Não tão espetacular quanto o episódio da semana passada, mas aquele é um nível difícil de manter e nem sempre desejável, não é? Mesmo assim, por seus próprios méritos esse foi um episódio excelente. É a audição! Todos estão se preparando para isso há muito tempo, com o festival tendo sido apenas um alívio, não estão? Agora chegou a hora de cada um deles mostrar ao professor Taki porque deveriam ir para o concurso. No caso das trombetas há uma disputa adicional: quem deve ser a solista. E no caso da Kumiko, há mais uma preocupação além da música…

E olhe que a música já está deixando a Kumiko louca! Conforme o dia da audição se aproxima, ela fica cada vez mais nervosa. Quando vê a colega de bombardino Natsuki ensaiando pra valer ela quase desaba. Apesar de tudo o que dizem sobre haver poucos bombardinos e assim a chance ser grande mesmo de todos serem escolhidos, ela sabe, e a essa altura todo mundo sabe que não vai ser fácil assim pra ninguém. Exceto pelos virtuoses da banda, ninguém pode se considerar garantido. Entre os personagens conhecidos pela audiência, provavelmente só três são considerados tão bons que sua vaga está garantida: Asuka com o bombardino (o que é pressão a mais para a Kumiko) e as trombeteiras Reina e a terceiranista Kaori. A Kaori, aliás, embora garantida está morrendo com a pressão que ela própria está sofrendo também: reconhecidamente boa em seu instrumento, está em seu último ano e sua primeira e última chance de chegar ao concurso nacional, e tem  que disputar a posição de solista contra uma iniciante extremamente talentosa. Lembra o que a Asuka disse vários episódios atrás para a Hazuki? Que sempre pode chegar um novato e roubar sua posição? É esse o fantasma que está assombrando a Kaori. Mas ela aparece pouco, o foco do episódio é mesmo a Kumiko.

Ela não tem a menor esperança de ser melhor que a Asuka, e se acomodou durante um bom tempo porque era melhor que a Natsuki e ela nem se interessava em melhorar mesmo. Só que agora a Natsuki quer melhorar, quer ir para o concurso, está ensaiando loucamente e a Kumiko consegue ver que ela está tão boa ou mesmo melhor do que ela. Talvez ela tivesse se perdido e perdido a vaga se não fosse pela Reina que, do jeito dela, sem muitas palavras mas com muita emoção, transmitiu tudo o que pôde de sua própria auto-confiança. Porque, no fim das contas, o que a Kumiko estava sofrendo era uma crise de auto-confiança. De repente ela se sentiu ameaçada e passou a duvidar de sua própria capacidade. Até porque até havia pouco ela não sabia que era tão importante assim para ela ir para o concurso. Na verdade, quase ninguém da banda sabia, e a pressão é crescente para todos. Ela nem queria entrar para a banda, ela não queria tocar bombardino, mas agora tudo o que ela quer é levar o bombardino dela para o concurso nacional. Mas será que ela consegue? Kumiko se pergunta, em pânico, enquanto a Natsuki ensaia igualmente determinada.

E como se isso já não fosse suficiente, ela ainda tem que lidar com coisas outras resultado do episódio anterior. Primeiro, é Midori quem está deprimida porque Hazuki foi rejeitada depois dela incentivar tanto que ela se declarasse para o Shuuichi. Está tão deprimida que não consegue nem ensaiar direito, e nesse clima de tensão dos ensaios pré-audição, todos percebem isso. A Asuka percebe isso, e não fica nada feliz quando descobre o motivo. Nesse momento pude ver muito bem como a Asuka seria uma líder terrível. Ela apenas agiu feito idiota, mas imagine se ela fosse a presidente da banda? Ela não poderia sair como ela saiu. Ela teria que, de alguma forma, tentar colocar a Midori de voltas nos eixos. Mas com essa personalidade eu não acho que ela conseguiria. Ou melhor, talvez conseguisse: apelando para técnicas autoritárias, de humilhação pública, etc. Bem parecida com o professor Taki. Que bom mesmo que eles têm a Ogasawara! De algum jeito, Midori e Hazuki conseguem se entender e tudo fica bem de novo. Mas agora a Hazuki é quem vai perturbar a Kumiko: ela acredita que a amiga está apaixonada pelo Shuuichi e insiste em “ajudá-la”. Depois da declaração do trombonista ela já não conseguia falar com ele, imagine com uma amiga próxima pressionando desse jeito.

E agora, apesar de achar que ainda tem tudo para o relacionamento dela com a Reina florescer, não descarto que ela acabe ficando com o Shuuichi. Mesmo que seja algo de vida curta. Eu sei que isso já era algo possível por várias razões antes, mas eu não achava realmente nenhuma boa razão. Até antes desse episódio, só conseguia ver os dois juntos por força de quem escreveu o enredo, porque não há absolutamente nada da Kumiko pelo Shuuichi. E ela até consegue fugir dele – lembre-se que ela é muito ruim de fugir de qualquer pessoa. Mas é exatamente por causa disso que acho possível que ela fique com ele. Pessoas em geral, adolescentes em particular, são muito susceptíveis a sugestão nesses assuntos. Se as pessoas ao redor esperam que você fique com alguém, as chances de você ficar com essa pessoa aumentam. Alguém insistente como a Hazuki pressionando alguém facilmente sugestionável e que tem dificuldade em dizer não como a Kumiko definitivamente pode acabar colocando a protagonista junto ao trombonista. O que não quer dizer que vá durar ou vá dar certo. Mas a chance de que eles ao menos tentem é grande. Eu não quero, mas admito que agora pelo menos seria algo que faria sentido para a história e seus personagens.

