Yami Shibai é um anime original que possui cerca de 4 minutos e a cada episódio apresenta um conto de terror que faz parte do imaginário popular japonês – as conhecidas lendas urbanas –, diferente de Junji Ito Collection, que adaptava histórias do renomado autor Junji Ito. A sua primeira temporada foi lançada em julho de 2013 e todo ano a série é renovada – com exceção de 2015 – com os mesmos 13 episódios – tendo tido duas temporadas em 2017 – e um formato praticamente inalterado desde sua estreia. Tirando os encerramentos, em que foram usadas canções mais pops com o passar do tempo.

E o que esperar de Yami Shibai? Terror? Horror? Cenas de susto de fazer qualquer um se molhar nas calças? Não exatamente, pois o tipo de terror cultuado nas obras japonesas muitas vezes não se vale dos mesmos artifícios usados no terror típico das obras ocidentais. Em vários contos o “susto” sequer faz parte do que impacta, e sim o temor que tentam passar na forma como a situação desconfortável progride. É um terror mais subjetivo, psicológico e menos gratuito – o que o torna menos visual.

Imagens do primeiro episódio da primeira temporada do anime

É por isso que para o anime ser curtido da melhor maneira possível é importante que o telespectador busque a imersão a fim de aproveitar o que está assistindo dentro das suas expectativas para uma história de terror/horror. Ver o anime em um ambiente escuro – de preferência à noite – com pouca ou nenhuma luminosidade e em uma tela pequena – a Crunchyroll exibe o anime oficialmente no Brasil e você pode baixar o aplicativo para assistir pelo celular – é a opção que considero a mais imersiva nesse sentido. Se o telespectador assistir um episódio em um ambiente claro e barulhento, ainda que a história contada seja assustadora, fica mais difícil se incomodar e/ou assustar para valer.

Se você, caro(a) leitor(a), curte histórias de terror japonesas – principalmente se tiver tido algum contato com o cinema japonês voltado para esse gênero – indico que dê uma conferida em Yami Shibai, pois apesar de serem histórias muito curtas ainda é uma experiência divertida para quem gosta de terror e tem interesse em conhecer várias lendas urbanas que fazem parte do folclore japonês.

Imagens do primeiro episódio da sexta temporada do anime

Você pode começar a ver o anime a partir de qualquer temporada e sequer precisa ver os episódios linearmente, o que é ainda melhor para quem foi introduzido tardiamente à obra. Também a indico para quem não teve muito contato com histórias de terror oriental, mas deseja conhecê-las, pois essa pode ser uma ótima porta de entrada para você se apaixonar pelo modo de assustar japonês e cada episódio tem menos de 5 minutos, né – esse é um gasto de tempo que não assusta a ninguém.

Uma das cenas mais emblemáticas, e que mais me assustou, dentre os vários contos do anime.

Discussão