Subaru herói derrota o doberman demoníaco

Luffy quer encontrar o One Piece e se tornar o Rei dos Piratas por causa da admiração que sente desde criança por Shanks. Batman quer evitar que outras crianças precisem passar pelo que ele passou quando perdeu os pais. Rocky é um fracassado que de repente por capricho do destino tem a chance de lutar contra o campeão mundial e quer aproveitar essa oportunidade ao máximo. Ulisses está amarrado por juramento a Menelau, como vários outros reis gregos. Jesus veio estabelecer uma nova aliança com a humanidade. Martin Luther King tinha um sonho de igualdade.

Heróis sempre tem uma motivação, um ponto de partida. Sejam eles heróis de ficção japonesa ou ocidental, de mitos, religiões ou mesmo da vida real. E esse motivo precede seu próprio heroísmo. Eles não são heróis porque agem heroicamente, eles agem heroicamente porque são heróis, e são heróis por um motivo, por um objetivo, por um impulso inicial. Por que Subaru é um herói? Por que ele “ama” todos da mansão? Por que ele quer ajudar e salvar todo mundo? Re: Zero tem uma boa história. O ritmo me incomoda com mais frequência do que eu gostaria, mas o que realmente me exaspera é ser incapaz de compreender seu protagonista.

Curta o anime21 no facebook:

Eu sei que já falei muito sobre o Subaru no artigo do episódio 7, então não vou me estender muito sobre o assunto dessa vez. E vou me concentrar em seu papel de herói, porque é isso o que ele é, sem entrar em outros méritos. Provavelmente não é o último artigo no qual eu vou falar disso, peço desculpas antecipadas. Subaru mais uma vez foi um herói nesse episódio quando insistiu em salvar as crianças a qualquer custo, mesmo sendo ele tão fraco, mesmo sendo alertado pela Rem. Ele conhece elas, diz ele, depois de contar o que elas querem ser quando crescer. Isso justifica a empatia, sem dúvida, mas não garante o impulso altruísta para agir com o desapego pela própria segurança com o qual ele age – lembrando que ele é supostamente fraco (embora várias cenas de ação até agora sugiram o contrário), supostamente covarde (vive tremendo mas segue em frente mesmo assim), e supostamente odeia a dor e tem medo da morte (o comportamento dele quanto a isso pelo menos é um pouco verossímil).

Subaru amigo gosta de todo mundo da mansão

Subaru amigo gosta de todo mundo da mansão

O Subaru serve como um ideal de pessoa comum (embora de comum ele tenha muito pouco) que apesar do medo, insegurança, perigo ou falta de poder faz o que precisa ser feito. Uma das críticas mais comuns a sociedade atual não é exatamente como as pessoas adoram reclamar de tudo sentadas no conforto de seus lares, sem tomar uma só atitude concreta? O Subaru vai lá e age! Mas ele não funciona como um herói porque eu não tenho a menor ideia de porque ele age. Mesmo se ele fosse só um personagem representativo de uma pessoa comum com a intenção de inspirar outras pessoas comuns pelo menos isso deveria ser claramente estabelecido para que o efeito pretendido seja obtido. Ao invés de sofrer com a exaustão no oitavo episódio ele poderia ter sofrido com seus dilemas pessoais e contado uma coisa ou outra pra Emilia.

Subaru humano sucumbe de exaustão física e mental

Subaru humano sucumbe de exaustão física e mental

Ele já havia tentado ter uma conversa séria com a Emilia no sétimo episódio. Era sobre voltar no tempo, não tem nada a ver com a motivação dele ainda, ok, mas o que quero dizer é que ele já tem intimidade suficiente com ela há bastante tempo para se abrir. E se ele se abrir com ela irá se abrir com a audiência também. Se abre comigo, Subaru. Quero te entender cara. Ou já que só se interessa por garotas (e não posso culpá-lo por isso) pelo menos se abra logo com a Emilia! Ao invés disso o Subaru continua guardando todos os seus segredos, ele continua indecifrável como a esfinge. Ao invés, tive que ficar um episódio inteiro assistindo ele trabalhar até os ossos, agindo de forma imprudente (o caso do vaso) e sucumbindo. Falei na introdução do problema de ritmo de Re: Zero e certamente foi o caso aqui. Esses dois episódios poderiam muito bem ter sido um só (estou aguardando ansioso que apareça alguém aqui e comente “não cara, aquele episódio onde não aconteceu nada foi importante…”).

