Apesar do último episódio ter sido horrível e extremamente conveniente, quase que estragando por inteiro todo plot desse arco atual de Sagrada, não irei deixar ‘aquilo’ interferir ‘aqui’. Eu falei mal do episódio 21 no artigo sobre o episódio 21, então, mesmo que eu acredite fortemente que esse arco não faça mais sentido por conta das conveniências e furos do último episódio, eu irei falar apenas do episódio 22 — isoladamente — neste artigo sobre o episódio 22. Sendo assim, olhando para o episódio 22 e esquecendo totalmente do episódio 21, eu diria que não foi ruim; o episódio 22 foi completamente bom.

Só pra constar, mesmo que eu olhe isoladamente para esse episódio 22, realmente não tem como ignorar o episódio 21, já que tudo o que aconteceu neste episódio é uma consequência do episódio anterior, mas não perderei muito tempo reclamando do episódio 21, já que perdi um artigo inteiro fazendo isso.

Bom, esse episódio basicamente foi um reparador total do anterior. A ideia desse era de justamente criar um embate direto entre o Kei e Urachi. Anteriormente, para que Urachi pudesse iniciar seu plano, alguns acidentes relacionados a utilização involuntária de habilidades havia acontecido. Por conta disso, já que o Kei viu o futuro de forma totalmente idiota no último episódio, ele conseguiu impedir o primeiro acidente, impedindo que o plano de Urachi pudesse sequer ser iniciado.

Além de impedir que o primeiro acidente viesse a acontecer, Kei também conseguiu convencer Oka Eri a passar para seu lado. Antes do Reset, Oka Eri havia se juntado a Urachi e vencido Kei. O interessante desse diálogo — que rolou no início do episódio — foi justamente o Kei se aproveitar dessa derrota para convencer a Oka Eri. Mas, veja bem, ele apenas contou que ela havia vencido ele antes do Reset, e que ela não precisaria mais tentar vencê-lo por conta disso; ela caiu. O Kei mentiu? Não, ele não mentiu! Entretanto, ele poderia ter mentido, e ela acreditaria nele de qualquer forma. Até mesmo a maneira do Kei admitir derrota foi orgulhosamente debochada, mas ela simplesmente aceitou isso e resolveu ajudá-lo. Não diria que isso foi algo ruim, pois realmente não foi, o mérito é do protagonista que conseguiu convencer a garota; porém não deixou de ser um momento “bizarro”.

Enfim, ao convencer Oka Eri a passar para seu lado, Kei reuniu seus amigos em um karaokê e explicou tudo o que aconteceria, permitindo que eles escolhessem se iriam apoiá-lo ou não. Entretanto, isso sequer precisaria acontecer, já que Kei viu o futuro, então, ele já sabia de antemão quem iria ficar ao lado dele. Mas, eu diria que essa foi uma boa jogada por parte do Kei. Ao dar o direito de escolha às pessoas, ele possuía mais chances de tê-las ao seu lado. É tudo uma questão de humildade, democracia e seriedade.


Após essa reunião no karaokê, outra reunião aconteceu; no dia seguinte, no mesmo karaokê, Kei se encontrou com Urachi para expor seus ideais. Eu não diria que o diálogo deles foi algo fantástico, foi apenas um debate bem curtinho, mas que não foi ruim também. Contudo, a melhor parte desse diálogo foi justamente a conclusão dele, onde aconteceu um ataque, um contra-ataque, um contra-ataque sob o contra-ataque e um contra-ataque sob o contra-ataque do contra-ataque. Trocando em miúdos, Urachi concordou com Kei apenas para fazê-lo cair na habilidade do homem-cadeado, mas Kei já havia previsto isso, então, ele fez seus amigos “combarem” suas habilidades para que o homem-cadeado esquecesse como usar sua habilidade. No fim, Urachi fez o homem-cadeado se lembrar como usar sua habilidade, ameaçando o protagonista novamente, mas Kei contra-atacou isso utilizando o poder da Urawa, onde um tobogã gigantesco foi criado, fazendo com que os dois caíssem dentro de um carro.

Bom, antes de seguir adiante, preciso fazer um breve comentário sobre os dois últimos acontecimentos que citei logo agora. Primeiro, o plano do Kei foi sim muito bom, mas foi confuso. Urachi disse que o combo de habilidades foi feito através de um buraco criado na parede, mas não havia buraco algum, sequer dava pra notar um buraco. Além disso, para que a memória do homem-cadeado fosse alterada, era necessário que a Oka Eri o encarasse por pelo menos cinco minutos, coisa que não aconteceu, pois o buraco foi feito por trás do sofá, impedindo que ela conseguisse ter um campo de visão amplo. E então, o que rolou? Aquele guri que consegue passar a habilidade de outra pessoa através de toque foi o responsável por isso. Através do buraco no sofá, ele estava tocando em Kei, possibilitando que o protagonista pudesse utilizar a habilidade de Oka Eri. O momento foi bom, mas foi extremamente confuso. Outra coisa, quando eles caíram no tobogã e logo em seguida apareceram dentro de um carro foi ainda mais confuso. Quando eles caíram do nada, foi algo que me surpreendeu, e depois que apareceram dentro de um carro foi ainda mais surpreendente.

Concluindo, Kei “venceu” Urachi tanto no diálogo quanto na utilização de uma estratégia, conseguindo até mesmo “sequestrá-lo” no final do episódio. Como isso vai se desenrolar? Eu realmente não tenho ideia, pois se tem uma coisa que Sagrada sabe fazer bem é a forma imprevisível das coisas acontecerem. Aliás, agora Kei é um procurado do Escritório, já que havia interferido nos planos do Escritório anteriormente; imagino o que acontecerá com ele agora que pegou o Urachi como refém. Bom, só nos resta assistir o próximo episódio… e torcer para que ele seja bom também.

  1. Particulamente não ví grandes problemas no erp anterior.
    Como expliquei no Face, só as fotos inteiras não são afetadas pelo Reset(corredor para a saída da bruxa), mas são afetada quando rasgadas(usada contra os membros do escritorio), logo, Kei re-usou a foto da Souma que havia sido usada pra trazer a sua Swampman, por isso ele tem a foto.
    A mensagem foi enviada para a Swampmam da Souma porque mesmo ela não sendo a original, a Swampam é derivado da existencia da original.
    Sobre a previsão do futuro, essa parte é confusa, porém pelo que eu tinha entendido, devido a trasmissão de habilidade, A Souma da foto estava ativando seu poder através da perspectiva do Kei, logo era mais ela usando seu poder sobre o ponto de vista dele.
    A parte final com o Urashi já no carro foi muuuito esquisita.
    O próximo ep continua o embate dos personagens. Basicamente o Urashi não aceita que hábilidades existam, mas o Kei gosta delas, e de fato as hábilidades são uteis para as pessoas(Honoka/Michiru). Falta o Urashi perceber que mesmo que ele não goste, ele não pode querer ser um ditador e tirar os poderes dos usuarios da cidade como se fosse simples.

Discussão