Bom dia!

Para quem está chegando agora, o Café com Anime é um bate-papo sobre alguns animes da temporada entre mim, pelo Anime21,  Diego (É Só Um Desenho), Vinícius Marino (Finisgeekis), e Gato de Ulthar (Dissidência Pop). Cada blog irá hospedar as transcrições das conversas de um anime: ao Anime21 caberá publicar os artigos sobre Violet Evergarden; ao FinisgeekisCardcaptor Sakura Clear Card; ao É Só Um DesenhoKokkoku; e ao Dissidência PopMahou Tsukai no Yome e Junji Ito: Collection.

Sem mais atraso, leia a seguir a conversa que tivemos sobre o episódio 11 de Violet Evergarden.

Fábio "Mexicano":
Atrás das linhas (ex-)inimigas, de para-quedas, no Campo AMEAÇA … talvez, só talvez, Violet Evergarden tenha exagerado “um pouquinho” essa semana? Semana passada assistimos a um episódio trágico e discutimos sobre ele ser ou não apelativo, sobre a desgraça ali ser gratuita, desnecessária ou além do razoável, e fomos unânimes em dizer que não, não e não. Foi um bom episódio, um bonito episódio, triste sim, mas com alguma esperança, alguma mensagem. Serviu sim para mostrar o desenvolvimento da Violet e para ela se desenvolver um pouco mais, mas isso foi absolutamente secundário – ao ponto do choro dela no final do episódio ter sido inesperado.

Nesse, desde bem antes, eu já estava aqui anestesiado, olhando para ela e pensando “ok, agora pode começar a chorar, eu sei que você vai”. Foi um episódio muito mais dela do que do Aidan, que logo a gente saca que vai morrer e sequer conhecemos seus entes queridos, que só veremos no final do episódio, depois de tudo já acabado. Não vou dizer que foi um episódio ruim – gostei mais dele do que dos flashbacks do Gilbert. Mas temo pelo futuro de Violet Evergarden caso ele continue por esse caminho.

E há uma hipótese ainda pior, que eu vou contar depois que vocês me disseram suas primeiras impressões, me aguardem, hehe.

Gato de Ulthar:
E não é que a Violet continua afiada? Parece que não enferrujou com a falta de prática.
Tirando o WTF, eu gostei do episódio. Pendem numa situação conveniente, a Violet pula de para-quedas exatamente em cima do seu cliente! Isso que ela estava em um avião no meio das montanhas! E temos uma luta, sim, uma luta, bastante desnecessária nesse presente momento. O episódio ficaria muito melhor sem ela, já que o contexto geral faz sentido, uma vez que é deveras tocante o caso do soldado morrendo e se despedindo das pessoas que ama. O meu medo é que esses murmúrios de retomada da guerra façam a Violet se envolver…
Diego:
Ah vai, a cena de batalha foi legal 😛 Foi conveniente pra caramba, mas foi divertida de assistir. E sobre a história em si… Eu diria que ela foi “normal”, dentro do padrão de Violet Evergarden, maior mudança sendo que agora temos uma Violet que realmente não consegue mais segurar as próprias lágrimas.
Vinícius Marino:
É. Passou um pouco da conta. Melodrama é algo difícil de executar. O pastelão e o apático estão a uma pitada de tempero de distância. O episódio passado conseguiu um equilíbrio louvável. O dessa semana…. nem tanto. Só tenho a concordar com o Fábio. Só faltou um contrarregras erguer um cartaz escrito “CHOREM!” ao final do episódio.
Diego:
É algo bastante subjetivo, francamente. Não vejo esse episódio como significativamente pior do que a maioria daqueles do começo, por exemplo. Eu concordo que ele foi menos impactante que o anterior, e certamente bem mais exagerado, mas não o achei incômodo, por exemplo.
Gato de Ulthar:
Eu também não achei exagerado. O contexto foi bem verossímil, quem não se deixaria levar pela emoção ao ter de dar a noticia da morte de um ente querido? Não foi o melhor episódio, mas não foi ruim, longe disso.
Fábio "Mexicano":
Se vocês analisarem cada elemento sozinho, talvez eles façam sentido. O que torna tudo um grande exagero é a combinação deles todos em um episódio só. Tem a questão do foco também – a Anne foi a protagonista de sua própria tragédia, ela até narrou o episódio em alguns momentos, enquanto o Aidan parecia ser só um personagem incidental. Não é só porque ela era uma criança, o anime realmente se esforçou para que sentíssemos empatia pela Anne. Já pelo Aidan, nem um pouco. Foi só uma história triste que a pobre protagonista, a Violet, “teve” que testemunhar.
Vinícius Marino:
De fato, não tem nada de “errado” na história. Mas Violet já fez tanto melhor que minhas expectativas foram aumentadas. Comparem a sutileza do episódio passado ao melodrama novela das oito desse último capítulo. Comparem a eficiência do roteiro daquela história com a obviedade desse. E a batalha chega quase a ser exploitation. As táticas não fazem sentido. Os soldados andam às claras e não buscam cobertura nem camuflagem! O cara leva um balaço de sniper no tronco e sobrevive 1001 noites para ditar sua Bíblia à Violet. Sério, vocês já viram o ferimento de saída de uma bala de fuzil? Você leva um tiro desses no tronco, você não sobrevive. Sobretudo um bolt action da primeira guerra, que era muito mais forte que as armas contemporâneas.

