Parasyte (Kiseijuu sei no Kakuritsu) é um anime atrasado em relação à sua obra original. O mangá foi publicado na década de 90, ganhando o prêmio de melhor mangá em 1996. Após 20 anos do término da obra original foi lançada a animação.

Imagine que uma cobra parasita toma conta do seu braço. Esse parasita, além de agressivo, também é inteligente. Para piorar existem vários da espécie dele espalhados pelo mundo em busca de saciar sua fome por humanos. Como você vai lidar com isso? Expor a história? Tentar combatê-los sozinho? E quando você descobre que ele pode matar quem você ama? São algumas questões que o protagonista da série, Izumi Shinichi, é obrigado a tentar responder.

Aproveitando a deixa, vamos falar sobre o protagonista, Izumi Shinichi. Inicialmente eu fiquei bem desconfiado a respeito dele: “Será que vai ser mais um daqueles colegiais nerd, que só apanha e depois do nada descobre que pode usar um poder?”, foi o que imaginei. Para minha alegria não é bem assim, ele sofre bastante até entender o que realmente é. Isso lhe torna o personagem mais interessante da obra, a cada episódio era algo bizarro, cruel, dramático ou até engraçado que ia acontecendo, e é a partir disso que ele evolui.

Antes de continuar, um aviso: o anime tem muitas cenas de mortes violentas, os parasitas são muito visuais, e lembram um pouco dos zumbis de Resident Evil 4, com lâminas e garras. Se você é sensível ou se incomoda com esse tipo de coisa é melhor pensar duas vezes antes de assistir.

Os parasitas são bem visuais

Agora que comentei das mortes dos parasitas, vou falar melhor como eles se portam no anime. O parasita principal da serie é Migi (“Direita”, por ele ter dominado o braço direito de Izumi); a partir dele entendemos como funciona a cabeça de sua espécie: calculista, extremamente instintivo e que só pensa em sobreviver. É dessa relação entre Migi, uma hora mão direita e na outra parasita, que vem o título “mão bipolar”.

Migi e Shinichi

Os parasitas possuem a sua própria organização social, as suas variantes, transformações e natureza. Surge com isso um dos principais questionamentos da obra: se os humanos podem comer outros animais, por que os parasitas não podem se alimentar de humanos? Essa pergunta tem uma resposta aberta, ou seja, assista e reflita qual é a sua.

Com a apresentação de outro parasita, Reiko Tamura, surge mais um questionamento: será que os parasitas poderiam ter as emoções humanas? Coexistir com humanos? Novamente a resposta vai do critério de interpretação de cada um.

Um ponto negativo em minha opinião é a morte desnecessária de alguns personagens. Sei que alguns devem pensar “isso ajuda a dar clima, tensão na série…”, bláblá, mas infelizmente não consigo aceitar a morte de uma tal personagem. Não vou mencionar ela aqui, mas quando assistirem possivelmente vão saber de quem estou falando.

Na parte final do anime, outro parasita fala: “Seríamos de grande utilidade pública, afinal possuiriam um predador da sua espécie”. Em minha opinião não seria algo efetivo, não acho que a solução seja matar humanos ou qualquer outra espécie, mas talvez na visão de pessoas mais radicais isso fosse uma boa opção.

Falando de aspectos técnicos, vou começar com a animação: em geral tudo é muito bom, o design dos personagens, a fluidez das cenas… esses aspectos ajudam e muito a criar uma atmosfera climática para o decorrer da história; palmas para o estúdio Madhouse.

Outro aspecto técnico importante em animes de terror/suspense é a trilha sonora. As cenas de emoção e drama tinham um fundo com piano e música clássica incrível, que fizeram um suor masculino sair dos meus olhos em algumas cenas. A opening também é muito boa, um rock pesado, com uma letra bem contextualizada à trama.

Esse anime entra para a lista daqueles que é difícil parar de ver. O roteiro é muito bem elaborado, o que torna algo prazeroso de assistir, mesmo tendo muita violência, diga-se de passagem. Tendo um equilíbrio com humor ou até mesmo com um romance no ar.

Concluindo, Parasyte (Kiseijuu sei no Kakuritsu) é uma ótima opção de anime de terror/suspense para se assistir. Os diálogos da obra são bem realistas e agregam até em discussões relevantes da atualidade. Então, se você quer um anime com uma premissa diferente, e que prenda a sua atenção, esse é altamente recomendado.

Obrigado pela atenção, até o próximo artigo, valeu!!!!

Discussão