Quantas vezes você poderia ser um pouquinho mais feliz se dissesse “não” para uma pessoa em certa situação? Acho que esta palavra negativa é também por vezes, a mais positiva para nossas vidas, de modo que, diversas vezes ela pode significar sua tranquilidade. Saber dizer um “não” é complicado, e pode levar tempo até que se aprenda, mas eu garanto que, em algumas situações, esta pequena palavrinha vai te fazer feliz.

A Hitomi é uma menina muito boa, esforçada e, por mais que ela esteja gradativamente perdendo esta característica, creio que ainda posso dizer que ela é inocente. Desde o início do anime, ela é uma “vítima de roteiro”, pois ela não funciona como personagem que provoca uma reação, é apenas uma personagem que reage ao que acontece com ela, digamos que ela é basicamente levada pela situação. Por vezes aquela palavrinha ali poderia salvar seu dia, e claro, sua infância – pois como já é de senso comum, trabalho infantil não é algo muito legal – mas ela não consegue dizer “não” para ninguém, de modo que, ela acaba por perder seu tempo de brincar, estudar e até de dormir, se tornando assim, quase que uma escrava da sua incapacidade de negar algo. Ela espera que a mãe dela resolva algo para ela! Claro, é uma criança, e crianças têm esse lado de irresponsabilidade – e isso não é defeito algum –, mas a partir do momento em que ela resolve morar sozinha e arcar com as consequências da sua “escravidão noturna”, ela abre mão da sua mãe como responsável, mas no fim, ela não consegue ser a adulta que parecia ser, e muito menos sabe o que quer da vida – o que é perfeitamente admissível já que ela é uma criança.

Nossa querida Hitomi acaba por virar uma pessoa comum! Sim, ela tem que trabalhar para sobreviver e correr atrás das coisas dela, e por mais que isso seja um tanto cruel com uma personagem tão legal, só funciona por ela ter esse tipo de personalidade.

Já vimos que a Anzu aprendeu muito com os sem-teto naquele espaço de tempo em que ela teve a felicidade de estar com eles. É claro que quando uma criança aprende algo deste tipo, é difícil tirar da cabeça dela, e no fundo, não é errado saber o valor das coisas, mas dizer que uma criança precisa trabalhar para sobreviver é complicado, chega a dar um aperto no coração. É claro que existem injustiças e naturalmente, pessoas precisam trabalhar nos mais variados serviços para sobreviver, inclusive a Anzu, e só agora ela aprendeu que além de casa, comida e amor, ela pode ganhar dinheiro e ser uma menina normal, sem a precisão de trabalhar para comer, mas ainda assim, dando o devido valor às coisas e principalmente às pessoas que a acolheram em sua casa.

Foi um episódio muito bacana de se ver, mas devo dizer que senti falta da menina que apareceu no episódio anterior e claro, principalmente da nossa protagonista Hina.

  1. Adorei o episódio 10, foi muito divertido ao mesmo tempo que desesperador assistir a Hitomi-chan perder sua infância para estes adultos pirados começando pela Utako essa cafetina nunca me enganou kkkkkk, Episódio 5 estrelas!

Discussão