Boa tarde, como estão? Espero que estejam bem!

Bom, antes de começar a falar sobre o episódio dessa semana, tenho algo a esclarecer. Tudo, absolutamente tudo que eu falo sobre Death March kara Hajimaru Isekai Kyousoukyoku é o que eu vi nos episódios lançados até então, bem como tudo que eu sei sobre o mesmo é o que foi mostrado nestes episódios, ok? Eu tenho consciência de que existe uma light novel e um mangá sobre a obra, no entanto, eu não li e provavelmente não lerei em breve, a menos que o anime me desperte essa vontade, o que definitivamente não aconteceu ainda com os três episódios que eu vi.

Agora sim, podemos ir para o terceiro episódio de Death March kara Hajimaru Isekai Kyousoukyoku!

O episódio segue mais ou menos a mesma ideia dos anteriores até a metade dele, onde tem aquela explicação sobre o Herói, o Rei Demônio e a espada que fica azul, aí sim foi que me despertou o mínimo de interesse no episódio em questão e, claro, a parte de exploração, apesar de ser mais do mesmo. Não chega a exatamente entediar, apenas foi um “ok, conceitos já manjados”; é claro que Death March usa os conceitos de uma forma que apesar de ser mais do mesmo, consegue ser ok.

Não digo que foi algo como uma inspiração ou qualquer coisa do tipo, mas a cena em que tem um líder religioso e alguns capangas emprestados induzindo a população a apedrejar três escravas com pedras supostamente sagradas me despertou na mente um pensamento sobre uma passagem bíblica que até quem não é cristão deve ter ouvido falar. Sim, estou falando do episódio em que Jesus salva uma mulher do apedrejamento com a famosa frase “quem nunca errou que atire a primeira pedra!”.

A computação gráfica usada no vilão não me agradou nem um pouco, realmente parece algo que não era para estar ali. Veja bem, eu gosto de CG quando é usado de uma maneira legal, como em Sidonia no Kishi, que é um dos primeiros, senão o primeiro anime em CG que eu vi. Death March tem um claro problema de passar as emoções certas, de modo que eu não ri quando teve umas duas cenas que eu creio que era para a comédia, nem fiquei com raiva pelas três escravas estarem sendo apedrejadas e muito menos fiquei tenso quando eles foram sequestrados, é… para mim isso é um grave problema, pois os personagens não acompanham o ritmo que a situação se propõe a passar para o espectador, de modo que o próprio Satoo antes de pensar em algum plano para fugir, foi dar panos limpos, remédio, água e até nomes para as três garotas que nem pareciam estar mais necessitadas destas coisas quando eles estavam de fugir daquele lugar. E se os personagens não acompanham o ritmo, o que falar da trilha sonora que se mostra “ok” nas partes toscas do anime, mas não dá sequer um momento de tensão para a situação atual do negócio? É… talvez eu que esteja sendo chato e o anime esteja apenas entregando o que se propôs, e sendo só tosco.

Espero que estes pontos abordados no parágrafo anterior sejam melhorados ou mesmo que eu possa me conformar de algum modo com eles. Por hoje é isso pessoal! Muito obrigado por lerem até aqui, boa semana e até a próxima!

Discussão