E é com tudo isso na cabeça, mas com o olhar fixo e as palavras da Reina, que Kumiko participa da audição. Ela perdeu a noção do tempo, ficou nervosa, mas foi aprovada. E não conseguiu comemorar, porque a Natsuki não foi. Como ela poderia comemorar nessa circunstância? Muito mais do que risos, o resultado da audição provocou o choro dos vários membros da banda que se esforçaram, que deram duro, que queriam, mas não conseguiram chegar lá. Para os terceiranistas é especialmente destroçante ser reprovado. A Kaori não foi reprovada, nem teria como, mas perdeu a disputa de solista para a Reina. Para ser completo, adiciono que a Hazuki não foi aprovada e a Midori foi, nada inesperado. Shuuichi também está lá. Kumiko e Reina (e todos os que foram escolhidos para participar do concurso) terão que carregar no coração e em seus instrumentos o peso das lágrimas de todos aqueles que ficaram para trás e transformar choro em música. Agora vem o concurso!

  1. Esse foi o episódio da pressão. Midori pressiona pelo “que fez” Hazuki, Hazuki pressionada a dar um final feliz ao seu amado Shuichi, Shuichi “pressionado” em falar com Kumiko, Asuka pressionando as pessoas do jeito dela, Kaori pressionada em continuar com seu lugar de solista, Natsuki pressionada a conseguir uma vaga para ir as nacionais, Taki pressionando todo na hora das audições, Reina pressionada em continuar como uma grande promessa na banda e Komiko: pressionada pela banda, pressionada pela Hazuki, pressionada em dar uma satisfação ao Shuichi, pressionada em não perder a sua vaga, pressionada na hora da audição( por tocar bombardino há 7 anos) e desafogada pela Reina, a quem ela se lembrou na hora de fazer o teste, e se tranquilizou. Acho que a Kumiko nesse episódio foi a mais pressionada.

    Vamos falar em alguém especial nesse episódio, Hazuki.
    Hazuki, se você gosta do Shuichi lute por ele, não tente pressionar a Kumiko a ficar com ele só porque ele gosta dela. Isso não te tará paz de espírito e felicidade, pode ter fazer sofrer ainda mais. Deixe as coisas seguirem normalmente.
    Bem, isso é o que eu diria a Hazuki se pudesse, mas não posso. Não acho que ela queira a ajudar a Kumiko a encontrar seu amor, mas sim ajudar somente o Shuichi( seu amado), se impondo de um jeito egoísta. Egoísta sim! Porque ela não quer deixar que as coisa fluam naturalmente, tudo tem que ser no tempo dela. Além disso, ela desiste muito rápido do quer, no caso Shuichi. Acha que desse jeito a dor rejeição será amenizada. Isso me faz pensar que as vezes ela nem sabe o que realmente quer. Uma pessoa impulsiva que primeiro faz as coisas, e depois pensa no que fez.

    • Fábio "Mexicano" Godoy

      Oh, não tinha pensado muito na Hazuki além dela ser impulsiva e querer “ajudar” o Shuuichi para ajudar ela própria a superar a dor da rejeição. Faz bastante sentido. Mas se você conhece alguém assim (e esse anime está me surpreendendo por mostrar personagens com caracterizações e comportamento humanos realistas) sabe que ela não seguiria seu conselho mesmo que ele de alguma forma chegasse até ela.

      • Percebi quando ela disse que iria ajudar o Shuichi sem ele pedir, e sem ao menos a Kumiko ter demonstrado algum interesse nele.
        Se eu já vi? Conheço muitos casos assim, inclusive eu sou um deles. Sou antissocial igual a Reina, mas nessa questão fui igual a Hazuki, e fazendo isso só me estrepei e e me machuquei.
        Sei que ela não iria seguir meu conselho, mas acho que isso daria uma acordada nela.
        Outro ponto: Midori não tem que ficar triste por ter feita Hazuki confessar ao Shuichi. Hazuki já tava querendo isso faz tempo, e ao contrário da Kumiko, ela demonstrava que tava afim. A ação da Midori só foi uma desculpa pra ela alcançar seus objetivos.

      • O anime ta sendo bastante realista sim, mas como ele ta levando tag shoujou-ai, não sei ele levará em consideração o romance entre garotas. Mas se tiver, será mais realista ainda, porque mostrará como é sociedade, não só japonesa, diante do cotidiano de uma garota adolescente que tá se descobrindo. Porque é muito normal, acho que principalmente no Japão, que quando uma menina chega em uma certa idade, já comece a pressão para a garota arranje um namorado. Até mesmo as mulheres japoneses, quando vão chegando aos 30 anos, os pais(mais a mãe) arranje entrevista de casamentos para suas filhas.
        Não sei se esse é o objetivo do novel ou do anime, mas se for, eles estão de parabéns.

Discussão