E bom, até teve lá sua importância. Mas não foi pela história em si e sim pela exposição sobre a bruxa, que à rigor poderia ter acontecido a qualquer momento. Não precisava ter sido agora bem como poderia ter sido contada episódios atrás. Mas já que veio agora vamos comentar agora, vamos? A bruxa Satella teve seus poderes selados mas continua viva na forma de uma meio-elfa de cabelo prateado – tipo a Emilia. Não acredito que a semelhança seja apenas coincidência. Qual a relação da Emilia com Satella? Por que Emilia se apresentou como Satella no primeiro episódio? Talvez ela estivesse testando o Subaru, mas que teste? Ao ouvir o nome ele deveria se encolher de medo? Mas ao não se encolher ficou provado o que exatamente? Que ele é estrangeiro vindo de muito longe, que é agente da bruxa (ele já fedia à bruxa desde aquele momento?), que não levou ela a sério, ou que é estúpido?

Se a bruxa tem alguma relação com Emilia além da aparência, a garota está consciente disso? A relação em si pode ser muita coisa. Mesma família, mesmo clã, tribo, parente próxima, pode estar selada dentro dela, pode ser outra personalidade dela. Ela pode até estar enganando todo mundo e ser a Satella bem Satella – mas talvez ela não seja malevolente como a história sugere. Em qualquer desses casos existe o problema do “cheiro da bruxa”. O Subaru tem esse cheiro mas além de ter (provavelmente) sido trazido a esse mundo por ela, nada sugere qualquer outra relação. Por que a Emilia não teria cheiro nenhum? Ou como ela conseguiria disfarçá-lo de forma tão infalível? Mas bom, se o Subaru é um herói sem motivação talvez a Emilia seja parecida com a vilã da história por nenhuma razão especial também.

O cachorro da discórdia

O cachorro da discórdia

Já reclamei dos personagens, já reclamei do ritmo da história, acho que vou reclamar do enredo mesmo agora, que tal? Há vários episódios a Beatrice ensinou para o Subaru e todos nós que xamãs lançam maldições. Subaru descobriu que uma maldição estava mesmo afligindo a mansão e saiu à caça de xamãs. Em vários episódios no meio um pouco mais sobre maldições e xamãs foi revelado. Vamos descobrir quem é o xamã! Mistério! Confesso que já desconfiava do cachorro porque o anime não soube ser sutil sobre isso: ele sempre era citado bem como sempre era citado que ele mordia o Subaru. Não digo que estava na cara, mas considerando que não se conhece mais ninguém da vila ele era o principal candidato. E ere ele mesmo, danado! Mas ele não é um xamã, é um majuu. Qual é! Se é pra ficar inventando coisa na hora assim nem tente ser um mistério!

Enfim, apesar de tudo isso a história continua interessante – não tanto pelo que está mostrando, mas pelos mistérios que possui. Principalmente sobre a bruxa e a Emilia. O problema é que isso não é história ainda, é apenas expectativa, e sempre existe a chance bem real de que as resoluções para todos esses mistérios sejam bastante frustrantes. O grande ponto alto acabou sendo o surto psicótico demoníaco da Rem no final do episódio 9. Assistir a Rem surtar é sempre divertido.

Gostou desse artigo? Compartilhe:

