O Hiei é guiado pelos torpedos do Harekaze para águas rasas e contra-ataca com seus canhões

As garotas pensaram ter topado com o Musashi, eu pensei que elas haviam topado com o Musashi, desde a semana passada eu achava que elas topariam com o Musashi. Mas ainda não era o Musashi. Era o Hiei, outro navio da escola das garotas. Outro navio grande, mas bem menor que o Musashi, elas afirmam. E mesmo sendo bem menor ele ainda era grande e poderoso o suficiente para colocar o Harekaze em grande dificuldade – assim, provavelmente serviu como um teste de fogo para as garotas, não é? Elas vão ter que enfrentar o Musashi afinal, é para esse porto que Haifuri está navegando.

Uma parcela menor mas razoável do episódio foi usada para revelar mais detalhes sobre a Rebelião Naval Roedora. Eu já disse várias vezes que acho estapafúrdia a ideia de ratos com super-poderes sendo os agentes de uma crise dessa magnitude em um cenário que apesar do absurdo de colocar navios de guerra nas mãos de colegiais se pretende verossímil. Mas dentro do absurdo já estabelecido, pelo menos a história contada nesse episódio foi coerente – e acrescentou possibilidades que eu tenho certeza que Haifuri irá desperdiçar.

Curta o anime21 no facebook:

Aqueles ratos são geneticamente modificados e possuem poderes telepáticos de natureza eletromagnética, por isso afetam instrumentação eletrônica e de comunicação. Mais que isso, o poder pode ser transmitido de um indivíduo para outro e mesmo inter-espécies (pelo menos para humanos, mas gatos são imunes) através de um vírus. Não é uma telepatia divertida do tipo que você sonharia em ter, é algo de mais baixo nível que fala com porções mais primitivas do cérebro, essencialmente tornando o portador do vírus altamente sugestionável através do canal telepático estabelecido com quem o infectou. Por isso os afetados não fazem ideia de porque agiram como agiram ao mesmo tempo em que mantém todas as memórias de suas ações: não eram eles que estavam tomando as próprias decisões e a sugestão/controle mental opera em nível subconsciente.

O projeto dos super-ratos

O projeto dos super-ratos

Tudo muito bom, tudo muito bem, consigo achar isso crível, embora eu tenha quase certeza que não é biologicamente possível. O que não quer dizer que perdoo o anime: ainda é uma ideia de jerico. Uma conspiração normal, com o fator humano como adversário, teria sido incrivelmente mais interessante. Mas se há algo de positivo é que o roteiro ainda mantém uma porta aberta para isso: esses ratos são frutos de uma pesquisa secreta e os envolvidos enganaram o Colégio Yokosuka e ganharam uma carona da instrutora Furushou para a ilha que seria o ponto de encontro das alunas do Colégio Yokosuka, tragicamente o mesmo lugar onde um submarino cheio desses ratos transgênicos havia ido parar. Deu tudo tão certo quanto o anime mostrou até agora. Embora a diretora do Colégio Yokosuka e as Blue Mermaids tenham descoberto sobre as pesquisas secretas que causaram toda essa crise, não duvido que os poderosos por trás dos ratos ainda tentem ocultar o fato da imprensa – nem que para isso precisem sacrificar uma aluna ou duas, ou alguns navios inteiros cheios delas.

Mentira, duvido sim. Haifuri é muito simples e já evitou proativamente a rota da conspiração até agora, não creio que vá fazer essa guinada drástica na linha final quando o mais importante será o embate climático entre o Harekaze e o Musashi. Esse é o lado negativo de Haifuri: no fim das contas é um anime moe, sempre fofo, feliz e instigador de pensamentos positivos. Minha comparação com Gakkou Gurashi nas primeiras impressões se provou equivocada. Haifuri não tem a intenção de subverter nada. Mas o anime voltou a boa forma e fez o que ele faz de melhor desde o primeiro episódio: uma batalha naval emocionante.

O Hiei também sofria de um caso sério de infestação por ratos psíquico-psicopatas, e ai do Harekaze se ficasse no caminho dele! Pelo menos essa foi a primeira vez desde o início do anime que o Harekaze teve a opção de não ficar no caminho de seus agressores, já que até a batalha anterior elas eram dadas por rebeldes e achavam que estavam sendo atacadas por causa disso, de forma que fugir era inútil. Mas o Hiei estava a caminho de um porto civil e os ratos chegarem lá seria catastrófico, avaliou corretamente a tripulação do Harekaze, e diante do dilema moral de enfrentar um navio muito maior e mais poderoso correndo risco de vida ou deixar ele passar e preservar a própria segurança em detrimento da de civis, Misaki tomou a única decisão correta: elas estão treinando para ser Blue Mermaids afinal, protetoras dos mares, se houver algo que possam fazer para tentar proteger pessoas elas devem tentar, por débeis que as chances sejam.

A situação era particularmente complicada porque a única arma que elas tinham capaz de afetar o Hiei eram seus torpedos, mas esses poderiam afundar o navio adversário junto com todas suas inocentes estudantes e colegas de Yokosuka. Misaki precisou então chocar um plano mirabolante de usar seus armamentos e velocidade para atrair o Hiei até águas rasas, na esperança que ele encalhasse. Os motores do Harekaze quase explodiram durante a execução dado que elas precisavam ficar muito perto do outro navio e ele era tão veloz quanto, mas no final as garotas conseguiram. Só ficaram algumas pequenas questões mal explicadas no ar: por que depois de atolado o Hiei parou de disparar? E aquele fanservice era mesmo necessário?

Pra quê?

Pra quê?

Gostou desse artigo? Compartilhe:

  1. Este episódio foi mediano, deu para perceber a origem do vírus, afinal sempre havia gente poderosa por detrás da treta dos ratos e estes não se importam muito de descartar algumas alunas e navios. Achei bem interessante, a batalha do Harekaze contra o Hiei, afinal a Misaki é uma boa capitã e estrategista, ela levou os motores do Harekaze ao limite mas conseguiu o resultado pretendido. Aquela cena final de fanservice tinha que ter se é para vender tem que ter aquele tipo de coisas (eu acho que as adultas ali são piores que as adolescentes).
    Como sempre uma excelente matéria.

    • Fábio
      Fábio "Mexicano" Godoy

      Considerando alguns dos episódios anteriores, achei esse muito bom, hehe.

      Mas enfim, foi só um prelúdio pra grande batalha final que certamente será contra o Musashi. Que façam algo épico =)

Deixe uma resposta