Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Se não fosse a prévia ao final do episódio anterior mostrando que o Birk iria encontrar Ronja, eu teria ficar realmente preocupado durante esse episódio, sentado na ponta da cadeira e roendo as unhas. Para ajudar até colocaram antes da situação ficar tensa de verdade uma cena que a Ronja imaginou que aconteceria se ela não conseguisse sair dali: seu pai aparece correndo procurando-a mas já é tarde demais, tudo o que ele encontra é o esqui fincado na neve e ele começa a chorar e gritar desesperadamente. Aliás, eu não entendi que isso fosse a imaginação de Ronja, achei que ele realmente iria procurá-la sem saber que ela já havia sido salva. Só depois do final que eu voltei e assisti aquela cena de novo e aí entendi do que se tratava. Enfim, esse episódio junto com o anterior mostrou como a edição é tão importante quanto uma boa história. Boa história o Ghibli tem, mas a edição nesses dois últimos episódios foi um fracasso. Pelo menos esse episódio não foi um tédio, foi bom até. Mas poderia ter sido muito melhor.


Anime21 Diário

Informe o seu e-mail para receber gratuitamente as atualizações do blog!


Como disse no artigo sobre o episódio anterior, esse arco teria ficado muito melhor como um episódio só. Poderiam cortar a baboseira da guerra de bolas de neve e dos ladrões limpando o estábulo e pular direto para o assunto do episódio. Uma breve introdução do inverno, e manda a Ronja se divertir de esqui logo. Mostra alguns dias passando, com o dia a dia de inverno dos ladrões ao fundo, como teve no episódio anterior mesmo. Aí a Ronja fica presa na metade do episódio. Daí condensa um pouco o drama todo da Ronja presa e, finalmente, o Birk a salvando e os dois fazendo o juramento de fraternidade. Imagine quão mais poderoso teria sido o episódio dessa forma? Se fizessem questão de terminar com suspense, poderia ter as duas cenas da Ronja de volta ao castelo que tem nesse episódio, aquela onde ela diz que o dia foi ótimo e a outra dela acordando pela manhã no dia seguinte ardendo em febre. E joga a conversa dos ladrões sobre nunca terem visto tanta neve para o próximo episódio.

Oh, sim, acho que estou tentando ensinando o Goro Miyazaki a fazer seu trabalho. Mas é uma crítica construtiva! Estou dizendo o que me incomodou como espectador de seu trabalho, que eu gosto. E por gostar eu queria ter gostado mais, queria não ter me sentido mortalmente entediado no episódio anterior, queria ter me assustado de verdade nesse episódio, queria que ele tivesse terminado em grande estilo para me deixar com uma sensação de wow! Talvez as minhas dicas não sejam boas, talvez a forma como eu sugeri que o episódio deveria ter sido não seja a melhor. Mas eu sou amador nisso, eles são profissionais, tenho certeza que podem fazer melhor.

Enfim, quanto a história, como disse no título teve um clima de terror. E digo quase apenas porque já sabia que tudo acabaria bem, e bem rápido, porque se não fosse assim teria ficado me sentindo bastante preocupado pelo destino da Ronja. A protagonista presa, sozinha no meio de uma floresta nevada, longe de casa e sem que ninguém saiba exatamente onde ela está e muito menos que ela está em perigo (o pai dela definitivamente se tornou muito relapso). A menina fica cada vez mais assustada, desesperada mesmo. E eu me perguntando como ela não chora. Bom, ela chora, eu só estava esperando que ela chorasse mais como uma criança, com berros e tudo, mas ela apenas verteu lágrimas copiosamente. Cansada, ela adormece sobre a neve. Tudo isso construiu a tensão até agora, onde o verdadeiro terror começa: uma harpia surge ameaçadora no céu, paira por alguns instantes que parecem eternos, e desce em direção à Ronja. Diz a ela que seu destino é se tornar uma escrava das harpias, trabalhando na montanha delas até que todo o seu sangue escorra para fora do corpo. A alternativa é ser dilacerada pelas garras da harpia. A ameaça pareceu muito real, principalmente quando a ave começou a tentar agarrá-la pelas roupas e levantar vôo. Com o pé de Ronja preso, contudo, a harpia fracassou. Ainda a ameaçou mais um pouco, tentou com mais afinco, e quando viu que não conseguiria prometeu voltar no dia seguinte com suas irmãs. Eu juro, foi assustador. Mas teria sido bem mais se eu simplesmente não soubesse que o Birk iria aparecer a qualquer momento.

Quando Birk chegou, ele primeiro gritou ao longe de onde encontrou o esqui perdido de Ronja. Não aparece na tela ainda, não está à vista de Ronja, e ela acredita que está imaginando coisas depois de tanto tempo presa, sozinha e assustada. Então Birk a encontrou, semi-adormecida. Ela demorou um pouco a se recompôr, mas pôde finalmente se acalmar. E suas emoções saíram todas de uma vez só, agora sim, em um choro de criança, aquele com lágrimas e com os gritos e berros que eu estava sentindo falta até então. Porque, percebi, a Ronja está sempre tentando se fazer de forte, por isso mesmo sozinha e assustada ela tentava manter-se calma. Bom, o tanto quanto possível, pelo menos. Mas depois de toda essa provação, e depois de estar sentindo falta do Birk (lembra do arco anterior?), ela parou de se conter, agarrou o braço dele, pediu para que nunca mais saia de perto dela e chorou. Birk libertou-a e, depois de caminharem pela floresta, quando chegaram à entrada do esconderijo de Ronja, se despediram.

Não uma despedida comum. Na verdade, nem foi uma despedida, foi uma promessa de estarem sempre juntos. A forma como é animado o rosto de Ronja nessa cena é simplesmente fantástica. Desviando os olhos, abaixando a cabeça, mexendo-se nervosa, Ronja diz a Birk que gostaria que eles fossem irmãos. Birk não mostra a mesma gama de emoções de Ronja, está quase sempre sorrindo, o que me incomoda um pouco, mas nesse momento ele fez uma expressão de surpresa. E sorriu de volta em seguida. E concordou com Ronja. E eu fiquei emocionado aqui por um lado, mas triste pelo episódio não ter acabado ali. Teve uma cena da Ronja no castelo sentada sorrindo satisfeita esperando a mãe preparar o jantar enquanto o pai pergunta como foi na floresta e ela apenas responde que foi “ótimo”. Em seguida uma enrolação desnecessária com os ladrões comentando sobre como havia nevado demais e as saídas do castelo estavam todas bloqueadas então não precisariam de vigias e blá, enfim, bobagem. Por fim, Ronja levanta-se da cama com o rosto vermelho, visivelmente com febre, e pende em direção a uma coluna. E aí sim o episódio acabou. Poderia ter acabado aí também, mas como eu já disse, sem aquelas bobajadas com os ladrões e a neve.

Comentários