Shimokita Glory Days é um dorama que você só conseguirá entender após assistir tudo. A história não é complicada com grandes reviravoltas ou algo do tipo, mas sua simplicidade e alguns elementos fazem com que se tenha uma ideia completamente errada sobre a obra. Apesar de ter gostado muito, demorei para entender a mensagem que a história queria passar simplesmente por achar que não tinha mensagem alguma. No fim, foi uma grata surpresa ter visto esse dorama tão desconhecido.

Para início de resenha eu gostaria de apresentar devidamente essa obra. Shimokita Glory Days é um dorama que adapta o mangá de mesmo nome que foi publicado em meados de 2004 (foi difícil de achar essa informação de tão desconhecida que a obra é) e conta com 130 capítulos compilados em 12 volumes. O dorama é de 2006 e acabou tendo 12 episódios de 30 minutos, além de ter um elenco bem interessante e “famoso”.

Desde o início eu gostaria de destacar que a obra tem um elenco recheado de persongens femininas que são interpretadas por atrizes pornô e gravure idols. Por isso e pela história ter um harém, o fanservice se faz presente em todos os episódios com direito a cenas mais explícitas (seios à mostra). Eu sei que isso para muitos é um ponto decisivo negativamente, mas acredito que a obra consegue trabalhar bem até mesmo isso. Inclusive em um dos episódios há um aviso no final sobre o comportamento que os homens devem ter em um host club, pregando o respeito com a atendente.

Quando eu encontrei (sem querer inclusive) Shimokita confesso que me deixei levar pela proposta de ver um dorama com fanservice. Mas a obra vai muito além disso com suas várias cenas cômicas que são o aspecto mais presente, os eventos que ocorrem no decorrer da história e por fim, o elenco. Veja bem, estamos tratando de um dorama que já tem 13 anos e ainda assim, as atrizes possuem uma amizade (não todas, infelizmente).

E eu estou citando essa ligação das atrizes pois em muitos momentos eu sentia que todos estavam se divertindo enquanto trabalhavam nas cenas. É como se você conseguisse desfrutar e se divertir ainda mais da história porque os responsáveis te contagiam, sabe? Isso foi uma experiência muito boa pois apesar da história ser simples deu para se divertir muito nesses 12 episódios, tendo momentos que me fizeram rir bastante e outros que quase me fizeram chorar.

Aliás, sobre a história temos Ono Yuuta, um ronin (alguém que falhou em ingressar na universidade na primeira tentativa) que vai para Tóquio com a ideia de ingressar na mesma faculdade de sua namorada. Porém ele não tem apoio de seus pais e infelizmente não tem um trabalho, o que resulta em um capital baixo demais para conseguir morar em algum lugar. Isso muda quando ele conhece o Nutopia.

Lá ele é aceito apesar de seu baixo capital com o acordo de que as tarefas domésticas e culinárias fiquem sob sua responsabilidade. E tudo isso seria ótimo se a pensão não tivesse outras 5 belíssimas mulheres, cada uma na luta pelos seus sonhos e a realização de seus desejos. Ah, lembrando que Yuuta não é diferente, afinal, ele precisa entrar na faculdade apesar de seu desempenho acadêmico bem ruim.

Sobre os personagens que compõem a história, devo “dizer” que temos um elenco muito interessante e divertido (exceto a namorada do protagonista). De uma herdeira da Yakuza até uma atriz aspirante, todas as 5 mulheres da pensão são ótimas personagens com seus dramas que eventualmente serão enfrentados por nosso querido inútil protagonista. Ono Yuuta é simplesmente aquele tipo de protagonista que todo mundo já conhece, ou seja, é um bom para nada que tem muita empatia e sempre coloca os sentimentos dos outros acima dos seus, que apesar de sempre ter boas intenções acaba se metendo onde não é chamado e causando alguns problemas.

Apesar de ser um baita clichê a história funciona bem em torno dele e de suas tentativas de ajudar todas as garotas. Eu confesso que curto esse tipo de protagonista, ainda mais aqueles que são de obras mais antigas. Às vezes eu tenho a impressão que esse tipo de mangá mais antigo foge das futilidades que vários atuais tem e por isso, o autor tem sim a intenção de fazer uma boa obra que possa transmitir alguma mensagem positiva ao invés de pegar uns clichês que o povo gosta e fazer uma obra refém disso.

Enfim, eu me diverti muito do começo ao fim com esse dorama. A forma como foi tratada a questão dos sonhos e afins é bem satisfatória. Isso é normal da vida e a história foca muito nas possíveis mudanças que podem ocorrer, nos desafios que vão surgir e até mesmo na desistência ou as mudanças que com toda certeza vão acontecer.

No final das contas esse dorama é muito mais do você vai imagina e ao menos para mim acabou sendo uma bela experiência acompanhar os gloriosos dias em Shimokita, ou melhor, Nutopia.

Comentários