Foi um episódio divertido e ao mesmo tempo a calmaria antes da tempestade final. Na verdade, essa tempestade está para acontecer faz tempo e até agora nada. De qualquer modo, apesar do flerte com essa tempestade, coisas vão acontecendo em Youkai e Yuuji está conseguindo segurar as pontas de um jeito ou de outro. Dessa vez pudemos conhecer melhor Chiaki e ver as ideias por trás de suas últimas ações. Será que ele tomou a decisão correta?

Logo no início tivemos a continuação do episódio anterior. Yuuji, Tashiro e outros alunos ainda apoiam seu professor enquanto outros simplesmente deixaram de gostar dele por conta de suas atitudes. No meio disso temos a professora Aoki, que apesar de ser um elemento problemático, consegue atrapalhar mais ainda a situação. Ainda acredito que ela tem algo diferente demais nela e que muitos problemas serão trazidos por ela. No meio disso tudo ainda temos Yamamoto e seus complexos que a atormentam sem parar.

Lá vem ela novamente

Foi interessante saber que desde o início Chiaki era nada mais nada menos que um grande aliado dos alunos e ainda sim foi condenado e crucificado por aqueles que um dia, eram admiradores. Claro que também não podemos esquecer de Kamiya (presidente do conselho estudantil), que soube agir de acordo com a situação e com isso, achar uma harmonia no colégio. Todos nós sabemos que talvez essa não tenha sido a melhor opção que Chiaki tinha, talvez algumas delas fariam diferença no resultado final e hoje, ele estaria praticamente na mesma posição e popularidade.

Tivemos também Yuuji aplicando o mesmo tipo de poder assim como fez logo do começo do anime com Tashiro; ter seus corpos compatíveis foi algo realmente surpreendente e convincente para a ajuda no sucesso do processo. Se realmente resolveu o problema é uma grande incógnita, afinal, Chiaki é acompanhado por pessoas complicadas e com tal situação em plena feira cultural pode parecer muito mais estressante do que realmente é. Fora que nós sabemos que ele tinha um certo apego com seus alunos e isso deve ferir mais do que tudo.

Discussão