo um ditador.

Cruzando os dedos para que o personagem seja bem aproveitado ao longo da história.

Ainda não diria que as autoridades do Império desse anime já me conquistaram, mas o natural em qualquer tipo de governo, seja ele autoritário ou não, é que as pessoas que estão por trás dele, os “manda-chuvas”, tenham esse viés humano palpável, o que, ao menos em alguns casos, possibilita a compreensão do porquê a pessoa faz parte desse tipo de governo. Isso é ser realista, pois os seres humanos que compõem o Império são os mesmos que compõem a Aliança, pessoas como eu ou vocês.

Ao retratar seus personagens da forma mais humana o possível, a história acerta em manter sua caracterização realista, pois essa ficção poderia muito bem ser a nossa realidade. O lorde que se rebelou contra o império já é uma figura mais próxima da caricatura e que pode causar raiva por seu jeito arrogante e imponderado. Mas para justificar a quase imediata traição de seus subordinados acho que ele tinha que ser retratado assim mesmo, como alguém que ficou cego pelo poder – bem diferente do Imperador –, o que não é nada incomum para alguém de posse de tanta autoridade.

Um vilãozinho mequetrefe desses merece perdão?!

Ao ver esse anime percebo que ele tem uma história realista muito bem executada e que dispõe de personagens e conflitos que provocam o envolvimento do telespectador e seu interesse por saber o que acontecerá a seguir. Não por acaso, na segunda metade desse episódio já estava esperando que o Oberstein aparecesse e entrasse em contato com o Reinhard, pois a queda de Iserlohn se tornou o centro das atenções no Império e a situação do Oberstein o obrigava a tomar uma medida drástica se quisesse continuar vivo. Foi o que ele fez e isso resultou em uma adição aos apoiadores do Reinhard.

Se um homem inteligente é feito de bons argumentos, um homem sobrevivente é feito de ousadia; e foi ao declarar suas intenções na frente de um superior, o qual poderia muito bem ter acabado com a vida dele ali mesmo, que a aposta de Oberstein deu bons frutos, já que, como ele havia observado, o Reinhard não é um homem fiel ao Império, mas sim aos seus próprios ideais – os quais vão na contramão dos de quem está no controle. O desejo de Oberstein de negar tudo que diz respeito aos Goldenbaum pode parecer até inocente e infantil, mas a sua forma de agir – usando o que estiver ao seu alcance, assim como se permitindo ser usado se isso o ajudar – o torna um “aliado” útil para os planos de Reinhard e alguém que não é só conversa fiada, mas tem culhões para fazer e acontecer.

O homem que tem olhos artificiais que são capazes de enxergar verdades a quilômetros.

Reinhard, Kircheis e agora Oberstein são os personagens que irão conspirar pela queda do Império, enquanto Yang Wen-li, que está do outro lado da balança, almeja a paz e o diálogo. Os objetivos dos personagens principais se alinharão ou o que veremos é uma dissonância que vai dificultar ainda mais o fim dessa guerra? Acredito que as intenções de Yang e Reinhard são ainda mais parecidas do que aparentam e que essa dualidade será explorada mais uma vez até o final do anime para assim concluí-lo de forma satisfatória. É só o começo de uma longa jornada, mas o palco já está armado!

E o caminho deste homem se torna cada vez mais interessante.

Discussão