  1. Como sempre uma excelente matéria, no final desta temporada se juntasses todas as tuas matérias, já dava para publicares uma livro. O episódio oito para mim foi mais ao menos, foi mais calmo, mas aquela parte onde o Subaru se esforça tanto para agradar, os membros da mansão até me deu agonia, via-se de longe que ele estava a sofrer com o stress, estava a ver que ele ia ter um ataque cardíaco. Aquela cena do Subaru foi muito boa, nota-se que à uma química entre os dois, os japoneses têm que ficar de olho no seyuu do Subaru ele é top em todas as actuações (já gostava da forma de dublar dele em Arslan Senki). O episódio nove para mim foi bom, eu tinha razão em suspeitar do cão (eu cheguei a comentar esta teoria numa das tuas reviews deste anime), mas nunca pensei que ele comandasse uma horda de marionetas da bruxa, eu acho a atitude do Subaru altruísta quase utópica às vezes, se formos a ver bem ele parece um herói sem motivações, mas se formos ver por outro ponto de vista, o Subaru no Japão tinha uma vida de tédio ele não tinha nada para proteger e não almejava nada, mas quando foi para outro mundo, encontrou o seu suposto primeiro amor, depois encontrou outras pessoas boas de quem quer ser amigo e tenta salvar todos, mesmo aqueles que não lhe são nada como se fosse um herói utópico, eu pessoalmente gosto da forma de agir dele mesmo que às vezes ele morra demais, e a personalidade dele está a ser moldada a cada morte o que para mim é um factor positivo. A Rem como demónio estava nota 10, ela quando entra em modo Berserk mata tudo ao seu redor mesmo que descuide a sua defesa (o Subaru sabe do que falo).

    • Fábio
      Fábio "Mexicano" Godoy

      Eu já pensei em fazer um e-book mesmo =P Mas seria com conteúdo novo, hehe.

      Eu acho que os episódios 8 e 9 poderiam ter sido um só. O oitavo acabou ficando muito arrastado pra muito pouco conteúdo. Foi só pra ficar com pena do Subaru, mas nem conheço ele direito (olha eu reclamando disso de novo, LOL).

      E bom, heróis costumam ser altruístas em maior ou menor grau, veja todos os exemplos que eu dei, hehe. Daqueles o único que eu não acho altruísta em grau relevante nenhum é o Ulisses. Coisa de poesia épica grega. Mas todos eles tem um motivo para ser um herói. O do Subaru é ter se apaixonado? Se for, não foi esclarecido o suficiente. É ter se mudado para outro mundo? Se for, não foi esclarecido o suficiente E é um motivo fraco de todo modo – ele já chegou no outro mundo, não é como se precisasse continuar fazendo algo para estar nele. Ele sequer fez algo em primeiro lugar para isso, foi um evento aleatório. A história é muito interessante mas vou continuar achando-a manca enquanto seu protagonista continuar sem uma base.

      Mas sim, ele tem se desenvolvido como personagem ao longo dos episódios e isso é legal. Quero dizer, pelo menos isso.

  2. Vou decifrar tudo em 1 seg, ele não pode falar quando ele fala sobre o poder dele a bruxa toca no coração da pessoa a quem ele contou e ele sente e a pessoa acaba morrendo

    • Fábio
      Fábio "Mexicano" Godoy

      Com “decifrar” você quer dizer na verdade “já assisti os episódios seguintes ou já li o material original”, né? Tudo bem, o anime já acabou, a essa altura eu também já vi de velho e descobri isso =)

      Meus artigos são análises dos episódios em questão levando em conta apenas as informações reveladas pelo anime até então. Não dou spoilers, mesmo quando eu sei o que vai acontecer (o que não era o caso de Re: Zero).

      Obrigado pela visita e pelo comentário =)

  3. Outra coisa ele é herói por ser uê não existe isso de precisar de um motivo, só é altruísta só não tem explicação eu mesmo sou assim odeio ver o mal das pessoas e sempre me ferro por causa delas e não LIGO pra minha dor quando quero ajudar uma criança ou um amigo.

    • Fábio
      Fábio "Mexicano" Godoy

      A vida real é diferente da ficção. EM ficção tudo acontece por um motivo – e seria bem chato se fosse diferente. Pense em todas as histórias que você gosta (e provavelmente nas que você não gosta também), e verá que tudo está meticulosamente encaixado, planejado. Histórias que não são assim tendem a ser chatas ou parecer sem sentido. São mais difíceis de acompanhar, e tecnicamente são piores mesmo, demonstrando menor habilidade do autor em criar roteiros com sentido.

      Se você é mesmo assim na vida real, muito bom! Precisamos de mais gente assim, de verdade! Mas vida real é vida real, ficção é ficção.

      Obrigado por mais um comentário =)

Deixe uma resposta