Plunderer é um anime da temporada de inverno de 2020 que teve sua pré-estreia ainda agora em dezembro e é sobre os dois primeiros episódios da obra que vou escrever neste artigo.

Se está aqui imagino que tenha visto os episódios ou ao menos saiba do que se trata, então vou direto ao ponto: Plunderer teve uma estreia bem mediana. Para conhecer minha opinião em detalhes leia abaixo.

O conceito da história é bem interessante: um mundo de fantasia, apesar de aparecer um comunicador no final do segundo episódio (um belo bullshit, por sinal), em que cada pessoa é marcada com um número e se a contagem chegar a zero ela é engolida para um Abismo.

Isso me leva a pensar se a designação do contador pode mudar e se até bebês, que sequer podem revelar o que contam, podem ser zerados.

Deixando a divagação de lado, o que nos é apresentado é um battle shonen de animação bem comum. É só o terceiro anime do estúdio, roteiro bem comum, uma aventura com ação em que a heroína encontra o herói, e execução bem comum; ele salvaria ela, óbvio.

Até a comédia com entonação sexual foi bem “comum”. Menos mal que teve o mínimo de repercussão e quem tenta avançar para cima da protagonista se dá mal de alguma forma.

Enfim, faz sentido a garota ter pelo menos uns 14 anos e não saber informações básicas sobre o mundo, ainda mais considerando que passou cinco anos viajando sozinha? Não, não faz. Só é assim para que a personagem peituda e simpática nos informe sobre o mundo se aproveitando da desinformação da inocente heroína. Com a qual eu simpatizei, não nego.

Mas fofura e inocência são o mesmo que carisma? Creio que dependa do caso, mas objetivamente falando, não. Hina não é uma heroína que carrega a obra nas costas, talvez se torne um dia. Licht já é um herói minimamente interessante.

Ele tem mais de 300 anos? Ele evita criar laços por qual motivo? Por que ainda assim ajudou a Hina? Ora bolas, ele é o herói, é o que vai fazer. Sempre. Mas por que o exército o persegue se ele deveria ser o “mocinho”?

Não é difícil de imaginar as respostas para essa pergunta nem de supor que em um ponto a frente os dois se reencontrarão e trilharão o mesmo caminho. A cédula tem a ver com isso, certeza que tem, mas não é o que há de mais importante.

A mãe da garota a mandou encontrar o tal Barão Vermelho por um motivo. Aliás, por que ela foi sugada para dentro do abismo? Eventualmente devem dar todas essas respostas. Tem que dar. Só espero que isso seja feito usando uma trilha sonora menos extensiva e com mais lutas, afinal, é disso que um battle shonen vive. Só duvido de uma grande animação. Se a estreia já não entrega nada demais, então…

Felizmente, o militar abusador não deve ser um inimigo que vira aliado, tenho asco de personagem que tenta se aproveitar de mulher.

Infelizmente, nem a simpática e peituda dona do barzinho. Eu gosto de ecchi, não nego, até prefiro ecchi mais “convencional” a fixação com as coxas da garota. Eu vi isso, hein, autor! (Ou seria culpa da direção?)

Por fim, Plunderer não é nada, nada mesmo, inovador. Me diverti com a luta, a pose de bonzão do protagonista e o pseudo plot twist, mas tava na cara que logo ele seria desmentido. Em compensação, achei tudo meio simplório, além de ser difícil engolir tanta desinformação e inocência por parte da protagonista.

Espero que suas lágrimas a levem a amadurecer e que ela possa ser útil de alguma forma. Até nas lutas, quem sabe. Donzela em perigo? Tô fora, pego minha heroína forte e vou embora!

Fui!

P.S.: Assista por sua conta e risco. Se não for muto exigente pode se divertir (meu caso), se for duvido que goste. Mas o conceito é interessante, será mais se for bem aproveitado, e é aí mora o perigo… Vou ver para saber!

  1. Avatar

    Plunderer é muito mais que os episodios de estreia e os primeiros capitúlos do manga sugere. Digamos que é a parte mais bonitinha e inocente da história, porque o que vem pela frente com a evoluçao gradual da narrativa é bem profundo e bem pesado, o que muda totalmente o conceito que você tinha da historia, pois ela vira quase que totalmente de cabeça pra baixo o entendimento que criamos a respeito de Plunderer inicialmente e toma um caminho muito mais interessante. Todas as perguntas, tanto as citadas no post, quando as que virão sao todas respondidas com o decorrer da história e serio “explode o cérebro”. Concluindo, Plunderer possui uma narrativa incrível, que te cativa a cada capítulo, coloco minha mão no fogo que é uma história que voce nao vai se arrepender de acompanhar. 🙂

Comentários