Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Nesse episódio KimiUso tratou de várias coisas sem ficar parecendo uma bagunça. Ponto positivo. As principais dessas tramas independentes se encontraram no final do episódio. Outro ponto positivo. De negativo, achei a inserção de um novo personagem (e um personagem importante) bastante forçada. No geral foi um episódio bom, nada espetacular mas bom.


Anime21 Diário

Informe o seu e-mail para receber gratuitamente as atualizações do blog!


Mais com impressões do que com cenas dedicadas o anime vem desde o começo dando a entender que Kaori tem um problema de saúde e ele é grave. Nesse episódio não foi diferente. Ela chega em casa extremamente cansada (o que a cansou tanto?), e surpresa, a casa dela é adaptada para pessoas com mobilidade reduzida! Não sei se você que está me lendo agora já sabia disso, mas casas para idosos, deficientes físicos e outras pessoas com dificuldades de locomoção costumam ter corrimãos, como aquele que apareceu no corredor da casa da Kaori e no qual ela se segurou à porta de seu quarto. Como ela não é idosa nem deficiente física, isso sugere que ela possa ter alguma doença degenerativa, o que é tão grave quanto KimiUso vinha dando a entender que seria a condição de saúde da garota.

O maior destaque do episódio foi para o Kousei, naturalmente. Objetivamente, ele ganhou uma mestra para lhe ajudar a ensaiar piano. Desde a morte de sua mãe isso é algo que ele não tinha, e mesmo que ele eventualmente superasse o trauma ainda faltaria alguém assim. Não dá para aprender algo assim complexo apenas por força de vontade e talento. O jeito que isso aconteceu foi bastante inusitado: uma amiga de sua falecida mãe (a que empurrava a cadeira de rodas dela quando Kousei levou pauladas em público), que por acaso é a maior pianista do Japão ou algo assim, estava assistindo o Kousei e após sua apresentação foi encontrá-lo. Ela diz a ele que é importante ele ir ver os resultados, mesmo ele sabendo que será desclassificado. E foi importante mesmo: ele pôde ver e sentir como todos, aprovados e reprovados, reagiram. Kousei sempre teve apenas olhos para sua mãe e com seu talento nato nunca precisou se preocupar com mais ninguém. Quando ele perdeu seu motivo para tocar, ele simplesmente parou.

Mesmo se não estivesse traumatizado, isso sozinho talvez fosse suficiente para ele ser reprovado (ok, ele é o protagonista, sem trauma ele não seria reprovado, é por isso que o autor força a barra no trauma, o que por sua vez gera um abuso do tema do trauma e é minha maior fonte de críticas a esse anime). Agora, por que ele toca? No episódio anterior já havia ficado claro: ele toca para alcançar Kaori. Em bom português brasileiro e de acordo com o acordo ortográfico: ele toca porque ele ama Kaori e quer impressioná-la. A amiga de sua falecida mãe se intromete na casa de Kousei no dia seguinte a diz a ele que se tornará sua mestra. Já espero que ela se torne mais do que isso, cuidando não só para que ele toque melhor, mas para que ele se cuide melhor também, coisa que até então quem fazia, de acordo com suas possibilidades, era Tsubaki, a amiga de infância apaixonada. Será que isso significará uma diminuição da participação dela? Ou libera o personagem para focar mais no drama?

No final, o importante do episódio é o Kousei reconhecer plenamente a razão pela qual ele voltou a tocar. E ele está tão certo disso, isso está tão lúcido em sua mente, que no final do episódio ele basicamente se declara para Kaori ao dizer para a garota que seu piano agora é por ela. Em um campo cheio de vagalumes. As luzes pequenas e débeis de vagalumes subindo do chão para o céu costumam me remeter ao tema da morte. Amarrando as tramas do episódio, e talvez sombriamente de acordo com esse tema, Kaori sussura após Kousei se afastar que ela não poderá ajudar ele para sempre. Clichê sim, previsível sim, mas bem arranjado. Gostaria de ver um pouco de desenvolvimento do personagem da Kaori agora. Só sei que ela está doente, mas a menos que eu a conheça melhor, que saiba mais sobre a sua vida, vai ser difícil enxergá-la como mais do que um personagem coadjuvante que está ali só para arrancar reações do protagonista. Se Shigatsu wa Kimi no Uso puder fazer isso, aí sim estará contando uma boa história.

Comentários