É injusto eu cobrar tanto de Violet? Talvez, mas é o preço da excelência. Se o anime fosse uma série medíocre como Kokkoku, eu não ligaria. Mas vendo o que é capaz de entregar, fiquei com vontade de mais.

Fábio "Mexicano":
Me disseram que no original a Violet mata aqueles soldados com uma machadinha! O que confirma, na minha opinião, que esse episódio é puro exploit
Diego:
E que o original parece ser melhor 😃
Fábio "Mexicano":
Violet mata mil, wow, bem melhor mesmo. Imagine quão melhor ficaria esse episódio se ela tivesse matado todo mundo ali. Ok que a solução “gente, eu conheço ela e tá além do nosso alcance, vamos embora” foi tosca, mas uma Violet ensanguentada a essa altura da história seria ainda pior.

Meu maior medo é a Violet resolver se meter nesse conflito agora. Sempre que uma frase importante foi proferida no anime (“Eu te amo”, “Eu quero descobrir o que essas palavras significam”, “Nenhuma carta merece não ser entregue”) a vida ou a perspectiva da Violet perante a vida mudaram. Esse episódio jogou a Violet no olho do furacão e terminou com ela dizendo “Não quero que mais ninguém morra”.

Acham que estou exagerando, que meu medo é infundado? E o que acham da Violet se meter nesse conflito a partir de agora, lutando, escrevendo cartas ou ambos?

Diego:
Eu acharia péssimo. Digo, estamos no episódio 11! Restam três episódios para o anime acabar, e não se resolve (ou melhor, se trabalha) um conflito como esse em três episódios. Espero que a Violet se mantenha longe dessa briga.
Gato de Ulthar:
Esse é meu medo também, a Violet não deve se meter em mais nenhum conflito armado, isso foge totalmente do que Violet tentou mostrar até agora.
Vinícius Marino:
Ai meu Deus, novels e seu fascínio por violência. Não, não quero ver Violet matando soldados com machadinha. Não, não quero ver tiros de fuzil que desmembram pessoas quando é conveniente e dão uma picadinha inócua quando exigido pelo roteiro. Quero ver Violet fazendo o que trouxe de melhor até agora: história humanas envolvendo cartas e sentimentos.
Fábio "Mexicano":
Temos um consenso, então. Também acho que, considerando tudo o que o anime fez e foi até agora, essa seria uma mudança de tom horrível.

Essa edição acabou ficando mais curta, mas fazer o quê? Parte disso é culpa do próprio episódio, suponho. Considerações finais?

Diego:
Espero que não voltemos a ouvir falar dessa guerra civil tão cedo.
Gato de Ulthar:
Compartilha o desejo do Diego, sem mais guerras em Violet.
Vinícius Marino:
Quero saber porque o Benedict usa essas calças. Sim, calças. Esqueçam os saltos. Vocês viram esse modelito?

Ele deve gostar muito da cueca boxer para mostrá-la assim ao mundo.

Fábio "Mexicano":
Não tinha reparado nesse “detalhe” do character design do Benedict. A gente já especulou noutras ocasiões sobre ele e a Cattleya terem algo, né? Acho que eles têm, sim: uma guerra fria romântica. Os dois devem estar apaixonados pelo Hodgins. Que o próximo episódio seja a Violet escrevendo uma carta para o Benedict se declarar! (não, por favor não – mas ainda é melhor que guerra…)

Até semana que vem!

Discussão