Dez dias após o dia das mães – que neste ano coincidentemente foi no mesmo dia do aniversário da minha mãe – e aqui está meu “artigo especial” sobre uma narrativa em que as mães têm os holofotes!

Tsuujou Kougeki ga Zentai Kougeki de 2-kai Kougeki no Okaasan wa Suki desu ka? – a tradução você confere no título – é uma light novel de autoria de Dachima Inaka e ilustrações de Iida Pochi.

A série é lançada desde 2017 e até ganhou um prêmio importante que ajudou a expandir sua popularidade, assim trazendo à tona um tema que costuma ser bem explorado pela ficção, mas em aventura não é comum que seja o central: a relação de uma mãe com seu filho. Que belo tema a explorar, não acha?

Ler o artigo →

Suzumiya Haruhi é uma série de light novels escrita por Nagaru Tanigawa e ilustrada por Noizi Itou. A obra vendeu horrores e teve duas temporadas de um anime super popular que catapultou o sucesso, tornando-a não só uma referência no meio das light novels, como também um fenômeno cultural e o clássico incontestável que é.

Porém, a publicação da série de livros foi parada pelo autor e sem prazo confirmado para a volta. Restando aos fãs o desejo de que não acabe no limbo. No artigo comentarei minhas impressões do primeiro volume, A Melancolia de Suzumiya Haruhi, que dá nome a animação.

Ler o artigo →

The Akiba Labyrinth: A Little Trip with My Little Big é uma light novel de autoria de Maho, ilustrações de Chiwawa Iwasaki e que, tal como Alice’s Tale e Whether It Rains or Shines Tomorrow, tem poucas páginas para o padrão das novels e foi lançada no ocidente em uma iniciativa da Conyac, empresa de tradução colaborativa sediada no Japão. Você é o little ou big de alguém? Vamos sair desse labirinto?

Ler o artigo →

Whether It Rains or Shines Tomorrow é uma light novel de autoria de Madoka Harumi, ilustrações de Nacht e lançamento promovido pela Conyac, empresa de tradução colaborativa sediada no Japão, no mesmo molde de Alice’s Tale.

A história é um pequeno recorte da vida dos dois protagonistas, Itsuko e Miyano, adolescentes que são verdadeiros opostos, mas têm algo bem peculiar em comum. O livro é pequeno, tem só 93 páginas, e é um romance com uma boa dose de drama, faça chuva ou faça sol!

Ler o artigo →

Alice’s Tale é uma light novel de autoria de Tadanori Kurashita e ilustrações de Akio Watanabe e suas pouco mais de 80 páginas entregam uma história simples, mas não menos interessante, que trabalha o cotidiano da relação entre um humano e uma IA e um revés que faz sua leitura valer a pena.

O livro foi lançado digitalmente no ocidente em uma iniciativa da Conyac, empresa de tradução colaborativa sediada no Japão, que escolheu tradutores por meio de um concurso. Vamos falar do Conto de Alice?

Ler o artigo →

Kinoko Nasu é a principal mente criativa por trás da TYPE-MOON, portanto, é o responsável por escrever a série de livros de Kara no Kyoudai e as visuals novels de Tsukihime e do universo de Fate.

Nessa curta light novel, criada para um recital, somos apresentados a humanidade no ano 3000, ou ao que sobrou dela, e a uma personagem chamada de “Princessa”, que liga o presente ao passado, a Terra à Lua; de forma poética, bela e reflexiva. Vamos pegar um peixe no Coral da Lua?

Ler o artigo →

Light novels são os famosos livros japoneses que têm uma relação íntima com os animes e mangás tanto por serem adaptados para outras mídias, quanto por serem adaptações destas. Se você deseja adentrar nesse território ainda pouco conhecido para a maioria dos otakus brasileiros, uma lista com indicações de boas obras por onde começar viria a calhar, não é mesmo? Sendo assim, pode descer a página e começar a desbravar o universo das light novels!

Ler o artigo →

Kimi to Boku no Uta World’s End é uma light novel, mas não exatamente um livro e sim um conto de autoria de Tsugumu Hashimoto e ilustrações de Otohiko Takano. Em pouco mais de 20 páginas nos é mostrado um mundo pós-apocalíptico em que o ser humano deve lidar com a companhia da solidão.

Ler o artigo →

Kenja no Mago é uma light novel de autoria de Tsuyoshi Yoshioka com arte de Seiji Kikuchi que ainda está em lançamento, já tem adaptação em mangá e ganha seu anime na temporada de abril de 2019.

O que esperar de mais um isekai advindo de light novel? Clichês por todos os lados e uma trama sem a capacidade de passar a sensação de perigo real? Não exatamente. Entre erros, mas principalmente acertos, a história daquele que reencarna e se torna neto de um grande mago mostra um brilho que, se não é mágico, prova que um isekai contemporâneo pode ser bom sim. Leia meu artigo e confirme.

Ler o artigo →

Kieli é uma light novel de autoria de Yukako Kabei e arte de Shunsuke Taue que foi lançada de 2003 a 2006 pela editora Dengeki Bunko e de 2009 a 2013 pela editora Yen Press nos Estados Unidos. A obra possui 9 volumes.

Uma curiosidade é que a adaptação em mangá tem o traço de Shiori Teshirogi, que é conhecida no país por ser a autora de Lost Canvas – spin-off da franquia Cavaleiros do Zodíaco.

Kieli não tem nada a ver com esse velho battle shonen, a série alia a aventura ao mistério em um universo que se vale do sci-fi enquanto flerta com a fantasia. Uma obra peculiar que comentarei mais a seguir!

Ler o artigo →