Nunca mexa com os livros de uma bibliotecária, essa é uma boa lição. Caso contrário, você pode morrer. Não, esse não foi um episódio sério, na verdade foi o mais descontraído até então. Um divertido, informativo e criativo episódio. Então, vamos a ele.

Sim, um belo episódio, e que além disso focou novamente em algo que a Myne tanto gosta: livros. Quase todo esse episódio focou em livros, e todas essas vezes foi interessante. Além disso, conseguiu ser muito divertido, acho que esse foi o mais divertido do anime todo.

De começo tivemos uma montanha russa de sentimentos da pobre Myne. Quando eu vi a cena da biblioteca toda bagunçada, confesso que também fiquei igual aos servos quando eles entraram no cômodo. E não deu outra, a menina ficou furiosa.

Essa parte da Myne foi bem engraçada. De início furiosa, depois, ainda mais furiosa, e então, repentinamente, como que em um passe de mágica, ela se tornou extremamente dócil e contente. E tudo isso por causo de livros, nada além de livros para conseguir ter tamanho poder sobre ela. Aliás, mais do que usar esses elementos para entreter, de fato os conteúdos aqui apresentados são bastante interessantes.

Toda aquela coisa do Melvil Dewey e da classificação decimal foi bem interessante, assim como a explicação foi bastante didática e divertida, o que também tornou a tarefa de arrumar a biblioteca algo divertido, mas infelizmente foi muito rápida. Como “Honzuki no Gekokujou” não perde uma chance de trabalhar seu mundo, eles aproveitaram esses momentos para fazer várias explicações sobre aquele mundo.

Confesso que fiquei bem curioso para saber mais sobre a magia, coisa que até então foi explicado de maneira bastante genérica e vaga. Mas que claramente, pela importância que é dada à mana, é de valor fundamental para aquele mundo. Pelo visto, é uma característica que mantém a autoridade da nobreza.

Interessante, mas também não inesperado, foi a imediata vontade do Benno em vender os livros, coisa que foi logo recusada pela Myne. Pelo menos por enquanto, pois o objetivo dela é conseguir fazer livros aos montes e a essa altura do campeonato, acho que ninguém duvida que ela é capaz disso.

Um detalhe que devo comentar é a Myne falar abertamente com o Ferdinand, que claramente ficou ainda mais curioso e confuso do que antes. E aliás, pelo visto a Myne vai ficar o inverno inteiro por lá. Acho que essa é uma boa oportunidade da obra para fechar a narrativa a um único núcleo e o trabalhar corretamente.

Acho que o anime está sendo muito feliz em fazer uma boa divisão e trabalhar vários núcleos ao mesmo tempo. Porém, por isso mesmo acho que seria uma boa ideia deixá-los de lado um pouco. A obra já mostrou que tem controle sobre todos eles, então tem liberdade para fazer esse tipo de coisa. Até pois, todo o resto já está muito bem direcionado, e de fato não pede por interações e desenvolvimentos imediatos.

Myne sendo Myne…

Enfim, esse talvez tenha sido o episódio que eu mais me diverti de todo o anime. Ao mesmo tempo conseguiu trabalhar muito bem a história e os personagens, continuando com o bom rumo que a obra sempre teve.

De fato, a obra soube acelerar no início do anime sem exagerar, e agora soube ter o controle de seu ritmo e manter os pontos positivos, até os ampliando. Não acho que essa reta final será diferente, mas estou curioso para ver os próximos episódios.

Não tenho motivos para desconfiar que a obra deixará a qualidade decair. Muito pelo contrário, estou bem animado.

Mas é isso, até mais.

  1. Avatar
    Maguinalda Meira Martins

    Muito obrigado pela análise semanal dessa maravilhosa obra prima. Melhor obra que eu vi nos últimos 10 anos sem exagero. Essa obra tem um potencial de desenvolvimento de mundo absurdo, poderia chegar aos 50 a 70 episódios facilmente sem ficar cansativo.

    • Avatar

      Sem dúvidas. O anime me surpreende a cada episódio, além de comprovar sua qualidade ainda vem demostrando um grande potencial futuro.

Comentários